Semana de 4 dias de trabalho: como a maior experiência do mundo está a mudar a vida das pessoas

CNN , Anna Cooban
16 ago, 10:00
Burnout

Experiência-piloto de seis meses no Reino Unido envolve 3.300 trabalhadores em 70 empresas a trabalhar 80% da semana habitual. Empresas explicam como se têm adaptado. E trabalhadores falam de uma mudança de vida.

Os trabalhadores estão fartos.

Mais de dois anos de pandemia depois, muitos entraram em burn-out, “queimaram”, deixaram os seus empregos ou estão a lutar para sobreviver à medida que a inflação recorde lhes dá uma enorme dentada no salário.

Mas, durante as últimas oito semanas, milhares de pessoas no Reino Unido testaram um horário de quatro dias - sem cortes no seu salário - que poderá ajudar a iniciar uma nova era do trabalho.

É a maior experiência mundial até agora de uma semana de trabalho de quatro dias. Alguns trabalhadores já disseram que se sentem mais felizes, mais saudáveis e que estão a fazer melhor o seu trabalho.

"Uma mudança de vida”

Lisa Gilbert, gestora de serviços de crédito do Charity Bank, um banco de empréstimos éticos no sudoeste de Inglaterra, descreve a sua nova rotina como "fenomenal".

"Agora posso realmente aproveitar o meu fim-de-semana, porque tenho a minha sexta-feira para as minhas tarefas e outras pequenas coisas ou... se eu quiser apenas levar a minha mãe a passear, posso fazê-lo agora sem me sentir culpada", diz à CNN.

Lisa Gilbert, gestora de serviços de crédito do Charity Bank, aproveitando o dia extra no Tamisa, em Londres.

Gilbert cuida do seu filho e de dois pais idosos. O dia extra de folga por semana significa que ela já não tem de recolher as suas compras às 6 da manhã de um sábado, e pode dedicar mais tempo à sua família. "Acho que estou a dizer 'sim, podemos' em vez de 'não, lamentamos que não possamos'", afirma.

A experiência-piloto de seis meses envolve 3.300 trabalhadores em 70 empresas a trabalhar 80% da semana habitual, em troca da promessa de manter 100% da sua produtividade.

O programa está a ser conduzido pela 4 Day Week Global, Autonomy, um grupo de reflexão sem fins lucrativos, e a Campanha 4 Day Week UK em parceria com investigadores da Universidade de Cambridge, Universidade de Oxford e Boston College.

Os investigadores irão medir o impacto que o novo padrão de trabalho terá nos níveis de produtividade, igualdade de género, ambiente, bem como no bem-estar dos trabalhadores. No final de novembro, as empresas podem decidir se querem ou não manter o novo horário.

Mas, para Gilbert, o veredicto já está feito: tem sido "uma mudança de vida", proclama.

“Genuinamente caótica”

No entanto, a transição não tem acontecido sem soluços.

Samantha Losey, directora administrativa da Unity, uma agência de relações públicas em Londres, disse à CNN que a primeira semana foi “genuinamente caótica”, com a sua equipa impreparada para as transferências de trabalho mais curtas.

"Para ser totalmente honesta consigo, essas duas primeiras semanas – foram realmente uma confusão. Estávamos por toda a parte na loja. Pensei que tinha cometido um enorme erro. Não sabia o que estava a fazer", diz.

Mas a sua equipa encontrou rapidamente formas de fazer a semana funcionar. Agora, a empresa proibiu todas as reuniões internas de mais de cinco minutos, limita todas as reuniões de clientes a 30 minutos e introduziu um sistema de "semáforo" para evitar perturbações desnecessárias - os colegas têm um semáforo na sua secretária, e colocam-no em "verde" se estiverem disponíveis para falar, "laranja" se estiverem ocupados mas disponíveis para falar, e "vermelho" se não quiserem ser interrompidos.

A Unity, uma agência de relações públicas em Londres, introduziu um sistema de "semáforo" - os empregados têm um semáforo na sua secretária que colocam em "verde" se estiverem felizes em falar, "laranja" se estiverem ocupados mas disponíveis para falar, e "vermelho" se não quiserem ser interrompidos.

À quarta semana, disse Losey, a sua equipa tinha dado o seu melhor, mas ela admite que existe "absolutamente" a possibilidade de ela poder restabelecer um horário de cinco dias se os níveis de produtividade caírem ao longo do ensaio de seis meses.

"Há uma probabilidade de uns bons 25% de não conseguirmos mantê-la [a semana de quatro dias], mas a equipa até agora está a lutar incrivelmente por ela", disse ela.

“Como uma biblioteca''

Até ao mês passado, a Islândia tinha conduzido o maior projeto-piloto do mundo de uma semana de trabalho de quatro dias. Entre 2015 e 2019, o país submeteu 2.500 dos seus trabalhadores do sector público a duas experiências.

De forma crucial, essas experiências não se depararam com uma queda correspondente na produtividade - e uma dramática melhoria no bem-estar dos trabalhadores.

Gary Conroy, fundador e CEO da 5 Squirrels, um fabricante de produtos de cuidado da pele na costa sul de Inglaterra, trouxe o conceito de "tempo de trabalho profundo" para assegurar que os seus empregados permaneçam produtivos.

Gary Conroy (à direita), fundador e CEO da 5 Squirrels, um fabricante de produtos para a pele, estabeleceu o "tempo de trabalho profundo" na sua empresa para aumentar a produtividade.

Durante duas horas todas as manhãs e duas horas todas as tardes, a equipa de Conroy ignora e-mails, chamadas ou mensagens das equipas e concentra-se nos seus projetos.

"O escritório inteiro parece uma biblioteca e toda a gente apenas baixa a cabeça e esmaga o trabalho", contou.

As pessoas passam a maior parte do seu dia em modo 'ocupados de trabalho' -  trabalham mesmo para o trabalho -, de acordo com um inquérito de 10.600 trabalhadores realizado pela Asana em setembro passado. A empresa de software concluiu que os trabalhadores nos Estados Unidos gastam cerca de 58% do seu dia em atividades como responder a e-mails e participar em reuniões, em vez de no trabalho para o qual foram contratados.

Segundo Conroy, as reuniões na empresa costumavam ser uma "loja de conversas", mas agora estão limitadas a 30 minutos e só são permitidas nas duas horas fora do "tempo de trabalho profundo".

Os resultados excederam as expectativas de todos.

"[A equipa] começou a aperceber-se de que estavam a esmagar projetos que tinham sempre posto em segundo plano", disse Conroy.

“Aptos para o século XXI”

O dia extra criou espaço para muitos trabalhadores terem novos passatempos, realizarem ambições de longa data ou simplesmente investirem mais tempo nos seus relacionamentos.

Os trabalhadores que participaram no projeto-piloto frequentaram aulas de cozinha, aulas de piano, voluntariado, pesca e patinagem, disseram os seus patrões à CNN.

Para Emily Morrison, uma diretora de contas da Unity, que lutou contra a ansiedade durante grande parte da sua vida adulta, os benefícios têm sido mais fundamentais.

"Ter mais tempo de inatividade e menos 'sustos de domingo' durante o fim-de-semana ajudou a melhorar a minha saúde mental e a abordar a semana com uma atitude mais positiva, em vez de entrar em stress", contou à CNN.

Emily Morrison é diretora de contas na Unity, uma agência de relações públicas em Londres, no Reino Unido.

Mais de dois anos após a pandemia, dezenas de trabalhadores atingiram o seu limite. Um inquérito da McKinsey a 5.000 trabalhadores globais, no ano passado, concluiu que quase metade relatou sentir-se pelo menos um pouco esgotado [“burned-out”].

De acordo com Losey, uma das principais razões pelas quais decidiu inscrever a Unity no projeto-piloto foi para compensar o "nível extraordinário de esgotamento" que o seu pessoal enfrentou durante a pior das pandemias.

Mark Howland, diretor de marketing e comunicação do Charity Bank, disse à CNN que usa o seu dia de folga para melhorar a sua saúde e aptidão física. Sempre quis competir num triatlo, mas sentia-se culpado por passar tempo longe da sua família para treinar. Agora já não.

"Com o meu dia de folga, tenho andado a dar longos passeios de bicicleta, a cuidar de mim, a tirar algum tempo e depois a ter o fim-de-semana inteiro para fazer as coisas em casa e passar tempo com a família", disse Howland.

É pouco provável que o banco volte a ser como era antes.

"A semana de trabalho de cinco dias é um conceito do século XX, que já não é adequado para o século XXI", concluiu.

Mundo

Mais Mundo

Patrocinados