Quem foi o verdadeiro J. Robert Oppenheimer?

CNN , Caolán Magee
23 jul 2023, 11:00
J. Robert Oppenheimer criador da Bomba Atómica

J. Robert Oppenheimer (à esquerda) é interpretado por Cillian Murphy (à direita) no novo filme biográfico realizado por Christopher Nolan.

O aguardado filme “Oppenheimer” chega finalmente aos cinemas como um dos primeiros filmes biográficos de grande sucesso de bilheteira a estrear desde o fim da pandemia da Covid-19.

A última criação do realizador Christopher Nolan diz respeito a uma ameaça existencial anterior, contando a história da bomba atómica pela lente do seu criador, J. Robert Oppenheimer - interpretado pelo ator Cillian Murphy, estrela da série “Peaky Blinders”.

O filme, que conta com um elenco de apoio estelar, incluindo Matt Damon, Emily Blunt, Florence Pugh e Robert Downey Jr., é baseado na biografia de Kai Bird e Martin J. Sherwin, vencedora do Prémio Pulitzer, “American Prometheus: The Triumph and Tragedy of J. Robert Oppenheimer” [tradução à letra, “O Prometeu Americano: O Triunfo e a Tragédia de J. Robert Oppenheimer"].

Oppenheimer ficou conhecido como o pai da bomba atómica. ullstein bild Dtl./ullstein bild/Getty Images

Quem foi J. Robert Oppenheimer?

Oppenheimer é amplamente considerado o pai da bomba atómica. Nascido a 22 de abril de 1904 em Nova Iorque, era filho de um importador de têxteis alemão. Rapidamente se tornou proeminente como físico de renome internacional, contratado pelo governo dos Estados Unidos para criar uma bomba atómica para reprimir a ameaça da Alemanha nazi.

Mas a sua carreira foi marcada por controvérsias, já que teve de lidar com as implicações da criação da primeira explosão nuclear do mundo.

Oppenheimer disse aos entrevistadores, duas décadas mais tarde, que quando a bomba do teste Trinity explodiu a 16 de julho de 1945 num local remoto no deserto do Novo México, “sabíamos que o mundo não seria o mesmo. Algumas pessoas riram, outras choraram, a maioria ficou em silêncio”. Ele disse que se lembrou de uma frase da escritura hindu Bhagavad Gita: “Agora, tornei-me na Morte, a destruidora de mundos.”

Imagem rotulada como '0,053 Sec' do primeiro teste nuclear, com o nome de código "Trinity", realizado pelo Laboratório Nacional de Los Alamos em Alamogordo, Novo México, em 1945. Fotosearch/Getty Images

Oppenheimer acreditava que a criação de uma bomba atómica era necessária para o fim da Segunda Guerra Mundial. Mas ele era assombrado pelo conhecimento de que, ao criar a bomba, também estava a permitir a destruição do mundo.

Este conflito moral acabou por levar à sua desgraça, quando se opôs à criação da bomba de hidrogénio por razões morais e políticas e foi acusado de atrasar o desenvolvimento da bomba de hidrogénio.

A Comissão de Energia Atómica dos Estados Unidos (AEC) declarou em 1954: “Se o Dr. Oppenheimer tivesse apoiado entusiasticamente o programa termonuclear, antes ou depois da determinação da política nacional, o projeto da bomba de hidrogénio teria sido prosseguido com muito mais vigor, aumentando assim a possibilidade de um sucesso anterior neste domínio.”

O que foi o Projeto Manhattan?

A ascensão de Adolf Hitler na Alemanha levou físicos como Albert Einstein, Leo Szilard e Eugene Wigner a alertar o governo dos EUA para o perigo que representaria para a humanidade se os nazis conseguissem fabricar primeiro uma bomba nuclear.

Em resposta, o governo dos EUA reuniu uma equipa de físicos atómicos de primeira linha - chefiada por Oppenheimer, que tinha ganho reputação internacional pela sua investigação sobre partículas subatómicas.

Naquele que ficou conhecido como o Projeto Manhattan, Oppenheimer e a sua equipa transferiram a sua investigação para a remota localidade de Los Alamos, no Novo México, e, em julho de 1945, teve lugar a primeira explosão nuclear do mundo.

Menos de um mês depois, a 6 e 9 de agosto de 1945, os militares norte-americanos lançaram bombas atómicas sobre Hiroshima e Nagasaki, matando 110 mil pessoas instantaneamente e dezenas de milhares de outras no espaço de um ano. Em outubro do mesmo ano, Oppenheimer demitiu-se do seu cargo.

O que é que Oppenheimer fez a seguir?

Em 1947, Oppenheimer tornou-se diretor do Instituto de Estudos Avançados em Princeton, Nova Jersey, nos EUA. De 1947 a 1952, foi também presidente do Comité Consultivo Geral da Comissão de Energia Atómica, que em outubro de 1949 se opôs ao desenvolvimento da bomba de hidrogénio.

No pós-Segunda Guerra Mundial, quando o mundo entrou na Guerra Fria, Oppenheimer foi considerado suspeito pelos serviços secretos americanos de ter ligações com os comunistas. Este facto insere-se num contexto mais vasto de determinação em reprimir uma suposta infiltração comunista em vários sectores do governo dos EUA.

Oppenheimer foi acusado de deslealdade devido à sua oposição à criação da bomba de hidrogénio, bem como à sua amizade, na década de 1930, com estudantes comunistas que apoiavam a causa antifascista na Guerra Civil Espanhola. Consequentemente, em 1954, perdeu a sua autorização de segurança e o seu cargo de conselheiro do governo dos EUA.

Entretanto, a ameaça persistente de uma guerra nuclear dominava a política internacional.

Oppenheimer passou o resto dos seus anos cada vez mais preocupado com o conflito entre a moralidade e o avanço científico.

Reformou-se do Instituto de Estudos Avançados em 1966 e morreu no ano seguinte, com 62 anos.

No ano passado, o Departamento de Energia dos Estados Unidos anulou formalmente a revogação da autorização de segurança de Oppenheimer pela AEC, considerando o processo de 1954 “imperfeito”. A Secretária de Estado da Energia, Jennifer Granholm, afirmou numa declaração de dezembro: “Com o passar do tempo, foram surgindo mais provas da parcialidade e da injustiça do processo a que o Dr. Oppenheimer foi sujeito, ao mesmo tempo que as provas da sua lealdade e do seu amor ao país foram sendo confirmadas”.

Artes

Mais Artes

Mais Lidas

Patrocinados