Falta de parafuso num avião leva Boeing a pedir às companhias aéreas que inspecionem todos os 737 Max

CNN , Gregory Wallace
29 dez 2023, 10:41
Boeing 737 MAX estacionados numa instalação da Boeing, em 13 de agosto de 2019, em Renton, Washington, nos EUA. David Ryder/Getty Images/FILE

Avião com o parafuso em falta foi reparado, mas empresa quer garantir que todos os 1.370 737 Max em serviço em todo o mundo são verificados

A Boeing pediu às companhias aéreas que inspecionassem todos os seus jatos 737 Max para detetar um potencial parafuso solto no sistema do leme, depois de uma companhia aérea ter descoberto um potencial problema com uma peça chave em dois aviões.

Uma companhia aérea internacional não identificada encontrou um parafuso com uma porca em falta num mecanismo de ligação do controlo do leme durante a manutenção de rotina - e encontrou um parafuso semelhante que não estava devidamente apertado num avião que ainda não tinha sido entregue. O leme de um avião é utilizado para controlar e estabilizar a aeronave durante o voo.

A Boeing disse que o avião com o parafuso em falta foi reparado, mas quer garantir que todos os 1.370 aviões 737 Max em serviço em todo o mundo sejam verificados quanto a problemas semelhantes.

"O problema identificado neste avião em particular foi resolvido", afirmou um porta-voz da Boeing em comunicado. "Por uma questão de precaução, recomendamos aos operadores que inspecionem os seus aviões 737 Max e que nos informem de quaisquer conclusões."

A Boeing informou a Administração Federal da Aviação (FAA), que disse na quinta-feira que a inspeção envolve a procura de "um possível parafuso solto no sistema de controlo do leme". A tarefa demora cerca de duas horas, de acordo com a FAA, e as companhias aéreas comunicarão o progresso das suas inspeções ao regulador da aviação.

Segundo a Boeing, a reparação implica a remoção de um painel de acesso e a validação visual das porcas e parafusos. A Boeing realizará a inspeção em todos os novos aviões a partir de agora.

A FAA adiantou ainda que "considerará ações adicionais com base em qualquer descoberta adicional de hardware solto ou em falta".

A peça em questão é um item crítico de segurança, para o qual a FAA exige uma dupla inspeção. Isto significa que duas pessoas têm de validar que a peça está apta.

Os problemas de engenharia e de qualidade da Boeing têm colocado grandes desafios à empresa. Os desastres de dois 737 Max que mataram todas as 346 pessoas a bordo levaram a uma paralisação de 20 meses do avião. Foi também uma das tragédias empresariais mais dispendiosas da história, custando à Boeing mais de 20 mil milhões de dólares.

O Max voltou aos céus no final de dezembro de 2020, mas encontrou outros problemas, incluindo em abril, quando a Boeing disse que descobriu um problema de fabricação com alguns 737 Max depois de um fornecedor ter usado um "processo de fabricação não padronizado" durante a instalação de dois acessórios na fuselagem traseira - embora a Boeing tenha insistido que o problema não constituía um risco de segurança.

O Max foi objeto de numerosos avisos para inspeções adicionais desde que regressou ao serviço. A Boeing diz que isso é o resultado da sua maior atenção à segurança, mas a falta de uma porca num sistema crucial não pode ser explicada, observou o analista de segurança da CNN David Soucie.

"Se o avião saiu da fábrica com esta peça em falta, isso indica que os últimos três anos de melhorias na cultura de segurança e de inspeções melhoradas em sistemas de segurança de voo críticos na Boeing não estão a funcionar", disse Soucie.

A Boeing também tem enfrentado problemas, atrasos e encargos financeiros em quase todos os seus outros aviões de passageiros: a FAA detetou problemas de qualidade nos 787 Dreamliners da empresa, o que levou a Boeing a suspender temporariamente as entregas no ano passado. Embora o Dreamliner não tenha sido imobilizado como o Max, não deixou de afetar os resultados da empresa.

Nos últimos trimestres, a Boeing tem sofrido enormes perdas, uma vez que tenta entregar aos clientes a enorme carteira de encomendas de aviões 737 Max e acumula custos excessivos noutros aviões, incluindo o avião que irá substituir os atuais Air Force One.

Relacionados

Mundo

Mais Mundo

Patrocinados