Pintor Francisco Ariztía morre aos 78 anos

Agência Lusa , MM
4 set, 08:32
Francisco Ariztía

Artista luso-chileno morreu este sábado. Causa da morte não foi divulgada

O pintor luso-chileno Francisco Ariztía morreu no sábado, informou este domingo o presidente da Sociedade Nacional de Belas Artes, João Paulo Queiroz. Numa nota enviada esta madrugada, não é adiantada a causa da morte do artista, que assinalaria na quarta-feira 79 anos.

Ariztía, que nasceu na capital do Chile em 1943, que se radicou em Lisboa em 1975 e obteve a nacionalidade portuguesa em 1988, foi adido Cultural da Embaixada do Chile em Portugal entre 1998 e 2002.

Estudou na Escola Nacional de Belas Artes, na Universidade do Chile, e partiu, em 1966, com uma bolsa de pós-graduação, para Belgrado, na antiga Jugoslávia, para trabalhar em oficinas livres de gravura e pintura na Escola de Belas Artes da cidade.

Em 1968 obteve também uma bolsa de pós-graduação na École Nationale Supérieure des Beaux-Arts de Paris, e ente 1970 e 1972 viveu e trabalhou em Bolonha, Itália.

Regressou ao Chile em 1972, onde trabalha como monitor na Casa da Cultura de Chuquicamata, criou oficinas e coopera com jovens atores e poetas, partindo de novo para França em 1973, por motivos políticos, onde realizou um estágio no Museu da Abadia Sainte Croix, em Sables d’Olonne, sendo convidado em 1974 para participar na Bienal de Veneza.

Depois de viver em vários países voltou ao Chile, em 1972, com esperanças de mudança, mas deu-se o golpe de estado de Pinochet, em 1973, e acabou por deixar de novo o país.

Em 1975, quando chegou a Portugal, pintou, no Centro Cultural de Alcântara, um mural alegórico ao 25 de Abril, com o título "Do tempo da outra Senhora ao tempo novo", e fez vários painéis e pinturas para os filmes do realizador chileno Raul Ruiz.

De 1989 a 1991 foi bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian, e professor de desenho e pintura na Sociedade Nacional de Belas Artes de Lisboa.

De 1998 a 2002, Francisco Ariztia foi nomeado adido cultural da Embaixada do Chile em Portugal, e criou um mural de azulejos realizado a partir de um original de Roberto Matta, situado na parte norte do Parque das Nações.

Em 2005 e 2006 participou na ARCOmadrid - Feira Internacional de Arte Contemporânea, em Madrid.

Participou em várias exposições no Chile, França, Itália, Reino Unido, Alemanha, Portugal, Espanha, Estados Unidos da América, Holanda, Sérvia e Uruguai, e a sua obra está representada no Museu de Arte Contemporânea de Santiago do Chile, no Museu de l’Abbaye Ste Croix, em Sables d’Olonne (França), no Museu de Sassoferrato (Itália), no Museu de Arte Moderna de Bochum (Alemanha), e no Museu de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.

Artes

Mais Artes

Patrocinados