Qin Gang desapareceu

CNN , Nectar Gan, CNN (com Wayne Chang)
18 jul 2023, 08:00

Mais um caso num país conhecido pela sua opacidade política: China

O ministro dos Negócios Estrangeiros de Xi Jinping desapareceu da vista do público. E isso está a gerar intensa especulação

por Nectar Gan, CNN (com Wayne Chang)
 


O ministro dos Negócios Estrangeiros da China, Qin Gang, não é visto em público há três semanas, uma ausência invulgarmente longa durante um período de intensa atividade diplomática em Pequim, o que está a suscitar intensa especulação num país conhecido pela sua opacidade política.

Qin, 57 anos, diplomata de carreira e assessor de confiança do líder chinês, Xi Jinping, foi promovido a ministro dos Negócios Estrangeiros em dezembro, após uma breve passagem como embaixador nos Estados Unidos.

Enquanto ministro dos Negócios Estrangeiros, Qin repreendeu Washington depois de as relações terem caído para um novo nível mínimo na sequência do abate de um suposto balão-espião chinês sobre os EUA.

Desempenhou também um papel fundamental nos esforços subsequentes de ambas as partes para estabilizar as relações e restabelecer a comunicação, incluindo uma reunião com o Secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, durante a sua visita a Pequim em meados de junho.

Mas o diplomata de alto nível não é visto em público desde 25 de junho, depois de se ter reunido em Pequim com funcionários do Sri Lanka, do Vietname e da Rússia.

Na sua última aparição pública, Qin, sorridente, foi visto a caminhar lado a lado com o vice-ministro russo dos Negócios Estrangeiros, Andrey Rudenko, que se deslocou a Pequim para se encontrar com funcionários chineses após uma curta insurreição do grupo mercenário Wagner na Rússia.

"Dado o estatuto e a influência da China no mundo, é de facto muito estranho que o seu Ministro dos Negócios Estrangeiros não apareça em público há mais de 20 dias", diz Deng Yuwen, antigo editor de um jornal do Partido Comunista que vive atualmente nos EUA.

Quando questionado sobre a ausência prolongada de Qin, um porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês disse que "não tinha informações a fornecer", acrescentando que as atividades diplomáticas da China estão a decorrer normalmente.

A ausência de Qin tornou-se ainda mais notória devido à vaga de atividade diplomática na capital chinesa nas últimas semanas, incluindo as visitas de alto nível dos altos funcionários norte-americanos Janet Yellen e John Kerry.

No início do mês, Qin deveria ter-se encontrado com o chefe da política externa da União Europeia, Josep Borrell, em Pequim, mas a reunião foi adiada depois de a China ter informado a UE de que as datas "já não eram possíveis", segundo a Reuters, citando um porta-voz da UE.

A UE foi informada do adiamento apenas dois dias antes da chegada de Borrell, prevista para 5 de julho, segundo a Reuters.

Qin também não compareceu na reunião anual dos ministros dos Negócios Estrangeiros da Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN), na Indonésia, na semana passada. Em vez disso, o principal diplomata chinês, Wang Yi, participou na reunião em seu lugar.

De acordo com a Reuters, um porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês disse numa conferência de imprensa regular, na passada terça-feira, que Qin não podia participar na reunião da ASEAN "por motivos de saúde".

Mas essa resposta não foi incluída na transcrição oficial da reunião, publicada mais tarde no site do Ministério. O Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês omite frequentemente conteúdos que considera sensíveis nas transcrições das suas sessões de informação regulares.

A breve razão de saúde invocada pelas autoridades não conseguiu, no entanto, dissipar a onda de especulações, em grande parte sem fundamento, sobre a razão pela qual Qin não foi visto.

Estes rumores são motivados pela falta de transparência do sistema político chinês, no qual a informação é guardada a sete chaves e as decisões importantes são tomadas à porta fechada, explica Deng, o analista sediado nos EUA.

Sob Xi, esta opacidade política intensificou-se à medida que ele reprime a dissidência e concentra o poder nas suas próprias mãos.

"Este é um problema para os regimes totalitários. Os regimes totalitários são intrinsecamente instáveis, porque tudo é decidido apenas pelo líder supremo", afirma Deng. "Se algo de invulgar acontecer a um alto funcionário, as pessoas perguntar-se-ão se as suas relações com o líder supremo se deterioraram ou se é um sinal de instabilidade política."

No passado, altos funcionários chineses desapareceram da vista do público para meses mais tarde ser revelado pelo órgão de controlo disciplinar do Partido Comunista que tinham sido detidos para investigação. Estes desaparecimentos súbitos tornaram-se uma caraterística comum na campanha anticorrupção de Xi.

Além da sensibilidade da ausência de Qin, há ainda a perceção dos seus laços estreitos com Xi, que garantiu um terceiro mandato no poder no outono passado com uma nova equipa de liderança composta por aliados leais, segundo Deng.

"Qin Gang foi puxado sozinho por Xi. Quaisquer problemas com ele refletir-se-ão mal também em Xi - o que implica que Xi não escolheu a pessoa certa para o cargo", conclui Deng.
 

Champions

Mais Champions

Patrocinados