Como regras de segurança "escritas com sangue" salvaram vidas num acidente de avião em Tóquio

CNN , Julia Buckley
3 jan, 09:35
Avião da Japan Airlines em chamas no aeroporto de Tóquio (Getty Images)

Ao ver as imagens da colisão da Japan Airlines (JAL) no aeroporto de Haneda, em Tóquio, parece um milagre que alguém tenha saído ileso.

No entanto, enquanto, tragicamente, cinco dos seis tripulantes do avião Dash 8 da Guarda Costeira japonesa que embateu durante a aterragem morreram, todos os 379 passageiros e tripulantes a bordo do Airbus A350 sobreviveram ao acidente.

Embora as investigações sobre o que aconteceu no incidente, que viu o avião da JAL explodir numa bola de fogo, estejam em curso, os especialistas dizem que o sucesso da evacuação se deve a uma combinação de normas de segurança modernas e à cultura de segurança rigorosa da própria Japan Airlines.

"Pelo que vi nas imagens, fiquei surpreendido e aliviado por toda a gente ter conseguido sair", afirma Graham Braithwaite, professor de segurança e investigação de acidentes na Universidade de Cranfield, no Reino Unido.

"É um impacto muito forte que qualquer avião tem de suportar. Mas sabendo o que sei sobre essa companhia aérea e o esforço que fazem em termos de segurança e de formação da tripulação, o facto de terem feito um trabalho tão bom não deveria ser uma surpresa."

De facto, foi um acidente catastrófico ocorrido há quase 40 anos que ajudou a transformar a Japan AIrlines numa companhia aérea tão segura, lembra.

A 12 de agosto de 1985, o voo 123 da JAL, que ia de Tóquio para Osaka, despenhou-se, matando 520 dos 524 passageiros a bordo, após uma reparação defeituosa da cauda efetuada por técnicos da Boeing - e não da companhia aérea - na sequência de um incidente anterior.

Até hoje, este é o acidente com uma única aeronave mais mortífero da história da aviação.

"É evidente que o efeito foi profundo na companhia aérea", afirma Braithwaite. "Numa cultura como a do Japão, assumiram essa responsabilidade como um grupo e quiseram certificar-se de que nada do género voltaria a acontecer".

"Por isso, quando as coisas correm mal, vêem-nas em termos de aprendizagem. Tudo é uma oportunidade para melhorar".

Em 2005, apercebendo-se de que muitos funcionários estavam a entrar na empresa sem se lembrarem do acidente ocorrido 20 anos antes, a JAL abriu um espaço na sua sede corporativa onde expunha partes dos destroços, bem como histórias da tripulação e dos passageiros.

"A sensação foi a de que há pessoas que se juntam a este setor e que não sabem o que é ter um acidente. Toda a gente tem de compreender o esforço que é necessário fazer para garantir a segurança", afirma Braithwaite.

Quase quatro décadas depois, o acidente ainda tem um efeito profundo na mentalidade da empresa, diz.

"Têm uma cultura muito rigorosa em torno de procedimentos operacionais normalizados e de fazer tudo corretamente. Essa é uma das razões pelas quais, neste caso, penso que a tripulação parece ter tido um desempenho tão bom", afirma.

Embora não seja claro quem foi o culpado pelo acidente de terça-feira, Braithwaite diz que o sucesso da evacuação é "absolutamente" positivo para a Japan Airlines.

"Se quisermos ver uma razão pela qual devemos voar com eles, penso que é esta", afirma.

A JAL é regularmente nomeada entre as companhias aéreas mais seguras do mundo numa lista anual elaborada pelo website Airlineratings.com.

O editor-chefe Geoffrey Thomas afirma: "A Japan Airlines tem tido um excelente registo de segurança desde 1985. No entanto, esse acidente não foi culpa da companhia aérea e deveu-se a uma reparação defeituosa efetuada pela Boeing".

"Está classificada como uma companhia aérea de sete estrelas pela nossa página e passou em todas as principais auditorias de segurança. Além disso, a entidade reguladora japonesa para a segurança das companhias aéreas tem um desempenho melhor nos oito critérios de supervisão do que a média mundial de conformidade."

Uma evacuação exemplar

As incursões na pista, como esta é classificada, são "raras mas podem ser catastróficas", diz Braithwaite.

Com diferentes companhias aéreas e operadores terrestres a movimentar veículos, os aeroportos tornam-se "bens imobiliários complicados que temos de trabalhar arduamente para proteger".

Obviamente, é demasiado cedo para saber o que aconteceu em Tóquio e como é que os dois aviões se encontraram na pista ao mesmo tempo.

No entanto, a mensagem da indústria aeronáutica é a mesma: parece ter sido a reação rápida da tripulação que salvou centenas de vidas. Poucos segundos após a paragem do avião, os escorregas de evacuação foram insuflados e as pessoas a bordo foram rapidamente retiradas, mesmo quando a cabine se encheu de fumo.

"Estou excecionalmente impressionado com os pilotos, a tripulação e os passageiros pelo que parece ter sido uma evacuação exemplar nas condições mais extremas", refere um piloto de uma grande companhia aérea europeia que quis manter o anonimato por não estar autorizado a falar em nome da sua companhia.

"A natureza robusta dos aviões modernos e a formação dos pilotos para lidar com situações anómalas evoluíram ao longo de décadas até ao ponto de termos o período mais seguro da aviação desde o seu início", acrescenta.

"Os procedimentos foram aperfeiçoados à medida que os aviões se tornaram maiores, pelo que todos os passageiros podem ser retirados em 90 segundos. Em algumas companhias aéreas, os assistentes de bordo também podem agora iniciar uma evacuação se esta for claramente catastrófica, poupando segundos vitais ao não esperarem que o comandante a inicie."

Regras de segurança "escritas com sangue"

Como os funcionários da JAL sabem muito bem, os registos de segurança da aviação moderna são, diz o piloto, "escritos com o sangue de outros que não tiveram a mesma sorte".

Os acidentes tornam-se lições, que são "partilhadas por toda a indústria para que a tripulação possa ser melhor no seu trabalho".

Citam um acidente da Aeroflot em 2019, que também viu um avião incendiar-se ao aterrar em Moscovo, matando 41 dos 73 a bordo, como um incidente semelhante ao de terça-feira, com o qual se aprendeu.

E em 1980, o voo 163 da Saudia - em que todos os 301 a bordo morreram por inalação de fumo depois de o avião ter feito uma aterragem de emergência bem sucedida em Riade, mas os pilotos não terem ordenado uma evacuação - foi o impulso para dar à restante tripulação autoridade para retirar os passageiros.

Outro acidente que teve efeitos importantes na segurança futura foi o desastre da British Airtours em 1985, no aeroporto de Manchester, no Reino Unido.

O avião abortou a descolagem, incendiando-se. Apesar de ter parado na pista e de os bombeiros terem chegado rapidamente, morreram 55 pessoas, principalmente devido à inalação de fumo.

"Daí resultaram muitas recomendações que influenciaram muitas das caraterísticas dos aviões modernos", afirma Braithwaite.

"O facto de haver uma quantidade razoável de espaço à volta das saídas. Luzes ao longo do chão. A tripulação de cabine avalia se a pessoa sentada na saída da asa superior é capaz de a abrir. Sinais de saída muito mais claros. Os materiais com que fabricamos as cabines. Uma das principais características do incêndio de Manchester foi o facto de ter libertado rapidamente fumos".

"Todas estas coisas contribuem para uma evacuação bem-sucedida."

Ele cita a sua antiga colega em Cranfield, a professora Helen Muir, como alguém que mudou o panorama da segurança na sequência desse acidente. Era conhecida por fazer ensaios "incentivados" em que os participantes recebiam mais dinheiro quanto mais cedo saíssem do avião. O seu comportamento era depois monitorizado e transmitido aos fabricantes de aviões e às companhias aéreas.

Hoje, lembra o especialista, sabemos que é "a influência da tripulação de cabine que leva as pessoas a evacuar um avião, e a fazê-lo rapidamente".

Steven Erhlich, presidente da PilotsTogether - uma instituição de caridade criada durante a pandemia para apoiar a tripulação - concorda.

"É demasiado cedo para comentar as especificidades do incidente, mas o que é claro é que a tripulação teve um desempenho exemplar", afirma.

"A formação em segurança que as companhias aéreas - neste caso a JAL - dão às tripulações numa base contínua compensou, permitindo a evacuação em 90 segundos. Do meu ponto de vista, os passageiros devem prestar atenção às instruções de segurança e lembrar-se de que as tripulações não são meros funcionários do serviço de alimentação, mas sim profissionais de segurança bem treinados".

As normas internacionais mínimas de segurança estabelecidas pela Organização da Aviação Civil Internacional (ICAO, parte da ONU) exigem que a tripulação de cabine pratique anualmente as evacuações de emergência. Os fabricantes de aviões também têm de provar que qualquer avião novo pode ser totalmente evacuado em 90 segundos.

Para além disso, cada companhia aérea pode ter requisitos adicionais - a British Airways tem regras mais rigorosas sobre os materiais utilizados na cabine, diz Braithwaite, na sequência do acidente de Manchester. O piloto que falou com a CNN efetua semestralmente exercícios de evacuação no simulador da sua companhia aérea. Também têm de praticar num simulador cheio de fumo sintético.

"Isso faz a diferença em relação ao treino da geração anterior", afirma. "Retira o fator de choque do cenário real. Enjaula o chimpanzé - obtemos pensamentos e ações racionais em vez de instintivas, o que é muito mais seguro."

Braithwaite afirma que o aspeto rotineiro da formação enraíza os procedimentos na mente da tripulação.

"Essa é a parte invisível para nós, passageiros, mas é absolutamente rigorosa", sublinha.

"Quando estamos a aterrar, eles estão geralmente sentados a pensar: 'isto é o que vou fazer'. Estão a olhar para fora do avião. Sabem exatamente onde está o manípulo. É essa normalização do comportamento que acabou de acontecer aqui [em Tóquio]".

É uma surpresa chocante para o resto, mas é o treino que se mantém. E levar isso tão a sério é uma parte importante".

Tome nota

De facto, dizem os especialistas, uma das lições que nós, passageiros, devemos aprender com este incidente é prestar mais atenção.

Erlich cita o facto de os passageiros do JAL516 terem evacuado o avião sem levarem consigo todas as suas bagagens de mão - uma prática horrível que vimos em vídeos de evacuações recentes.

Mika Yamake, cujo marido estava a bordo, disse à CNN: "Ele só saiu com o telemóvel. Teve de deixar tudo o resto para trás".

Um piloto de uma grande companhia aérea europeia, que quis manter o anonimato, disse à CNN que poderá haver um aspeto cultural no salvamento de tantas vidas.

"Há definitivamente desafios entre companhias aéreas e culturas em que algumas pessoas dão prioridade à sua bagagem de mão ou aos seus pertences em detrimento da sua segurança e da segurança dos seus companheiros de viagem", disse.

"Deixar tudo e sair do avião deve ser a única prioridade. Quando isso acontece, todos têm mais hipóteses de sobreviver."

Erlich concorda: "Qualquer atraso na evacuação poderia ter sido catastrófico, tudo por causa de um portátil ou de uma mala de mão. Este incidente poderia ter sido muito pior se os passageiros não tivessem dado ouvidos aos avisos para deixarem os seus pertences para trás".

Braithwaite diz que é altura de começarmos todos a concentrar-nos.

"Há algumas semanas, sentei-me ao lado de uma pessoa num avião que não ouviu as instruções de segurança porque estava convencido de que se alguma coisa corresse mal, era o fim", afirma.

"Hoje, cerca de 400 pessoas no Japão provaram que isso não é verdade. É uma prova do quanto fizemos para mostrar que é possível sobreviver a acidentes."

Relacionados

Ásia

Mais Ásia

Patrocinados