Líder da Coreia do Norte pede reforço da Marinha devido a "risco de guerra nuclear"

Agência Lusa , AM
29 ago 2023, 08:13
Kim Jong Un, líder da Coreia do Norte, numa cimeira do seu país com os EUA, em Singapura. 12 junho 2018. Foto: Saul Loeb/AFP via Getty Images

Kim Jong-un acusou Washington de estar "mais agitado do que nunca" com as manobras navais conjuntas e a continuação da instalação de meios nucleares estratégicos nas águas em torno da península coreana

O líder da Coreia do Norte pediu o reforço da Marinha, devido ao "risco de guerra nuclear", noticiaram esta terça-feira os meios de comunicação oficiais do regime, quando Seul, Washington e Tóquio realizam exercícios navais conjuntos.

Kim Jong-un criticou o aumento da cooperação trilateral entre os "líderes de gangues" dos Estados Unidos, da Coreia do Sul e do Japão "reunidos", informou a agência de notícias oficial norte-coreana (KCNA), numa referência à recente cimeira em Camp David (EUA), onde o Presidente norte-americano, Joe Biden, recebeu o homólogo sul-coreano, Yoon Suk-yeol, e o primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida.

Esta foi a primeira vez que os líderes dos três países se reuniram numa cimeira independente.

Kim Jong-un acusou Washington de estar "mais agitado do que nunca" com as manobras navais conjuntas e a continuação da instalação de meios nucleares estratégicos nas águas em torno da península coreana, indicou a KCNA.

"Devido às ações imprudentes de confronto dos Estados Unidos, entre outras forças hostis, as águas em torno da península coreana foram forçadas a tornar-se o ponto mais concentrado de material de guerra do mundo, as águas mais instáveis com o risco de guerra nuclear", disse Kim.

"Conseguir desenvolver rapidamente a força naval tornou-se uma questão muito urgente, tendo em conta as recentes tentativas de agressão do inimigo", afirmou.

O jornal estatal norte-coreano Rodong Sinmun mostrou Kim Jong-un, numa fotografia com a filha, a inspecionar o comando naval.

Os EUA, a Coreia do Sul e o Japão intensificaram a cooperação em matéria de defesa nos últimos meses e deram início a um exercício conjunto de defesa antimíssil naval para contrariar as crescentes ameaças nucleares e de mísseis balísticos de Pyongyang.

O exercício, realizado em águas internacionais ao largo da ilha sul-coreana de Jeju, envolveu contratorpedeiros equipados com sistemas de radar Aegis dos três países, informou a Marinha sul-coreana, em comunicado.

Até 31 de agosto, os EUA e a Coreia do Sul estão a realizar manobras militares anuais em grande escala, o que suscita a ira de Pyongyang.

Este ano, a Coreia do Norte efetuou um número recorde de testes de armamento e, na semana passada, fez uma segunda tentativa, sem êxito, de colocar em órbita um satélite espião.

Relacionados

Ásia

Mais Ásia

Mais Lidas

Patrocinados