EUA testam míssil hipersónico no Pacífico para fazer frente à China e à Rússia

CNN , Brad Lendon
22 mar, 13:01
As tripulações dos B-52 participam num treino de familiarização com armas hipersónicas na Base Aérea de Andersen, Guam, a 27 de fevereiro de 2024. Sargento Pedro Tenório/Base Aérea de Andersen

A Força Aérea dos EUA testou pela primeira vez um míssil de cruzeiro hipersónico no Pacífico, o que, segundo os analistas, é um sinal para a China de que Washington continua a competir numa arena de armamento em que muitos consideram que Pequim tem uma vantagem distinta.

No dia 17 de março, um bombardeiro B-52 que voava a partir da Base Aérea de Andersen, na ilha de Guam, disparou "um protótipo completo de míssil hipersónico operacional", confirmou um porta-voz da Força Aérea em declarações à CNN.

O teste da arma hipersónica, oficialmente designada por ARRW ("All-Up-Round AGM-183A Air-launched Rapid Response Weapon"), foi realizado no local de testes de Reagan, no Atol de Kwajalein, nas Ilhas Marshall, a quase 2.600 quilómetros a leste de Guam, segundo o comunicado.

Testes anteriores do ARRW foram realizados ao largo do continente americano.

O ARRW é composto por um motor de foguetão e um veículo planador hipersónico, que transporta uma ogiva convencional.

"Destina-se a atacar alvos terrestres de elevado valor e sensíveis ao tempo", segundo um documento do Departamento da Defesa de 2021.

Os veículos planadores hipersónicos viajam a velocidades superiores a Mach 5, ou aproximadamente 6 400 quilómetros por hora, tornando-os difíceis de detetar e intercetar a tempo. Eles também podem manobrar e variar a altitude, permitindo-lhes escapar dos atuais sistemas de defesa antimísseis.

As autoridades norte-americanas já reconheceram que a China e a Rússia estão à frente no desenvolvimento da tecnologia hipersónica.

A China tem vindo a testar veículos planadores hipersónicos que podem transportar ogivas nucleares e convencionais desde 2014, de acordo com a Missile Defense Advocacy Alliance, um grupo de lobby não partidário.

Um general da Força Aérea dos EUA disse em 2021 que a China tinha testado uma arma de veículo planador hipersónico que "deu a volta ao mundo", enquanto a Rússia disparou um míssil de cruzeiro hipersónico Zircon contra a Ucrânia no início deste ano, de acordo com uma agência governamental ucraniana.

A Coreia do Norte também afirma estar a desenvolver armas hipersónicas. A agência noticiosa estatal Korean Central News Agency afirmou na quarta-feira que o líder Kim Jong Un assistiu ao teste de um novo motor para uma arma hipersónica de alcance intermédio na terça-feira.

A especulação de que os Estados Unidos iriam testar um míssil hipersónico no Pacífico surgiu no final de fevereiro, quando um B-52 transportando a arma chegou a Guam para o que um comunicado de imprensa chamou de "treino de familiarização com armas hipersónicas".

Antes do teste, os analistas disseram que a sua presença se destinava a ser vista por Pequim.

"Este teste destina-se a enviar uma mensagem clara a Pequim, nomeadamente de que Washington continua firme no reforço da sua postura estratégica no Pacífico, mesmo no meio de desafios globais concorrentes", disse Craig Singleton, membro sénior da Fundação para a Defesa das Democracias.

"É claro que um teste dos EUA não vai mudar a trajetória hipersónica da China, nem vai resolver as sérias preocupações relativas à perceção da vantagem hipersónica da China", disse Singleton. "Mas reafirma que os EUA não são apenas um observador no domínio hipersónico, são um ator formidável e empenhado em acompanhar o ritmo da China e da Rússia."

A Força Aérea não deu quaisquer pormenores sobre o teste, tais como a velocidade ou a distância a que o ARRW voou ou se atingiu um alvo.

Em vez disso, disse apenas que foram aprendidas lições.

"A Força Aérea adquiriu conhecimentos valiosos sobre as capacidades desta nova tecnologia de ponta", diz o comunicado.

E acrescentou que o ensaio "melhorou as nossas capacidades de teste e avaliação para o desenvolvimento contínuo de sistemas hipersónicos avançados". Mas o futuro do modelo ARRW é incerto, prevendo-se que o teste de domingo seja o último.

Em março passado, os líderes da Força Aérea dos EUA disseram numa audiência no Congresso que não havia planos para adquirir ARRWs para uso em combate.

A Força Aérea solicitou 150 milhões de dólares (137 milhões de euros) para ARRWs no ano fiscal de 2024; no entanto, a Lei de Autorização de Defesa Nacional não autorizou nenhum financiamento para o programa, de acordo com um relatório de fevereiro do Serviço de Pesquisa do Congresso.

Mas Singleton disse que pode ser muito cedo para descartar o ARRW.

"Os sinais sugerem que o Departamento de Defesa pode estar a reconsiderar a sua posição sobre o programa ARRW, sugerindo um potencial renascimento à luz dos avanços hipersónicos da China e da Rússia", disse ele.

O tenente-general da Força Aérea Dale White disse ao Comité do Serviço Armado da Câmara na semana passada que "as futuras decisões de produção do ARRW 'estão pendentes da análise final de todos os dados dos testes de voo'", de acordo com um relatório da revista Air and Space Forces.

Os últimos testes do ARRW ocorreram em agosto e outubro de 2023, mas a Força Aérea deu poucos detalhes sobre o que foi realizado. O primeiro teste bem sucedido do sistema ocorreu em dezembro de 2022.

E.U.A.

Mais E.U.A.

Mais Lidas

Patrocinados