“É tudo uma mentira”: o primeiro militar russo em serviço a criticar publicamente a invasão da Ucrânia fugiu e conta tudo agora

CNN , Matthew Chance e Rob Picheta
23 ago, 18:00

A justificação de Kremlin para invadir a Ucrânia "é uma mentira", disse um paraquedista militar russo que já tinha condenado publicamente a guerra do seu país na Ucrânia.

Há duas semanas, Pavel Filatyev pronunciou-se contra o conflito num testemunho de 141 páginas publicado na sua página na rede social VKontakte, fugindo depois da Rússia. É o primeiro militar russo em serviço a criticar publicamente a invasão da Ucrânia e a abandonar o país.

Agora, conta à CNN que os seus companheiros tropas estão cansados, famintos e dececionados e que o esforço de guerra de Kremlin está "a destruir vidas".

"Nós sabíamos que estávamos a ser arrastados para um conflito sério onde estaríamos a destruir cidades e não a lutar por uma causa importante”, Filatyev disse a Matthew Chance da CNN. A CNN decidiu não revelar o local da entrevista a fim de garantir a segurança do entrevistado.

"A maior parte de nós não compreende a razão que o nosso governo está a tentar explicar-nos. Que tudo isto é uma mentira", disse ele. "Estamos simplesmente a destruir vidas. Isto influenciou imensamente a nossa moral. A sensação de que não estamos a fazer nada de bom".

Filatyev prestou serviço no 56º regimento de assalto aéreo da Rússia

Filatyev, 33 anos, disse à CNN que a "corrupção" e a repressão são constantes no seu país de origem e referiu que a sua unidade, que era sediada na Crimeia e enviada para a Ucrânia entrando por Kherson no início do conflito, estava mal equipada e pouco esclarecida sobre a invasão russa.

De acordo com Filatyev, os soldados e os seus comandantes não sabiam o que se esperava que fizessem na Ucrânia. Acrescentou que rapidamente se aperceberam das razões do governo para a sua invasão, após chegarem a Kherson e enfrentarem a resistência dos locais que não queriam ser "libertados".

O paraquedista prestou serviço no 56º regimento de assalto aéreo russo e também esteve envolvido nas tentativas de tomar a cidade de Mykolaiv. Foi retirado da linha da frente devido a um ferimento.

Disse à CNN que o exército russo não tinha equipamento básico, assim como drones e outros tipos de aeronaves não tripuladas durante a sua presença na linha da frente.

"Os nossos quartéis têm cerca de 100 anos e não podem acolher todos os nossos militares... todas as nossas armas são da época do Afeganistão", disse ele.

"Vários dias depois de termos cercado Kherson, muitos de nós não tínhamos comida, água ou sacos de dormir", disse ele. "Não conseguíamos dormir por causa do frio que estava durante a noite. Arranjámos algum lixo e alguns trapos só para nos embrulharmos e mantermo-nos quentes".

A tomada de Kherson foi um sucesso militar importante no início da Rússia. A Ucrânia está agora a combater para reconquistar a cidade à medida que a luta se desloca cada vez mais para o sul do país.

Mas Filatyev disse que tem dificuldade em compreender a visão do Presidente russo Vladimir Putin, que lançou a invasão da Ucrânia há quase seis meses e viu as suas tropas presas. Um conflito que revelou ser muito desgastante e dispendioso.

"Agora que saí dali e sem uma arma, penso que isto é a coisa mais estúpida e terrível que o nosso governo poderia ter feito", disse ele. "Não sei para onde o governo nos está a levar. Qual é o próximo passo? Uma guerra nuclear?"

Filatyev foi retirado das linhas da frente devido a um ferimento.

"Estou a ver o que está a acontecer ao meu país e estou aterrorizado. Está tudo destruído, corrupto", disse ele à CNN. "As únicas leis que funcionam bem são as repressivas".

Filatyev fugiu da Rússia depois de ter feito algumas entrevistas aos meios de comunicação social. Porém, ele insinuou que o Kremlin pode vir a vingar-se pela sua posição pública.

"Ou serei colocado na prisão... ou vão simplesmente silenciar-me, matando-me". Houve muitos casos como este no passado", disse ele.

"Não vejo qualquer outra saída. Se acontecer, acontece".

Europa

Mais Europa

Patrocinados