Vagas para atendimento no SEF podem custar 80 euros. Já há queixas de burla

6 nov, 09:39
Controlo nas fronteiras terrestres (Lusa/Nuno Veiga)

REVISTA DE IMPRENSA: Anúncios nas redes sociais repetem-se. Em grupos de Facebook para esclarecimento de dúvidas sobre o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, há muita oferta de serviços para conseguir aquilo que a muitos imigrantes parece impossível: uma vaga para tratar de assuntos no SEF

O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) abriu vagas de atendimento para agendar para processos de autorização de residência, mas há muitas queixas de imigrantes que não conseguem sequer ser atendidos no centro de contacto para fazer a marcação. De acordo com o jornal Público deste domingo, há quem esteja a vender marcações para atendimento no SEF por valores que vão dos 20 aos 80 euros.

De acordo com o jornal, em grupos de Facebook de esclarecimento de dúvidas sobre o SEF, abunda anúncios de ofertas e de interessados em adquirir os serviços. Os valores vão desde os 20 aos 85 euros.

O Público contactou vários anunciantes. Um homem dizia cobrar 50 euros e fazer entre 15 a 20 marcações por dia. Uma mulher pedia 85 euros pelo serviço. O negócio por si só, desde que o acordado e as legalidades se cumpram, não é crime, pois trata-se de uma prestação de serviços. Mas, de acordo com o SEF, já foram enviadas queixas ao Ministério Público (MP) por situações de burla. Há quem ofereça o serviço, o esteja a cobrar, mas não o cumpra nem devolva o dinheiro.

O Público adianta que o SEF não adianta pormenores, por considerar que pode prejudicar a investigação. Já terá havido condenações, embora nem o SEF especifique quantas, nem o MP adiante quantos processos já foram abertos com estas características.

Crime e Justiça

Mais Crime e Justiça

Patrocinados