Michael J. Fox sobre a doença que o afeta há mais de 30 anos: "Tem sido de longe a coisa mais emocionante"

6 fev, 18:01
Michael J. Fox

O ator foi diagnosticado com doença de Parkinson quando tinha 29 anos e era uma das estrelas mais pungentes de Hollywood. Aos 62 anos, numa entrevista ao jornal britânico The Guardian, fala sobre a doença e diz que ela "foi a coisa mais emocionante" que já lhe aconteceu

O ator e ativista Michael J. Fox, popularizado pela saga de filmes Regresso ao Futuro, admite que a doença de Parkinson “é uma merda”. Numa entrevista ao jornal britânico The Guardian, em que fala abertamente sobre a doença e sobre a batalha que trava desde os 29 anos, Michael J. Fox, agora com 62 anos, diz que a doença não o define: “A história é sobre o poder do otimismo, que é realmente uma escolha. Aceitação não significa estar resignado com alguma coisa. É olhares para isto e dizeres ‘O que é que esta verdade exige de mim?’”.

Michael J. Fox foi diagnosticado em 1991, mas tornou pública a sua doença em 1998. Relata que os primeiros sintomas que sentiu foram espasmos no dedo mindinho e dores no ombro. Com o diagnóstico, veio a sentença: deixaria de conseguir trabalhar dentro de poucos anos. A verdade é que só se retirou de cena há 10 anos.

A estrela de Regresso ao Futuro fala do tratamento que o ajuda a controlar os sintomas da doença e revela que fez uma talamotomia (uma cirurgia cerebral que envolve a destruição controlada do tecido cerebral na região do cérebro que produz tremores), em 1998.

Em 2000, criou a Fundação Michael J. Fox, uma organização sem fins lucrativos que trabalha para encontrar uma cura para a doença de Parkinson. Na entrevista divulgada na sexta-feira, assegura que a doença não o derrotou, mas admite que “É uma merda!”.

"Eu odeio isto. É uma merda! É uma merda! É difícil acordar de manhã e seguir em frente. Mas tenho uma família linda e uma Fundação premiada”, diz.

Garante que não quer ser considerado “um santo”, porque isso “é muito chato”, e que também não é “um mártir”. Admite que “é uma luta” e “muito difícil” não representar há 10 anos, porque isso faz com que ele seja o centro das atenções e não o seu trabalho: "É uma luta. É muito difícil. Fico cansado de falar de mim. Eu conheço-me muito bem.” Mas diz também que “o Parkinson tem sido de longe a coisa mais emocionante” que lhe aconteceu. “Muito mais do que a minha carreira”, compara.

No ano passado, a Fundação Michael J. Fox anunciou a descoberta de biomarcadores para a doença de Parkinson. O ator diz que procurar a cura da doença se tornou no seu “propósito de vida”.

Relacionados

Artes

Mais Artes

Patrocinados