Bilionário indiano tem uma mensagem para os jovens: deviam trabalhar 70 horas por semana

CNN , Diksha Madhok
28 out 2023, 09:30
Narayana Murthy, cofundador da Infosys Ltd., fala na sede da empresa em Bengaluru. Aparna Jayakumar_Bloomberg_Getty Images

Jovens indianos deviam trabalhar 70 horas por semana, diz bilionário fundador de uma empresa de tecnologia

Nova Deli (CNN) - Um dos empresários mais conceituados da Índia acredita que os jovens precisam de trabalhar durante horas excecionalmente longas se quiserem ver o país tornar-se uma potência económica mundial.

N.R. Narayana Murthy, cofundador do gigante do software Infosys, afirmou que a Índia precisa de jovens "altamente determinados, extremamente disciplinados e extremamente trabalhadores", que devem dedicar 70 horas por semana ao trabalho.

"É exatamente o que os alemães e os japoneses fizeram depois da Segunda Guerra Mundial", disse Murthy a Mohandas Pai, antigo diretor financeiro da Infosys, numa conversa publicada no YouTube na quinta-feira.

Murthy, cuja riqueza é estimada em mais de 4 mil milhões de dólares (3,8 mil milhões de euros) pela Forbes, co-fundou a Infosys em 1981. Esta empresa tornou-se uma das maiores empresas de outsourcing do mundo.

É também sogro do primeiro-ministro britânico Rishi Sunak.

"De alguma forma, os nossos jovens têm o hábito de adotar hábitos não tão desejáveis do Ocidente e depois não ajudam o país", afirmou Murthy. "A produtividade do trabalho na Índia é uma das mais baixas do mundo".

Ele acrescentou que os indianos deviam aprender com as políticas que ajudaram outros mercados emergentes, nomeadamente a China.

O magnata da tecnologia disse que os líderes corporativos na Índia deveriam motivar os jovens a "trabalhar muito duro", dizendo-lhes que "pela primeira vez a Índia recebeu certo respeito (globalmente). Chegou o momento de consolidarmos e acelerarmos o progresso".

De acordo com o Fundo Monetário Internacional, a Índia, uma das principais economias do mundo com crescimento mais rápido, deverá registar uma expansão de 6,3% este ano.

Os comentários de Murthy sobre o prolongamento do horário de trabalho surgem numa altura em que se assiste a uma mudança drástica na forma como as pessoas pensam sobre o trabalho no Ocidente e na China.

Desde há alguns anos, muitos jovens na China adoptaram uma nova filosofia a que chamaram "deitar-se", para lutar contra a cultura de trabalho excessivo "996" do país, ou seja, a prática de trabalhar das 9h00 às 21h00 seis dias por semana.

Nos Estados Unidos, a "demissão silenciosa" tornou-se uma tendência no local de trabalho no ano passado: as pessoas decidem deixar de fazer um trabalho que está para lá daquilo para que foram contratadas.

Os comentários de Murthy foram criticados nas redes sociais. Ao longo dos últimos anos, vários inquéritos revelaram que os indianos consideram que estão entre as pessoas mais sobrecarregadas e mal pagas do mundo.

A CNN contactou a Infosys para comentar o assunto.

Negócios

Mais Negócios

Patrocinados