Roberto Martínez: «O objetivo não é parar apenas o Gyökeres»

Ricardo Gouveia , Cidade do Futebol
20 mar, 13:36

Selecionador diz que o jogo com a Suécia é uma «oportunidade única» para trabalhar o processo defensivo como um todo, não apenas para marcar um jogador

Roberto Martínez garante que a Seleção Nacional, esta quinta-feira, no embate com a Suécia, não vai estar preocupada em marcar exclusivamente Viktor Gyökeres, garantindo que o mais importante é aperfeiçoar oi processo defensivo da equipa, até porque a Suécia tem mais avançados com qualidade.

A verdade é que o avançado do Sporting está a realizar uma época surpreendente a todos os níveis e as primeiras palavras do selecionador foram para destacar isso mesmo. «Acho que o Gyökeres, na minha opinião, foi uma das melhores contratações do mercado europeu. Estar no futebol português é fantástico», começou por enunciar.

No entanto, a prioridade da seleção, esta quinta-feira, é o processo defensivo e não exclusivamente travar o goleador do Sporting. «Nós precisamos de trabalhar a linha defensiva. Não vamos jogar para defender um jogador. O Gyökeres no Sporting joga de uma forma, na Suécia joga com o [Alexandre Isak que também é um bom avançado. A Suécia tem à disposição jogadores atacantes de um patamar que exige que a nossa organização defensiva precisa de estar perfeita. Para um selecionador é uma oportunidade única para trabalhar os processos defensivos para o Europeu. O objetivo não é parar apenas um jogador», acrescentou.

Portugal, na fase final, vai defrontar a Chéquia, a Turquia e ainda um adversário proveniente dos play-off. A Suécia não vai estar na fase final, mas na ótica do selecionador, é um adversário perfeito para testar a competitividade da equipa portuguesa.

«A atitude da Suécia, é uma atitude competitiva. Têm um novo selecionador, é uma nova era e ele vai querer analisar a qualidade individual dos jogadores. É uma equipa que merecia estar no Europeu. É um jogo de alto nível. A linha de atacantes dá-nos a oportunidade de trabalhar conceitos defensivos, ligações e isso é essencial. Há equipas que jogam com dois pontas de lança. A Suécia também nos dá a oportunidade de testarmos o um-para-um. É importante lidar com isso e tentar fazer um jogo para reforçar os conceitos que temos nos últimos dez jogos», destacou ainda.

Relacionados

Seleção

Mais Seleção

Patrocinados