Saiba tudo sobre o Euro aqui

«É preciso ser louco para não respeitar um nome como Cristiano Ronaldo»

25 mar, 16:27
Matjaz Kek, selecionador da Eslovénia (AP/Stas Filippov)

Selecionador da Eslovénia realça importância de preparar o Euro 2024 com um jogo contra Portugal e quer melhorias face ao empate no particular em Malta

O selecionador da Eslovénia, Matjaz Kek, salientou a importância de defrontar um adversário como Portugal na preparação para o Euro 2024, frisando que é preciso a sua equipa olhar para si e melhorar em relação ao jogo e ao empate no particular em Malta (2-2), na passada quinta-feira.

«Temos consciência do tipo de adversário que nos espera. No que diz respeito a Portugal, aos seus jogadores e ao treinador, temos de pensar em nós próprios, acima de tudo. Não gostei de muitas coisas em Malta, principalmente na segunda parte. É por isso que temos de estar melhores, até mesmo em relação ao nosso adversário», afirmou Kek, em conferência de imprensa, na manhã desta segunda-feira.

«Fizemos algo bom no passado, mas é passado. Temos de pensar no presente», disse o técnico, em alusão à qualificação para o Euro 2024, no que vai ser o segundo Europeu da Eslovénia (o outro foi em 2000) e nova aparição em fases finais de grandes competições, depois da última, no Mundial 2010 (esteve ainda no Mundial 2002).

«O jogo contra Portugal vai ser muito útil para nós, é um dos favoritos do Europeu. Jogar contra uma equipa destas é sempre bom para comparar, para veres onde é que estás», disse o selecionador, esperando, até mais do que o resultado - que tem a sua importância - que a sua equipa faça um bom jogo.

No lançamento do encontro, Kek foi questionado sobre Cristiano Ronaldo e a preparação dos seus jogadores para o jogo. «Para que ninguém entenda mal: eles sabem como se comportar e o que nós esperamos deles, da mesma forma como nos preparámos para os melhores jogadores do Cazaquistão ou da Finlândia», disse, em alusão aos jogos com os adversários na qualificação.

«Mas nesta profissão é preciso ser louco para não respeitar um nome como Cristiano Ronaldo, que elevou o futebol a um nível superior. Gosto de dar liberdade aos jogadores para tomarem decisões, mas também exijo responsabilidade deles», notou.

Relacionados

Patrocinados