EUA gastam quase 900 mil euros por mês para manter super iate de luxo confiscado a oligarca russo

CNN , Kara Scannell
6 mar, 23:13
O super iate Amadea (Eugene Tanner/AFP/Getty Images via CNN Newsource)

O governo dos EUA está a gastar quase um milhão de dólares (cerca de 900 mil euros) por mês para manter um super iate de luxo confiscado a um oligarca russo sancionado, como parte do esforço do Departamento de Justiça para pressionar o Kremlin.

O Amadea, de 348 pés, foi um dos primeiros troféus reclamados pelos procuradores no âmbito de um esforço da task force para responsabilizar os russos próximos do Kremlin.

O super iate foi apreendido quando estava atracado num porto das Ilhas Fiji, em 2022, por agentes da polícia local e pelo FBI. Os procuradores dos EUA alegam que o seu proprietário, Suleiman Kerimov, que fez fortuna com ouro, violou as sanções dos EUA ao utilizar o sistema bancário dos EUA para cobrir as despesas da embarcação. O iate está ancorado em San Diego.

Agora, os procuradores federais pediram a um juiz autorização para vender o navio, afirmando que as despesas são excessivas e que custou ao governo cerca de 20 milhões de dólares (perto de 18 milhões de euros), de acordo com registos recentes do tribunal.

Uma avaliação recente avalia-o em 230 milhões de dólares (cerca de 211 milhões de euros), de acordo com o US Marshals Service.

É "excessivo" que os contribuintes paguem quase um milhão de dólares por mês para manter o Amadea, quando estas despesas poderiam ser reduzidas a zero através de uma venda interlocutória", escreveram os procuradores num processo apresentado no início deste mês.

Os custos mensais totalizam cerca de 600 mil dólares para manter o iate, mais 144 mil dólares em seguros, de acordo com os registos do tribunal. Com taxas pontuais ocasionais para cobrir as despesas de doca seca, acrescem mais 178 mil dólares por mês, o que coloca a fatura total em 922 mil dólares por mês, segundo os registos.

Eduard Khudainatov e Millemarin Investments apresentaram-se para reclamar o super iate, uma vez que se opõem à venda, considerando que o juiz não a devia permitir até que a sua moção para rejeitar a queixa de confisco civil fosse decidida.

Disseram ao juiz que "se ofereceram para reembolsar o governo pelos custos incorridos com a manutenção do Amadea em troca da sua devolução. Essa oferta mantém-se. A manutenção do Amadea é certamente dispendiosa, e os queixosos nunca pretenderam que os contribuintes americanos suportassem esse ónus. Mas a decisão errada de o apreender foi tomada pelo governo, sabendo quais os custos que os contribuintes americanos teriam de suportar."

Os procuradores disseram que uma decisão sobre essa moção poderia demorar muitos mais meses, aumentando a fatura da manutenção do navio.

E.U.A.

Mais E.U.A.

Mais Lidas

Patrocinados