Famalicão-Portimonense, 2-2 (crónica)

Nuno Dantas , Estádio Cidade de Barcelos
21 abr, 17:42
Famalicão-Portimonense (Foto: Manuel Fernando Araújo/LUSA)

Algarvios jogaram em superioridade numérica, mas a redenção de Cádiz vale por dois

O Portimonense jogou uma hora em superioridade numérica, mas a redenção de Cadiz vale por dois e o Famalicão conseguiu dividir os pontos. O avançado venezuelano falhou uma grande penalidade no primeiro tempo, mas marcou duas vezes de cabeça no segundo.

Num jogo vivo, cheio de peripécias, a combatividade dos minhotos foi premiada e a passividade algarvia castigada. A equipa de Portimão adiantou-se no marcador bem cedo e passou a jogar com mais um por expulsão de Justin. Depois de Cadiz bisar, Carlinhos foi mais eficaz da marca de penálti e chegou ao 2-2 final.

O Portimonense continua em lugar de play-off de descida, agora com 29 pontos, enquanto o Famalicão permanece no 8.º lugar, somando 36 pontos.

Início frenético

Armando Evangelista fez duas alterações no onze em relação à equipa que foi derrotada, a meio da semana, pelo Sporting. Francisco Moura regressou ao lado esquerdo da defesa e Martin saltou para o banco de suplentes. Na frente, Sorriso rendeu Puma Rodriguez. Já Paulo Sérgio fez três alterações em relação à equipa que empatou no Algarve com o Casa Pia. Saíram Igor Formiga, Gonçalo Costa e Hildeberto e entraram Guga, Relvas e Midana.

O início e o fim da primeira metade foram frenéticos. O Portimonense marcou cedo e o Famalicão tentou de imediato chegar à igualdade. Num livre conquistado do lado esquerdo do ataque, Carlinhos cruzou para a área e Alemão a cabecear para o fundo das redes. Os famalicenses responderam de imediato e estiveram três vezes perto do golo. Justin cabeceou ao lado e desperdiçou uma; Riccieli, sem Nakamura na baliza, falhou outra; e Sorriso, isolado, atirou ao lado mais uma boa ocasião.

Havia mais Famalicão, com mais posse de bola, mas, num rápido contra-ataque, Hélio Varela foi travado em falta quando se preparava para isolar. Cartão vermelho para o neerlandês e os famalicenses passavam a jogar com menos um. Os algarvios aproveitaram para tentar capitalizar a vantagem e estiveram perto de conseguir, valeu Luiz Júnior a travar os remates de Carlinhos e Hélio.

Já em período de descontos, Chiquinho caiu na área e pediu grande penalidade. Luís Godinho nada assinalou, mas alertado pelo VAR e, depois de ver as imagens, alterou a decisão e marcou mesmo penálti. Jhonder Cadiz, o goleador dos minhotos, foi chamado à conversão, no entanto falhou completamente o alvo e atirou ao lado uma excelente ocasião para chegar à igualdade.

Cadiz apareceu

Apesar de estar em desvantagem, foi o Famalicão a entrar para a segunda metade cheio de vontade de mudar o rumo dos acontecimentos. Os algarvios limitavam-se a ver jogar, sem grande pressa em marcar mais um e matar o jogo. Por isso, os minhotos foram acreditando e em poucos minutos viram o resultado a seu favor.

No primeiro, Francisco Moura apareceu a cruzar na esquerda e Cadiz a fazer o que melhor sabe: cabecear para golo. Estava feito o empate, mas, quatro minutos depois, o avançado venezuelano voltou a ganhar nas alturas e a cabecear para golo. Era a festa famalicense e o desalento algarvio.

Paulo Sérgio mexeu na equipa e o Portimonense começou a ter mais bola e mais paciência para chegar ao golo. Acabou por conseguir de grande penalidade. Alertado pelo VAR, Luís Godinho anunciou ao estádio que ia marcar grande penalidade por mão na bola dentro da área. Chamado à conversão, Carlinhos não desperdiçou a oportunidade de dar um ponto aos algarvios.

Até ao final, o jogo ficou partido e houve uma grande ocasião para cada lado. Aranda, de fora da área, rematou para grande defesa de Nakamura. Na resposta, Ronie Carrillo apareceu isolado, mas não evitou a excelente mancha de Luiz Júnior. Empate que penaliza mais o Portimonense do que o Famalicão.

Relacionados

Patrocinados