Quem são os ismaelitas e qual a importância desta comunidade em Portugal

28 mar 2023, 13:53
Centro Ismaili de Portugal (DR)

Em Portugal existem 8 mil ismaelitas. Em todo o mundo são entre 14 e 15 milhões os seguidores do príncipe Karim Aga Khan

Os muçulmanos xiitas ismaelitas são uma comunidade de povos étnica e culturalmente diversos que vivem em mais de 25 países em todo mundo, unidos pela lealdade ao príncipe Karim Aga Khan (Mawlana Hazar Imam para os ismaelitas). Estima-se que existam 12 a 15  milhões de crentes em todo o mundo, que representam um ramo minoritário e mais liberal do xiismo.

Como muçulmanos, os ismaelitas acreditam num único deus e no profeta Maomé como mensageiro divino. Distingue-os, sobretudo, o facto de serem a única comunidade muçulmana liderada por um imã “vivo, presente, manifesto e com descendência direta do profeta Mohamed (Maomé)” – o príncipe Karim Aga Khan IV - “Sua Alteza”, para os crentes. 

Comunidade ismaelita em Portugal

A comunidade em Portugal tem cerca de oito mil indivíduos, muitos deles vindos de Moçambique em 1974.

O Centro Ismaili de Portugal, localizado na avenida Lusíada, em Lisboa, foi inaugurado em 18 de dezembro de 1996. “Espero sinceramente que este seja um centro de boa vontade, aprendizagem e experiência que sejam partilhados de forma aberta, um lugar edificante pela beleza do seu design, um lugar para os Ismailis portugueses, claro, se encontrarem e praticarem a sua fé, e esperamos que seja um testemunho duradouro do nosso compromisso com vista a um relacionamento longo e frutuoso com Portugal", disse Mawlana Hazar Imam nessa ocasião.

Com projeto dos arquitetos Raj Rewal e Frederico Valsassina, trata-se de uma estrutura geométrica, de inspiração oriental. O conjunto arquitetónico ocupa 18 mil metros quadrados, 12 mil dos quais são jardins e pátios. Os materiais de construção (lioz e granito) e as cúpulas foram inspirados no Mosteiro dos Jerónimos; os jardins, pátios exteriores e interiores, e claustros foram inspirados no Complexo de Alhambra, em Granada; e, os rendilhados geométricos foram inspirados na cidade Indiana, Fatehpur Sikri. Os azulejos do Centro Ismaili foram inspirados na Sala Árabe do Palácio Nacional de Sintra e pintados à mão pela Fábrica Viúva Lamego. 

É um centro religioso, onde se realizam as cerimónias religiosas, mas também um centro cultural e comunitário, onde acontecem regularmente exposições, concertos, conferências e outros eventos culturais. 

Nos últimos anos, o vínculo com Portugal foi reforçado através da Fundação Aga Khan. Trata-se de uma agência da Rede Aga Khan para o Desenvolvimento (AKDN) que reúne um conjunto de organizações lucrativas e não lucrativas, as quais trabalham para a melhoria das condições e da qualidade de vida das populações mais vulneráveis, sobretudo em África e na Ásia, independentemente da sua origem, género ou religião. A AKDN atua em mais de 30 países em desenvolvimento, empregando cerca de 80 mil pessoas. Em Portugal a Fundação trabalha em áreas como a inovação na educação na infância, o fortalecimento de comunidades e o apoio à inclusão social e económica de pessoas que vivem em comunidades desfavorecidas.

Príncipe Aga Khan IV com o então Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, na entrega do Prémio Aga Khan Arquitetura, no Castelo de São Jorge

Em 2015 foi anunciada a vinda da sede mundial da comunidade ismaelita para Portugal e, em 2017, o príncipe Aga Khan doou meio milhão de euros para ajudar a reconstruir Pedrógão Grande, após os incêndios que assolaram o concelho no verão. Em 2019 Portugal acolheu a primeira cerimónia dos prémios de música da Fundação Aga Khan. 

Em 2018, Aga Khan escolheu Lisboa para acolher as celebrações do seu jubileu de diamante - 60 anos à frente da comunidade. O programa, que se estendeu ao longo de uma semana, incluiu uma celebração com toda a comunidade, uma reunião com Marcelo Rebelo de Sousa, um almoço com o primeiro-ministro e um discurso na Sala do Senado da Assembleia da República. 

Aga Khan e o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa

O que distingue xiitas e sunitas?

Xiitas e sunitas são dois ramos do Islão. Os xiitas consideram Ali, o genro e primo do profeta Maomé, como o seu sucessor legítimo e consideram ilegítimos os três califas sunitas que assumiram a liderança da comunidade muçulmana após a morte de Maomé. 

Segundo os ismaelitas, o legado do Maomé só poderia ser confiado a um membro da sua família, em quem o Profeta teria delegado a sua autoridade antes de morrer. Essa pessoa era Ali, primo do profeta Maomé, marido da sua filha, Fátima.

Com o tempo, houve uma divisão entre os xiitas. Atualmente, o Islão xiita pode ser subdividido em três ramos principais: os xiitas dos Doze Imãs, os ismaelitas e os zaiditas. Todos estes grupos estão de acordo em relação à legitimidade dos quatro primeiros imãs. Porém, discordam em relação ao quinto. Os ismaelitas prestaram a sua lealdade ao filho mais velho do imã Jafar as-Sadiq, Ismail, a quem foram buscar o seu nome.

Ao longo de seus 1.400 anos de história, os ismaelitas foram liderados por um imã hereditário, que, acreditam ser descendente direto do profeta Maomé. Aga Khan é o 49º imã e tomou posse em 1957.

Relacionados

País

Mais País

Patrocinados