Um estranho surgiu do nevoeiro numa ilha escocesa. Ela sabia que ficaria com ele

CNN, Francesca Street
12 jun, 12:58
Orkney Skara Brae

(CNN) – O sol começava a pôr-se sobre Skara Brae, uma aldeia de pedra pré-histórica nas Ilhas Orkney, um arquipélago ao largo da ponta mais a norte da Escócia.

Uma figura solitária estava sozinha entre os edifícios de pedra com 3 mil anos, segurando uma chávena de chá na luz que se ia esvanecendo.

Rachael formou-se em História aos 20 anos. Quando era criança, a crescer perto da cidade escocesa de Glasgow, a sua imaginação foi capturada pelas aulas de História nos sítios arqueológicos neolíticos de Orkney. Trabalhar como guia turístico em Skara Brae foi um sonho tornado realidade.

No auge do verão, Rachael mostraria filas de turistas em torno do Patrimônio Mundial da UNESCO. Mas neste dia, em março de 2013, não houve visitantes. Em vez disso, Rachel deu por si a contemplar a vasta extensão do oceano azul, desfrutando da calma.

"Lembro-me de olhar para o céu, para o outro lado do mar e para as falésias, a transformar-se numa bela espécie de lilás, uma espécie de cor crepuscular, quando o dia começava a fechar", conta hoje Rachael à CNN Travel.

O devaneio foi interrompido quando sentiu o rádio tremer-lhe no bolso.

"O meu chefe disse-me que vinha aí um visitante, para estar atenta e pousar a chávena de chá."

Rachael acedeu e caminhou até à entrada de Skara Brae. Pelo caminho viu uma figura solitária a dirigir-se para ela.

À medida que a pessoa se aproximava, via que era um homem, vestido de preto e com um chapéu com uma pena espetada. Rachael ficou imediatamente intrigada.

"Foi uma sensação mágica, ver alguém à distância – e ficamos com aquela sensação de… parece-nos familiar, mas também mágico e intrigante."

O homem misterioso com o chapéu era Anthony, um estudante universitário americano da Universidade do Wisconsin, a estudar no estrangeiro, em Edimburgo. Tal como Rachael, Anthony era fascinado por História.

"Planeei uma viagem a Orkney para ver os círculos de pedra, os túmulos neolíticos e, o melhor de tudo, a aldeia de Skara Brae", diz Anthony à CNN Travel.

Anthony tinha viajado com um amigo de Edimburgo, apanhando o ferry de Aberdeen. Quando os dois chegaram a Orkney, ambos estavam cansados. Anthony queria ver os locais o mais depressa possível, mas o amigo do Anthony optou por não ir.

Anthony e Rachael conheceram-se em Skara Brae, um povoado neolítico na zona norte das Ilhas Orkney WILLIAM EDWARDS/AFP/AFP via Getty Images

Anthony esperava que, ao ir a Skara Brae ao início da noite, pudesse aproximar-se dos edifícios pré-históricos, em vez de os observar à distância, como é habitualmente recomendado.

"Então, quando estava a chegar, o meu primeiro pensamento quando a vi foi 'raios, isto não vai resultar, vai estar alguém aqui, não vou poder entrar às escondidas", diz Anthony.

Mas quando Anthony e Rachael, que pediram que os seus apelidos não fossem incluídos nesta história por razões pessoais, se apresentaram um ao outro, as suas dúvidas rapidamente desapareceram.

"Tudo mudou. Rachael tinha um modo de dar vida ao local, fazendo com que o lugar parecesse humano e real, por oposição à pilha de pedras em ruínas à nossa frente", diz Anthony.

Rachael, entusiasmada por falar com alguém tão apaixonado por História como ela, ofereceu-se para levar o americano desconhecido numa visita guiada informal pela aldeia pré-histórica.

Vagueando pelos edifícios de pedra, os dois falaram sobre a história de Skara Brae. Anthony diz que ficou "encantado" com a forma como Rachael deu vida ao local.

"Não se trata de pedras, trata-se de pessoas e de histórias", diz.

"Escusado será dizer que perdemos completamente a noção do tempo e fiquei encantado."

"Acho que reparámos que havia uma ligação entre nós", diz Rachael, que acrescenta que mal ouviu o rádio a vibrar. A noite estava a chegar e o chefe pedia-lhe que voltasse porque o local ia encerrar.

"Eu devia estar com ele"

Depois de terem passado tempo juntos em Skara Brae, Anthony e Rachael seguiram caminhos diferentes WILLIAM EDWARDS/AFP via Getty Images

Mais tarde, naquela noite, Anthony e o amigo andaram por uma mercearia local. Virou-se para um dos corredores e, para sua surpresa, lá estava Rachael, de braço dado com outro homem. Era óbvio que era o namorado.

"Fiquei bastante abatido", diz Anthony. "Não que importasse. Também só estava em Orkney no fim de semana. Realisticamente, o que iria fazer? Começar uma relação de longa distância com uma guia turística em Orkney?"

Rachael também se lembra deste momento. Não ficou surpreendida por voltar a encontrar o Anthony, pois viver numa pequena ilha tornou normais este tipo de momentos, mas ficou surpreendida com a sua reação a este momento de feliz acaso.

"Eu só disse um 'olá' casual ao Anthony e ao amigo. Depois lembro-me de entrar no carro do meu namorado e fomos dar uma volta até ao meu apartamento na ilha. E recordo-me claramente de olhar pela janela e ver o Anthony a passar com a mochila."

Os seus olhos encontraram-se e Rachael percebeu a desilusão no rosto de Anthony.

"Eu sabia, do fundo do coração, que devia estar com ele, não devia estar com este outro tipo, devia estar com ele", diz Rachael hoje.

Ainda assim, nessa altura, apagou essa sensação da mente. Provavelmente nunca mais o veria.

Com o passar do tempo, resignou-se a esse facto, mesmo que gostasse de recordar a sua caminhada em torno de Skara Brae ao anoitecer.

"Sempre tive uma seleção de visitantes de que me lembrava, porque ou tinha uma ligação única com eles – ou algo que diziam, ou a forma como interagiam com a aldeia impressionava-me realmente, ou apenas pelo tipo de pessoas que eram. Por isso, acho que acabei por colocar o Anthony naquele topo dos cinco melhores visitantes interessantes de Skara Brae."

Quanto a Anthony, de volta a Edimburgo e mais tarde ao Wisconsin, deu por si a reproduzir as conversas com Rachael na sua cabeça. O seu encontro de mentes teve um impacto importante no seu trabalho.

"Graças a uma certa guia turística, o meu foco de investigação tinha-se reduzido da Grã-Bretanha neolítica para a Orkney Neolítica", diz.

Anthony também remeteu Rachael ao passado.

"Era uma história de viagem – e uma das melhores que eu tinha – mas era como se não passasse disso."

Uma segunda oportunidade

Rachael e Anthony reuniram-se inesperadamente no monumento mortuário neolítico de Maeshowe, também em Orkney.
DEAGOSTINI / GETTY IMAGES

Um ano e meio depois, no outono de 2014, Anthony teve a oportunidade de regressar a Orkney para continuar a sua investigação. Desta vez, visitou todos os túmulos neolíticos da ilha, traçando alinhamentos solares com a ajuda de um mapa detalhado da Agência Cartográfica Nacional do Reino Unido.

"Passei um mês e meio a viajar pelo arquipélago numa bicicleta com uma bússola e um mapa da Agência Cartográfica", recorda.

Enquanto isso, Rachael tinha mudado de Skara Brae para trabalhar num outro local arqueológico orcadiano, Maeshowe, num monumento mortuário neolítico.

Tinha-se separado do namorado com quem estava no ano anterior e estava a aproveitar os dias com os amigos, a apreciar a beleza da ilha.

Rachael também gostava de ter tempo para ela própria, incluindo as manhãs de quinta-feira que passava a folhear o jornal local de Orkney, o Orcadian.

Numa quinta-feira, Rachael estava sentada no sofá, a mexer no jornal. A publicação estava repleta das habituais histórias locais, mas um artigo em particular chamou-lhe a atenção. Era uma história de um turista americano que tinha descoberto uma mensagem numa garrafa. Havia uma fotografia dele, de chapéu com uma pena, com a garrafa na mão e a sorrir.

Rachael não queria acreditar. Parecia-se com ele. Na verdade, tinha de ser ele, o homem de Skara Brae.

Entretanto, Anthony tinha terminado a sua aventura de ciclismo a solo e tinha-se juntado ao seu orientador universitário, que estava de visita a Orkney durante algumas semanas para acompanhar o seu aluno.

O professor de Anthony queria visitar Maeshowe. Por isso, no dia seguinte à publicação do artigo do jornal, os dois dirigiram-se ao local de trabalho de Rachael.

"Nunca esquecerei quando entrei no centro de visitantes e a vi lá", diz Anthony. "É a coisa mais estranha, mas recordo-me acima de tudo da voz dela."

"Então, basicamente, foi a loucura, porque pensei – 'Como é que estás aqui?' Isto é um pouco demais."

Rachael também reconheceu Anthony.

"O centro de visitantes era um antigo moinho, ele subiu as escadas de madeira e entrou de rompante, abriu o casaco de couro e tirou toneladas de panfletos e bilhetes e passaportes e tudo, atirou-os para cima da mesa", recorda ela.

"Ele disse que queria marcar uma visita e perguntei-lhe o nome dele. Disse-me o nome dele e eu fiquei a pensar: 'É o mesmo nome do jornal. Então deve ser ele'."

Passaram-se alguns minutos e Rachael começou a passar os bilhetes pela caixa. Depois olhou para Anthony outra vez e decidiu dizer algo.

"Acho que me lembro de ti de há uns tempos", disse ela. "Em Skara Brae."

Anthony sentiu uma onda de emoção – alívio, surpresa e excitação.

"Foi um momento fantástico", diz ele agora.

A ligação que Anthony e Rachael tinham sentido há um ano e meio ainda estava presente e ambos o sentiram. Os colegas da Rachael também se aperceberam da química. Rachael não devia estar a fazer visitas guiadas naquele dia, mas os seus colegas de trabalho mudaram a agenda para garantir que seria a Rachael a fazer a visita de Anthony e do seu professor a Maeshowe.

"Acabámos por fazer a visita juntos, porque o Anthony tem tanto conhecimento da Orkney Neolítica", diz Rachael.

Trabalharam em equipa, falaram sobre a história do local e aprenderam um com o outro.

"Os meus colegas de trabalho já diziam que o Anthony era o meu novo namorado", diz Rachael, rindo-se. "Brincavam e diziam: 'Quem é este tipo que te segue como um cachorrinho?'."

Depois da visita, Rachael pediu o número de Anthony.

Anthony ficou entusiasmado, mas não tinha a certeza se o Rachael o convidava para sair como colega historiador ou como amigo ou algo mais.

Mais tarde, nessa semana, os dois encontraram-se, foram almoçar num café local, e depois passear numa das praias de Orkney.

"A faísca da ligação estava lá", diz Anthony. "Não parámos de falar durante duas horas e meia."

Uns dias depois foram ver um filme juntos, num cinema pop-up numa igreja, na cidade portuária de Orkney, em Stromness.

"Ficámos sentados o mais perto possível, mas como se fosse algo casual", diz Anthony.

Depois, abordou o tema.

"Estou a achar difícil ser só teu amigo", disse.

"Foi muito giro", diz Rachael agora.

Depois disso, tornaram-se um casal.

"Nós nunca estivemos numa situação de encontros casuais, de 'vamos ver como corre.' Sempre foi: 'Somos nós, estamos juntos, vamos tentar encontrar uma maneira de fazer com que resulte'", diz Anthony.

Navegando pelo romance transatlântico

As pedras erguidas de Stenness, em Orkney desempenharam um papel importante na história de Anthony e Rachael. WHITE FOX / AGF / UNIVERSAL IMAGES / GETTY IMAGES

Olhando para trás, Anthony e Rachael dizem que nenhum deles entendeu o que significava iniciar numa relação com alguém que vivia a um oceano de distância.

Primeiro, viajar entre Orkney e Wisconsin não era fácil.

"A primeira viagem que fiz à América. Acho que tive de viajar de Orkney para Glasgow e depois de Glasgow para Amesterdão, depois de Amesterdão para Detroit e depois de Detroit para Milwaukee. E depois Milwaukee, onde vive a mãe do Anthony", diz Rachael. "Podem imaginar como eu estava quando finalmente cheguei."

Nos dois anos seguintes encontraram-se em locais como a Escócia, os EUA, o Canadá e os Países Baixos, de seis em seis meses.

"Acho que a minha família estava muito receosa de que eu estivesse confusa, por estar a ter esperanças sobre algo tão estranho que provavelmente não iria dar certo", diz Rachael.

"A minha mãe foi 'Team Rachael' desde o primeiro dia," diz Anthony. "O meus amigos estavam demasiado céticos. Todos, mesmo todos, estavam céticos sobre se isto iria resultar."

Mas, apesar do desafio da distância, Rachael e Anthony estavam empenhados em que resultasse. Apenas alguns meses após o início da relação à distância, Anthony pediu-a em casamento.

Tinha planeado pedir Rachael em casamento enquanto visitava umas cascatas no Wisconsin. Mas apesar de Rachael estar habituada ao clima selvagem de Orkney, o inverno do Wisconsin era outro nível. Ela não tinha roupa apropriada para uma caminhada na neve.

Então, em vez disso, pediu-a em casamento no quarto.

"Ajoelhou-se ao lado da cama e disse: 'Amo-te, Rachael, casas comigo?'", diz Rachael.

"E, claro, eu disse que sim, imediatamente. E foi muito mágico e maravilhoso. E sim, ligeiramente surreal."

A relação à distância continuou antes de os dois se casarem, em maio de 2016, numa cerimónia íntima nas pedras erguidas de Stenness em Orkney, onde tudo começou.

"Era muito frio e ventoso mas, para mim, pensando bem, é como se o espírito de Orkney estivesse lá connosco na altura", diz Rachael.

Havia uma pequena multidão de amigos e familiares presentes, incluindo a família de Rachael, mas Anthony disse aos seus entes queridos para não viajarem. Mais tarde, arrependeu-se, mas dois dos seus melhores amigos surpreenderam-no no dia, ao viajarem da América do Norte.

Rachael e Anthony casaram-se através de uma cerimónia pagã, uma tradição celta onde as mãos do casal são atadas para simbolizar a união.

Os participantes estavam em círculo, com Rachael e Anthony no meio. O casal segurava um saco de veludo, oferecendo-o a cada convidado do casamento, que colocava a mão lá dentro, escolhia um voto escrito à mão e lia-o a Rachael e Anthony.

"Todos na cerimónia tinham um papel a desempenhar", diz Anthony. "Mas também foi engraçado termos sido nós a escrever toda a cerimónia."

Posteriormente, houve uma refeição, com direito a discursos e o casal incluiu algumas tradições americanas, como darem bolo à boca um do outro, entre as influências celtas.

O casamento não resolveu imediatamente os problemas da distância entre Anthony e Rachael. Após a lua-de-mel na ilha escocesa de Skye, tiveram de se separar novamente para resolver os vistos.

Rachael acabou por se mudar para o Wisconsin com Anthony e o casal viveu alguns anos nos EUA antes de regressar à Escócia no início de 2020.

Círculo completo

Atualmente, Anthony e Rachael vivem felizes em Edimburgo num chalé em Dalkeith Country Park, um parque e um bairro históricos que, por coincidência, foi onde Anthony esteve enquanto aluno de intercâmbio, em 2013.

"Por vezes, a vida dá uma volta completa destas", afirma Anthony.

Anthony e Rachael trabalham ambos numa companhia de seguros mas continuam a ser apaixonados por História e Arqueologia. Nos tempos livres adoram explorar juntos a infinidade de locais históricos, enquanto Rachael é voluntária num museu de Edimburgo e Anthony tweeta sobre Arqueologia na sua conta de Twitter @RileyFlintSpark.

Nove anos após o primeiro encontro dos dois, o casal gosta de refletir em como dois encontros em Orkney e uma mensagem numa garrafa acabou por os juntar.

"Não acredito necessariamente no destino," afirma Anthony. "Acho que isto é algo que as pessoas me disseram repetidamente, 'estava escrito', mas na realidade deu muito trabalho."

"Deu muito trabalho," Rachael concorda. "Mas penso que algumas das coisas foram bastante mágicas. Algumas ligações dificilmente seriam obram do acaso."

"É bastante emotivo refletir em todas as coisas por que passámos. É óbvio que houve momentos muito bons e outros algo complicados, como acontece com toda a gente. Acho que isto apenas vem demonstrar que, para mim, a magia é real."

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Mundo

Mais Mundo

Patrocinados