Ministro da Saúde admite que falta de médicos vai manter-se nos próximos dois a três anos

Agência Lusa , BC
4 nov, 16:43
O ministro da Saúde, Manuel Pizarro

Manuel Pizarro diz que é preciso resolver a falta de médicos "estruturalmente" e admite que é no Algarve que mais se sente a falta de profissionais de saúde

O ministro da Saúde afirmou esta sexta-feira que a falta de médicos no Serviço Nacional de Saúde (SNS) é uma dificuldade que vai manter-se nos próximos dois a três anos, até que o problema seja resolvido estruturalmente.

“Nos próximos dois, três anos ainda vamos ter algumas dificuldades com as quais vamos ter de lidar com sacrifício dos próprios profissionais semana após semana, mas vamos resolver o problema estruturalmente daqui a algum tempo”, disse Manuel Pizarro aos jornalistas, à margem da inauguração do Hospital de Lagos, no distrito de Faro.

O ministro referiu que o Governo está a trabalhar para aumentar a formação de profissionais, com a abertura de mais vagas para médicos em formação geral e em formação de especialidade, mas admitiu que a falta de médicos é um problema de todo o país, que “sente-se mais no Algarve, região onde é difícil fixar médicos devido ao custo de vida mais elevado.

“O custo da habitação é maior e torna mais difícil trazer profissionais”, sublinhou.

Segundo o governante, o problema da falta de profissionais de saúde está a ser trabalhado pelo Governo, nomeadamente “a formação de profissionais, um aspeto muito relevante, a abertura de mais vagas para a formação de médicos em geral e de médicos especialistas, em especial, grande parte delas no Algarve e o reforço do funcionamento do curso de medicina da Universidade do Algarve”.

Além destas, adiantou, também o alargamento da formação de enfermeiros no Algarve “é uma estratégia que, a prazo, vai permitir, seguramente, lidar melhor com esta dificuldade".

O ministro sublinhou a importância da abertura de mais vagas para a formação de médicos como “um meio estratégico que futuramente vai permitir lidar melhor com esta dificuldade”, a que se junta “um esforço de colaboração conjunta com as câmaras municipais na resolução em matéria de alojamento”.

De acordo com Manuel Pizarro, a partir de janeiro de 2023, “134 médicos vão entrar em formação geral e algumas dezenas, o maior número de sempre de médicos, na formação da especialidade no Centro Hospitalar Universitário do Algarve (CHUA) e também nos cuidados de saúde primários”.

Para fixar os profissionais na região algarvia, o ministro apontou como essencial a criação de novas infraestruturas hospitalares: “Tenho a certeza que é mais fácil fixar médicos e enfermeiros ou outros profissionais num hospital moderno como este, do que era no antigo hospital, num edifício com 500 anos”.

Manuel Pizarro disse que a construção do novo Hospital Central do Algarve “também contribuirá para fixar profissionais na região, um processo que está de novo em marcha, que vai ter evolução durante o ano de 2023”.

Questionado sobre constrangimentos nos serviços nos hospitais de Santarém e de Torres Novas, o ministro disse que o Governo “prevê tomar as medidas necessárias para que estes constrangimentos deixem de ocorrer”.

Manuel Pizarro inaugurou hoje o Hospital Terras do Infante, em Lagos, infraestrutura onde antes funcionava uma unidade privada e que em janeiro passou a integrar o Centro Hospitalar Universitário do Algarve, a par das unidades hospitalares de Faro e de Portimão.

Relacionados

Governo

Mais Governo

Patrocinados