Nova Zelândia acusa China de espionagem cibernética

Agência Lusa , AM
26 mar, 06:14
Bandeira da Nova Zelândia (Associated Press)

Embaixada da China na Nova Zelândia rejeitou "categoricamente estas acusações infundadas e irresponsáveis", manifestando "forte desagrado"

O Governo da Nova Zelândia denunciou que piratas informáticos ligados à China lançaram uma operação patrocinada pelo Estado que visou o Parlamento neozelandês, em 2021, acusação rejeitada pelas autoridades chinesas.

A alegação da Nova Zelândia surge um dia depois de Estados Unidos e Reino Unido terem anunciado um conjunto de acusações criminais e sanções contra sete piratas informáticos, todos alegadamente a residir na China, que visaram funcionários norte-americanos, jornalistas, corporações, ativistas pró-democracia e o órgão de fiscalização eleitoral britânico.

A Embaixada da China na Nova Zelândia rejeitou "categoricamente estas acusações infundadas e irresponsáveis", manifestando "forte desagrado", de acordo com um comunicado da representação diplomática chinesa.

Pequim classificou também de "calúnia maliciosa" as acusações feitas por Londres. Estas acusações são "totalmente infundadas e calúnias maliciosas", afirmou a embaixada chinesa no Reino Unido.

Numa declaração à imprensa, a ministra responsável pelo Gabinete de Segurança das Comunicações do Governo (GCSB) neozelandês, Judith Collins, disse que a “utilização de operações de espionagem cibernética para interferir com as instituições e os processos democráticos em qualquer parte do mundo é inaceitável”.

Collins disse que a agência também estabeleceu ligações entre um ator patrocinado pelo Estado ligado à China e atividades cibernéticas maliciosas dirigidas a entidades parlamentares na Nova Zelândia.

"O Centro Nacional de Segurança Cibernética (NCSC) do GCSB concluiu uma avaliação técnica robusta após um comprometimento do Gabinete do Conselheiro Parlamentar e do Serviço Parlamentar em 2021, e atribuiu esta atividade a um grupo patrocinado pelo Estado da RPC [República Popular da China] conhecido como APT40", disse Collins.

"Felizmente, neste caso, o NCSC trabalhou com as organizações afetadas para conter a atividade e remover o ator" logo após terem acedido "à rede", garantiu.

Collins disse que Wellington não vai seguir Washington e Londres na adoção de sanções contra a China, já que o país não tem uma lei que permita tais penalidades, nem planos para introduzir legislação.

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Winston Peters, confirmou que as preocupações da Nova Zelândia foram transmitidas ao embaixador chinês, Wang Xiaolong.

"A interferência estrangeira desta natureza é inaceitável e instámos a China a abster-se de tais atividades no futuro", afirmou Peters.

"A Nova Zelândia vai continuar a pronunciar-se, de forma consistente e previsível, sempre que assistirmos a comportamentos preocupantes como este", declarou.

Peters encontrou-se com o homólogo chinês, Wang Yi, na semana passada e disse que os países partilham uma "relação significativa e complexa".

"Cooperamos com a China em algumas áreas para benefício mútuo", afirmou. "Ao mesmo tempo, também temos sido consistentes e claros quanto ao facto de nos pronunciarmos sobre questões preocupantes".

Ásia

Mais Ásia

Mais Lidas

Patrocinados