Covid-19: Ordem dos Advogados acusa Governo de “irresponsabilidade”

Agência Lusa , JGR
29 dez 2021, 17:22
Escândalo na GNR: “Esperamos que este caso sirva para que se termine com a situação gravíssima de Odemira"
Escândalo na GNR: “Esperamos que este caso sirva para que se termine com a situação gravíssima de Odemira"

Segundo Luís Menezes Leitão têm chegado “constantemente” informações de casos de covid-19 entre magistrados, funcionários judiciais e advogados

PUB

A Ordem dos Advogados (OA) acusou o governo de “irresponsabilidade” por não prorrogar as férias judiciais, devido ao crescimento do número de casos de covid-19 em Portugal, e manifestou-se preocupada com as possíveis consequências dessa situação.

Numa resposta enviada à Lusa, o bastonário da OA, Luís Menezes Leitão, critica o executivo por não ter acedido ao pedido de deixar os tribunais fechados na primeira semana de janeiro, mantendo o recomeço das diligências para 4 de janeiro enquanto decretava que o país viveria em semana de contenção e teletrabalho até 09 de janeiro.

PUB

"Perante os mais de 17 mil casos ontem (terça-feira) verificados e a previsão da ministra da Saúde de que teremos 37 mil casos no próximo dia 7 de janeiro, consideramos de uma grande irresponsabilidade por parte do Governo manter os tribunais abertos durante essa semana, sabendo-se perfeitamente que os mesmos são lugares de risco e que não têm condições adequadas para a proteção das muitas pessoas que lá têm que se deslocar”, diz o bastonário.

PUB
PUB
PUB

Segundo Luís Menezes Leitão, que reiterou a “preocupação” da Ordem, têm chegado “constantemente” informações de casos de covid-19 entre magistrados, funcionários judiciais e advogados.

“Tudo isto poderia ter sido evitado se desde o início o nosso pedido tivesse sido atendido pelo Governo, não se vendo qualquer razão para que tal não tenha ocorrido", resumiu.

A variante Ómicron do coronavírus SARS-CoV-2, considerada preocupante pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral, mas desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta, em 24 de novembro, foram notificadas infeções em pelo menos 110 países, sendo dominante em Portugal.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 18.909 pessoas e foram contabilizados 1.303.291 casos de infeção, segundo dados da Direção-Geral da Saúde.

Relacionados

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Governo

Mais Governo

Patrocinados