Marcelo pede justiça célere no caso do acidente na A6 com carro de ministro

18 nov, 21:27
Marcelo Rebelo de Sousa
Marcelo Rebelo de Sousa

Presidente da República diz que demora para que o público conheça aquilo que realmente aconteceu antes, durante e após o atropelamento mortal provoca uma descrença na Justiça

PUB

Marcelo Rebelo de Sousa afirmou, nesta quinta-feira, que a demora para que o público conheça aquilo que realmente aconteceu antes, durante e após o atropelamento mortal que envolveu o carro onde seguia o ministro Eduardo Cabrita provoca uma descrença na Justiça. 

O Presidente da República apelou, por isso, a uma justiça com prazos e investigações mais céleres. Durante uma visita a uma feira de solidariedade, no Centro de Congressos de Lisboa, Marcelo foi questionado pela comunicação social sobre os cinco meses que passaram desde este acidente, que provocou a morte de um trabalhador que realizava trabalhos de limpeza na berma da autoestrada.

PUB

Na resposta, o chefe de Estado considerou que o problema não é este caso "estar cinco meses em segredo de justiça", mas sim que "as investigações judiciais, muitas vezes, porque são muito longas, deixam nos portugueses a sensação de que a justiça é lenta, e que é pesada e é complexa", ressalvando que "isso é genérico".

"Tem-se falado disso, precisamente das reformas da justiça. Um dos objetivos fundamentais há de ser esse, que é encurtar prazos, acelerar investigações, na medida em que seja possível, para não haver a ideia de que a justiça é tão lenta, tão lenta, tão lenta, ou tem de ser tão lenta, tão lenta, tão lenta, que aparece aos olhos dos portugueses como lenta de mais", defendeu.

PUB
PUB
PUB

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

PR Marcelo

Mais PR Marcelo