Um milhão de pessoas e de repente ouviu-se o som de tiros: várias pessoas baleadas, incluindo crianças. Porquê?, porquê?

CNN , Nouran Salahieh
15 fev, 11:57

ESTADOS UNIDOS || Aconteceu na celebração da vitória dos Chiefs de Kansas City no Super Bowl. Mas ainda não se sabe por que motivo aconteceu

Autoridades tentam descobrir o que motivou tiroteio que deixou um morto e mais de 20 feridos na celebração do Super Bowl dos Chiefs

por Nouran Salahieh, CNN
 

A polícia está a trabalhar para apurar quem disparou e o que motivou o tiroteio que matou uma pessoa e feriu mais de 20 no final da festa de consagração dos Chiefs de Kansas City no Super Bowl, fazendo com que os adeptos vestidos com camisolas vermelhas corressem, se escondessem ou tratassem de outras pessoas no chão enquanto as forças da segurança se aglomeravam na zona, com os confetis ainda a soprar ao vento.

Cerca de um milhão de pessoas estavam reunidas a poucos passos da Union Station, no centro de Kansas City, Missouri, para o desfile e a concentração que assinalou a repetição da vitória dos Chiefs no campeonato, na quarta-feira, com os jogadores ainda no palco, quando o caos irrompeu ao som de tiros. Segundo as autoridades, várias pessoas foram baleadas, incluindo crianças.

Três pessoas foram detidas enquanto os agentes convergiam para o local, segundo o chefe da polícia de Kansas City, Stacey Graves, que acrescentou que foram recuperadas armas no local, mas não especificou quantas. Até à noite de quarta-feira, não tinha sido divulgada qualquer acusação e nenhum suspeito tinha sido identificado.

À medida que a investigação avança, várias perguntas continuam sem resposta: quantas pessoas dispararam durante o evento, quantos tiros foram disparados e o que motivou a violência que transformou um dia de festa numa tragédia.

"Não temos um motivo, mas pedimos àqueles que possam ter qualquer tipo de informação, uma testemunha ou um vídeo, que contactem a polícia", pediu o chefe da polícia numa conferência de imprensa na quarta-feira.

O tiroteio marcou o mais recente cenário em que os americanos viram o sentimento de segurança ser afetado pela violência armada, na sequência de tiroteios em igrejas, escolas, mercearias, centros comerciais e outros locais. A violência de quarta-feira foi, pelo menos, o 48º tiroteio em massa nos Estados Unidos em 2024, de acordo com o Gun Violence Archive, que, tal como a CNN, define um tiroteio em massa como aquele em que quatro ou mais pessoas são baleadas, sem incluir o atirador.

"Estou irritado com o que aconteceu hoje", afirmou o chefe da polícia de Kansas City. "As pessoas que vieram para esta comemoração deveriam esperar um ambiente seguro".

A polícia está a recolher provas físicas e digitais, a entrevistar as testemunhas e a fazer algumas perguntas às vítimas. O FBI e o Gabinete de Álcool, Tabaco, Armas de Fogo e Explosivos deslocaram-se a Kansas City para ajudar a polícia local, de acordo com um porta-voz do Departamento de Justiça.

"Há muito trabalho pela frente, pois esta é apenas a fase inicial, mas estamos a avançar o mais rapidamente possível", acrescentou Graves.

Até à data, a polícia ainda não identificou a pessoa que morreu no tiroteio. No entanto, a rádio KKFI 90.1 FM disse que sua funcionária, a DJ Lisa Lopez-Galvan, da área de Kansas City, morreu depois de ser baleada no evento. A polícia não forneceu quaisquer pormenores sobre a sua morte.

"Estamos absolutamente devastados com a perda de uma pessoa tão incrível que deu tanto à KKFI e à comunidade KC", afirmou Kelly Dougherty, diretora de desenvolvimento e comunicações da estação, num e-mail à CNN.

As autoridades ainda estão a trabalhar para determinar o número total de vítimas, revelou Graves na quarta-feira. A CNN falou com quatro hospitais que, em conjunto, receberam 29 pacientes do tiroteio, 19 dos quais com ferimentos de bala.

O Children's Mercy Hospital recebeu 11 crianças com idades compreendidas entre os seis e os 15 anos no local do tiroteio, incluindo nove que foram baleadas, segundo a porta-voz do hospital, Lisa Augustine.

O presidente da Câmara de Kansas City, Quinton Lucas, afirmou que o tiroteio não será esquecido.

"Trata-se absolutamente de uma tragédia como nunca esperávamos em Kansas City e que iremos recordar durante algum tempo", afirmou o presidente da Câmara numa conferência de imprensa na quarta-feira.

Polícia detém pessoa agredida por adeptos

Paul Contreras estava no evento com as filhas quando as pessoas começaram a correr. Depois, viu alguém a mover-se "na direção oposta" e ouviu alguém gritar para o parar, contou Contreras a Erin Burnett, da CNN, na quarta-feira.

Contreras disse que bateu na pessoa por trás e a derrubou, fazendo cair uma arma no chão no processo. Dois outros espectadores intervieram então para ajudar a segurar a pessoa.

"Não se pensa nisso. É apenas uma reação", disse Contreras.

O vídeo mostra a polícia a chegar ao local e a algemar a pessoa, que estava imobilizada no chão.

"Ele esteve sempre a lutar", recorda Contreras à CNN. "E nós estávamos a lutar com ele para o manter no chão."

Não é claro se a pessoa que foi derrubada por Contreras era uma das três pessoas que a polícia de Kansas City disse ter sido detida após o tiroteio.

"Estamos a tentar determinar se uma das três pessoas é a que aparece no vídeo em que os adeptos ajudam a polícia", afirmou Graves aos jornalistas.

'Senti que ia morrer'

A celebração começou com os jogadores dos Chiefs nos autocarros de dois andares, incluindo o MVP do Super Bowl, Patrick Mahomes, a acenar aos adeptos enquanto percorriam a cidade. Alguns jogadores deixaram os autocarros para caminhar pelo percurso do desfile, cumprimentando os fãs ao longo do caminho.

Após o desfile, vários jogadores participaram num discurso pela vitória, brindando à ligação da equipa com a cidade. O evento tinha acabado de terminar quando se ouviram tiros.

Manny Abarca, antigo tesoureiro da Direção da Escola Pública de Kansas City, disse a Laura Coates, da CNN, que ele e a filha de cinco anos tinham saído da zona do palco principal quando ouviram gritos e viram uma multidão de pessoas a correr na sua direção.

"As pessoas estavam a dizer 'armas, polícia, corram'", conta Abarca.

Abarca revela que pegou imediatamente na filha e refugiou-se num restaurante próximo com jogadores dos Kansas City Chiefs, proprietários, familiares e o treinador principal dos Chiefs, Andy Reid.

Abarca disse que a filha entrou em "modo de protesto", dizendo ao pai: "Isto é como um treino".

Por sua vez, Madison Anderes, de 24 anos, disse à CNN que estava no evento com o irmão e a mãe quando ouviram o que a princípio pensaram ser fogos de artifício.

"Ele tem uma arma! Ele tem uma arma!", gritou alguém, antes de ouvir uma segunda ronda de disparos, desta vez significativamente mais altos. "Foi então que se instalou o caos.

Anderes foi atirado ao chão quando toda a gente começou a correr. "Senti que ia morrer, senti-me como um alvo fácil e que ia levar um tiro", disse.

Anderes levantou-se então e correu com o irmão e a mãe para a frente de uma loja, onde cerca de dez outras pessoas estavam amontoadas. Nessa altura, disse ter visto as forças de segurança a entrar no local.

O presidente da Câmara Lucas recorda que estava na Union Station quando o tiroteio aconteceu. "Eu estava dentro da Union Station, ouvimos qualquer coisa, alguns de nós começaram a correr e eu vi um fluxo de polícias a ir exatamente na direção oposta, com as armas em punho, prontos para enfrentar o perigo. Pessoas que responderam de forma absolutamente imediata. Mas gostava que vivêssemos num mundo em que eles não tivessem de fazer isso."

O autarca revela que centenas de agentes estavam no evento, com seguranças colocados em vários locais da zona e no topo de edifícios e, no entanto, várias pessoas foram baleadas "numa questão de momentos".

"Parece que quase nada é seguro e nós tínhamos centenas de agentes da autoridade", afirma o autarca.

Os Kansas City Chiefs afirmaram que os seus jogadores, treinadores e funcionários estão todos a salvo. "Estamos verdadeiramente tristes com o ato de violência sem sentido que ocorreu fora da Union Station no final do desfile e da concentração de hoje", afirmaram os Chiefs em comunicado.

Travis Kelce, estrela dos Kansas City Chiefs, expressou a sua angústia pelo tiroteio.

"Estou destroçado com a tragédia que ocorreu hoje. O meu coração está com todos os que vieram celebrar connosco e que foram afectados. KC, vocês significam o mundo para mim", escreveu Kelce num post no X.

O presidente Joe Biden, numa declaração, afirmou que a vitória no Super Bowl deveria ter sido uma ocasião de alegria.

"O facto de esta alegria se ter transformado em tragédia, hoje, em Kansas City, atinge profundamente a alma americana. Os acontecimentos de hoje deviam comover-nos, chocar-nos, envergonhar-nos e obrigar-nos a agir. De que é que estamos à espera? Que mais precisamos de ver? Quantas famílias mais precisam de ser despedaçadas?"

Jamiel Lynch, Jillian Sykes, Kyle Feldscher, Matias Grez, Amanda Jackson, Raja Razek, Sarah Dewberry, Hannah Rabinowitz, Holmes Lybrand e Sara Smart da CNN contribuíram para este artigo.

E.U.A.

Mais E.U.A.

Patrocinados