Porque é que esta imagem viral do maior navio de cruzeiro do mundo está a polarizar as opiniões

CNN , Jacopo Prisco
14 ago 2023, 10:00

O maior navio de cruzeiro do mundo ainda não recebeu um único passageiro a bordo, mas já está a gerar muita controvérsia na Internet.

O “Icon of the Seas” - que completou recentemente o seu primeiro conjunto de testes no mar em preparação para a viagem inaugural em janeiro de 2024 - tem credenciais espantosas: 365 metros de comprimento (96 metros mais longo que o Titanic), 49 metros de largura, 20 decks no total e uma capacidade máxima de quase dez mil pessoas, incluindo todos os passageiros e a tripulação.

Mas quando uma imagem da sua secção da popa se tornou viral em julho, polarizou as opiniões, suscitando reações apaixonadas de todos os lados. O trabalho do artista mostrava o navio completamente carregado em cores vibrantes, realçando o seu enorme parque aquático - com escorregas aquáticos de dimensões recorde - e transmitindo o tamanho e a densidade extraordinários do navio.

Mas nem toda a gente o interpretou como uma visão encantadora de diversão e relaxamento luxuosos no mar. Foi classificado como uma “monstruosidade”, um “monte de decadência” e um utilizador sugeriu que um nome melhor para ele seria “Icon of Disease” [“Ícone da Doença”, o que compara com o nome “Ícone dos Mares”, em português]. A imagem foi chamada de “intrincadamente pirosa e vulgar” e comparada a “estar preso num [centro comercial] Walmart flutuante” ou a “uma pilha mal equilibrada de pratos cheios de comida; caótica, desarrumada, possivelmente precária”.

Muitos fizeram uma justaposição com visões do inferno, com um comentador a sugerir um paralelo com Hieronymus Bosch, artista holandês do Renascimento conhecido pelas suas intrincadas paisagens do inferno. Outro fez uma referência cultural mais contemporânea, dizendo que a nave parece a versão Candy Crush do mundo subterrâneo distópico de “Silo”, um programa de televisão em que a humanidade sobrevive ao apocalipse retirando-se para uma cidade subterrânea, a centenas de níveis de profundidade.

Mas o que é que a imagem tem que provoca emoções tão fortes?

Um truque de perspetiva?

“Também achei a representação estranhamente invulgar”, diz Tom Davis, professor de psicologia na Universidade do Alabama, nos EUA, à CNN. “Depois de olhar com um pouco mais de atenção, acho que a natureza perturbadora é uma combinação interessante da perspetiva artística escolhida e do treino pós-pandémico de espaço pessoal/distância social que nos foi incutido a todos”.

Davis afirma que o facto de se tratar de uma representação, e não de uma fotografia real, desempenha um papel crucial. “Quase dá a impressão de um navio curto, demasiado alto e empilhado que está em mares agitados, mas na realidade isto pode ser um truque de perspetiva, uma vez que o navio real é aparentemente três a quatro vezes mais comprido do que a ideia que tenho ao olhar para baixo para a representação. As imagens que vi, mais de perfil, dão uma noção mais razoável, penso eu, da altura no contexto do comprimento total”.

Davis acrescenta que a reação pode dever-se a uma série de variáveis, incluindo ansiedades e fobias pessoais, bem como experiências pessoais em resorts e cruzeiros. “Para alguns, um navio deste tamanho com tanta coisa dentro provavelmente representa muita diversão com atividades contínuas e livre do tédio. Para outros, talvez nunca tenham feito um cruzeiro e pensem que é demasiado para absorver de uma só vez”, afirma.

“A escolha depende das experiências de cada um e da sua constituição pessoal - o medo de situações sociais, de águas abertas, de espaços pequenos é um problema? Então, esta imagem irá desencadear memórias de tudo, desde notícias sobre vírus a filmes como ‘Tubarão’, ‘A Aventura de Poseidon’ e ‘Titanic’”.

“Para outros, as suas experiências com cruzeiros e as numerosas viagens bem sucedidas fornecem informações que os levam a ver a situação de forma diferente”.

De acordo com Adam Cox, psicólogo e especialista em fobias, a descrição comum do “Icon of the Seas” como “cinco vezes maior” do que o Titanic pode sugerir a ideia de um desastre potencialmente maior: “Ainda mais depois da recente tragédia com o submersível Titan”, diz ele. “Isto provoca um desejo de proteção para evitar uma tragédia semelhante”.

Os vários andares do navio também criam uma sensação de claustrofobia em algumas pessoas, continua, uma vez que elas perceberão que o navio é um lugar onde milhares de pessoas estão presas, em vez de estarem a desfrutar de um cruzeiro de férias. “E para outros, as cores doces fazem com que o navio pareça um brinquedo, criando questões de segurança que não existiriam se o navio tivesse cores mais neutras”, acrescenta.

Fazedor de dinheiro

Jonathan Abramowitz, psicólogo da Universidade da Carolina do Norte, em Chapel Hill, considera que a imagem é vista como bastante agitada e confusa: “Talvez seja a ideia de tanta coisa a acontecer ao mesmo tempo e o facto de tudo se passar no mar, sem ter para onde ir se houvesse algum tipo de emergência”.

Mas Ross Klein, sociólogo da Memorial University of Newfoundland e especialista em cruzeiros, diz que o design do navio é uma progressão natural para a Royal Caribbean, a companhia de cruzeiros sediada em Miami que é proprietária do navio. “É um pouco cómico, algo com um tom místico. Mas é uma extensão do caminho que têm vindo a percorrer nos últimos 25 anos com o design dos seus navios”.

Ele acredita que as reações se baseiam principalmente na experiência anterior com cruzeiros. “Penso que os entusiastas da Royal Caribbean vão olhar para isto e dizer 'Uau, algo novo! Isto é muito emocionante, mal posso esperar para sair e ver o que está a acontecer ali!”, diz.

A imagem é bastante colorida e representa um navio com muitas opções. As respostas positivas superam de longe as outras.” Stewart Chiron, especialista em cruzeiros

Mas as pessoas que não fazem cruzeiros, ou que talvez gostem de um estilo diferente de cruzeiro, como navios mais pequenos, navios ultraluxuosos ou mesmo algo intermédio, verão isto como uma monstruosidade e dirão: “Porque é que alguma vez faria isso?”

O especialista em cruzeiros Stewart Chiron concorda. “As imagens dos navios da Royal Caribbean suscitaram muitas vezes reações fortes”, afirma à CNN. “As reações negativas ao ‘Icon of the Seas’ são, evidentemente, de não-cruzeiristas. A imagem é bastante colorida e representa um navio com muitas opções. As respostas positivas superam de longe as outras”.

Um porta-voz da Royal Caribbean, quando contactado pela CNN, não comentou as reações a esta imagem específica, mas disse que desde que o “Icon of the Seas” foi revelado em outubro de 2022 e tem havido uma “reação incrível”, que levou à semana de maior volume de reservas na história da empresa quando as vendas abriram.

Com algumas viagens já esgotadas - e preços a partir de cerca de dois mil dólares por pessoa para um cruzeiro de sete dias - o navio vai provavelmente tornar-se num “money-maker”, um “fazedor de dinheiro”, de acordo com Ross Klein. “A Royal Caribbean é conhecida por exceder 100% da capacidade dos seus navios. E parte disso vem do facto de eles darem às pessoas algo para que eles queiram embarcar e gastarem muito dinheiro quando lá estão”, afirma.

“Aquele navio vai receber uns 10 milhões de dólares por semana.”

Viagens

Mais Viagens

Na SELFIE

Patrocinados