Líder da oposição do Cambodja no exílio condenado à prisão perpétua

Agência Lusa , AM
20 out, 06:46
Sam Rainsy (Associated Press)

Em março, Sam Rainsy tinha sido condenado a 10 anos de prisão por um tribunal do Camboja, sob a acusação de tentar derrubar o primeiro-ministro

O líder histórico da oposição do Camboja foi condenado à revelia em Phnom Penh à prisão perpétua, uma pena simbólica, uma vez que o governo tem proibido Sam Rainsy de regressar ao país.

Na quarta-feira, o Tribunal Municipal de Phnom Penh considerou Rainsy culpado de tentar “entregar a um estado estrangeiro todo ou parte do território nacional”, tendo ainda proibido o ativista de participar na vida política, nomeadamente de concorrer a eleições.

As próximas eleições estão agendadas para julho de 2023 e o primeiro-ministro Hun Sen, um dos líderes mais antigos no mundo, que está no poder há 37 anos, vai concorrer para outro mandato.

O advogado de Rainsy, Yong Phanith, disse à agência Associated Press que a condenação está ligada a uma suposta promessa, feita pelo opositor em 2013, de entregar território a uma minoria de tribos indígenas se chegasse ao poder.

O caso começou em 2018, quando foi publicado na rede social Facebook um vídeo de uma reunião, nos Estados Unidos, em 2013, entre Sam Rainsy e Kok Ksor, um líder da tribo indígena Jarai, que morreu em 2019.

Kok Ksor liderava a Fundação Montagnard, uma organização sediada nos EUA que defende os interesses das minorias de tribos indígenas que vivem nas montanhas do centro do Vietname e do nordeste do Camboja.

Sam Rainsy defendeu que o vídeo apenas mostra que o ativista apoia os direitos de autodeterminação de minorias, não tendo prometido às tribos indígenas que poderiam estabelecer um estado separado.

A questão da perda de território nacional é controversa no Camboja.

Políticos da oposição muitas vezes acusaram o governo de Hun Sen de permitir que terras fossem anexadas pelo vizinho Vietname, alegações que levaram a várias condenações por difamação.

Rainsy, co-fundador do Partido da Salvação Nacional do Camboja, tem sido o crítico mais severo e o oponente mais popular de Hun Sen.

Na segunda-feira, num discurso numa cerimónia de graduação de uma universidade, Hun Sen disse que a família de Sam Rainsy era composta por três gerações de traidores.

No domingo, Rainsy, que também tem cidadania francesa e vive em França desde 2015, tinha colocado um vídeo no Facebook renovando o pedido de oposição popular ao governo de Hun Sen.

Na semana passada, um tribunal francês absolveu Sam Rainsy de difamação contra o primeiro-ministro, tendo considerando que, embora não houvesse provas que Hun Sen seja responsável pela morte de um ex-chefe da polícia nacional, o assunto poderia ser alvo de debate por ser de interesse público e significado político.

Em março, Rainsy tinha sido condenado a 10 anos de prisão por um tribunal do Camboja, sob a acusação de tentar derrubar o primeiro-ministro. No ano passado, o opositor já tinha sido condenado a 25 anos de prisão no mesmo caso.

Em 2019, Rainsy tentou, em vão, regressar ao país, uma iniciativa considerada como “uma tentativa de golpe de Estado” pelas autoridades.

Mundo

Mais Mundo

Patrocinados