O afastamento da princesa de Gales parece ter desencadeado um desejo de monarquia que talvez poucos compreendam a nível intelectual

CNN , Rose Prince
13 mar, 12:41
Kate Middleton (Palácio de Kensington)

OPINIÃO|| Por outras palavras, se a realeza é o opiáceo das massas, então os britânicos não estão preparados para deixar de fumar. Os monarcas podem não ser capazes de aprovar leis, negociar tratados ou enviar tropas para a batalha mas podem abrir supermercados, assistir a estreias e visitar os doentes. Sem isso, tal como a Barbie, para que é que eles foram feitos?

Opinião | O que mostra realmente a fotografia da princesa de Gales? Uma monarquia em dificuldades

por Rose Prince

Rosa Prince é editora-adjunta do Politico UK. As opiniões expressas neste comentário são da sua inteira responsabilidade
 

Foi um encantador postal de Dia da Mãe destinado a assegurar a uma nação ansiosa de que tudo estava bem com a sua querida família real. Em vez disso, a declaração de Catherine, princesa de Gales, de que tinha manipulado uma fotografia que a mostrava a posar com os seus filhos, parece ter enviado grande parte do público britânico a correr para a mais profunda das tocas de coelho da teoria da conspiração.

Durante semanas, os rumores sobre Kate, mulher de um herdeiro do trono, o príncipe William, e mãe de outro, o príncipe George, ficaram relegados para os cantos mais obscuros da Internet.

Mas quando uma série de agências fotográficas respeitadas retiraram a fotografia publicada pelo Palácio de Kensington, alegando preocupações quanto à sua autenticidade total, o rumor aumentou.

Esta fotografia divulgada pelo Palácio de Kensington mostra Kate, princesa de Gales, com os filhos, o príncipe Louis, à esquerda, o príncipe George e a princesa Charlotte. As áreas circuladas parecem mostrar indícios de potencial manipulação, incluindo o punho da manga da Princesa Charlotte e um fecho no lado esquerdo do casaco da Princesa de Gales, que não parece estar alinhado. (Foto: Palácio de Kensington)

Kate tem estado ausente dos olhares do público há meses, depois de uma cirurgia abdominal planeada em meados de janeiro, seguida de um longo período de convalescença.

O momento da ausência revelou-se infeliz, com o Palácio de Buckingham a anunciar, no mesmo dia, que o sogro, o rei Carlos III, iria em breve submeter-se a tratamento para tratar o aumento da próstata.

Quando Carlos anunciou a chocante notícia de que tinha sido descoberto um cancro durante a operação e que também ele se iria afastar da vida pública enquanto recebia cuidados médicos, o vazio deixado pela ausência de dois dos mais importantes membros da realeza foi rapidamente preenchido com teorias da conspiração sobre Kate.

Grande parte do debate em torno da ausência da princesa centrou-se na natureza da sua doença, alimentada pela falta de informação do palácio sobre o que a poderia estar a afetar.

Para quem estava de fora, a sua hospitalização parecia invulgarmente longa para uma mulher jovem e saudável - Kate fez 42 anos pouco antes da intervenção - e o período de recuperação, que o seu porta-voz disse que duraria até à Páscoa, extenso.

A falta de pormenores por parte do Palácio é sintomática de uma instituição que tem tido dificuldade em encontrar o equilíbrio entre a proteção da privacidade dos membros da realeza e a transparência exigida por uma democracia moderna.

Rosa Prince

A falta de pormenores por parte do palácio é sintomática de uma instituição que tem tido dificuldade em encontrar um equilíbrio entre a proteção da privacidade da realeza e a transparência exigida por uma democracia moderna.

Numa monarquia constitucional em que reis e rainhas exercem pouco poder real mas muito poder brando, a visibilidade é tudo. Podem não ser capazes de aprovar leis, negociar tratados ou enviar tropas para a batalha, mas a realeza britânica pode abrir supermercados, assistir a estreias e visitar os doentes. Sem isso, tal como a Barbie, para que é que eles foram feitos?

Após a morte da mãe de William, Diana, em 1997, os britânicos ansiavam por outra princesa encantadora, se bem que menos problemática, para contemplar nas capas das revistas. Kate, com o seu estilo imaculado e a sua feliz ninhada de filhos, trouxe um toque de cor e conforto a um mundo que, de outra forma, seria conturbado: uma arena política instável, que viu recentemente três primeiros-ministros no espaço de dois meses, uma crise de custo de vida punitiva, uma guerra com a Rússia nos confins da Europa e acontecimentos no Médio Oriente que têm dividido muitas comunidades.

Quando Kate desapareceu do mapa, os seus futuros súbditos quiseram - exigiram - saber porquê.

Enquanto William parece ter subscrito a máxima da sua avó, a rainha Isabel II, de que o público não acreditaria que ela era real se não a visse, o seu irmão, o príncipe Harry, tem uma visão notoriamente menos tolerante do olhar do público.

A decisão de Harry de se afastar do palco da família real, fugindo para a Califórnia com a sua mulher Meghan, duquesa de Sussex, reduziu ainda mais o número de altezas para os britânicos olharem, com o seu tio, o príncipe Andrew, também fora de cena na sequência do escândalo que envolveu a sua amizade com o pedófilo condenado Jeffrey Epstein.

Nos 18 meses que se seguiram à morte de Isabel, o círculo real já parecia cada vez mais reduzido.

O afastamento de Carlos e Kate parece ter desencadeado uma crise na psique britânica, um desejo de monarquia que talvez poucos compreendam a nível intelectual. Por outras palavras, se a realeza é o opiáceo das massas, então os britânicos não estavam preparados para deixar de fumar.

Enquanto os memes #WheresKate se tornavam tendência no X ( antigo Twitter) e os comentadores da realeza escreviam artigos incisivos a exigir mais informações, o palácio manteve um silêncio intransigente.

Até este Dia da Mãe, que no Reino Unido se celebra no início de março.

Para gáudio de muitos, Kate manteve a tradição do Dia da Mãe, publicando uma fotografia em que aparece com os filhos, George, de 10 anos, a princesa Charlotte, de oito, e o príncipe Louis, de cinco.

"Obrigada pelos vossos desejos e pelo vosso apoio contínuo", escreveu numa mensagem que acompanhava a fotografia, que teria sido tirada alguns dias antes pelo marido.

De uma só vez, parecia que os teóricos da conspiração tinham sido silenciados. Kate parecia saudável e resplandecente.

No entanto, a tranquilidade durou apenas algumas horas, pois os editores de fotografia das agências de fotografia, incluindo a AP e a Reuters, detetaram algo de errado. A manga de Charlotte não parecia um pouco estranha? Haveria algo de errado com o padrão da camisola de Louis? Talvez a maior pista: como é que William conseguiu captar as três crianças a sorrir ao mesmo tempo?

Com os fotógrafos profissionais cada vez mais preocupados com o impacto da IA e de outras técnicas de manipulação na sua profissão, as agências não quiseram correr o risco de uma imagem manipulada.

O palácio, por sua vez, não emitiu qualquer comentário durante longas horas, enquanto a nação mergulhava de cabeça na toca do coelho.

Nos escritórios e outros locais de trabalho por todo o país, parecia que toda a gente tinha uma opinião sobre o comprimento dos dedos da princesa, a sombra da árvore ao fundo e outros aspetos agora suspeitos da fotografia.

Mais de 12 horas depois, Kate finalmente respondeu: "Tal como muitos fotógrafos amadores, ocasionalmente faço experiências com edição", afirmou nas redes sociais. "Queria pedir desculpa por qualquer confusão que a fotografia de família que partilhámos ontem tenha causado".

O problema para a realeza: quando a confusão se junta à conspiração, a narrativa é difícil de controlar.

Europa

Mais Europa

Mais Lidas

Patrocinados