“A China tem de se afastar de Putin devido à escalada da guerra, à anexação e à ameaça de guerra nuclear”

CNN , Nectar Gan
24 set, 19:53
Vladimir Putin e Xi Jinping

ANÁLISE. Rússia levanta o espectro nuclear na Ucrânia - e a China olha para o outro lado

Quando o Presidente russo, Vladimir Putin, se encontrou com o líder chinês Xi Jinping no Uzbequistão na semana passada, o ambiente era visivelmente diferente do do seu encontro triunfante em Pequim, semanas antes da invasão russa da Ucrânia.

No dia da abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno já não se falava da sua declarada amizade “sem limites”. Em vez disso, Putin admitiu que Pequim tinha “perguntas e preocupações” sobre a sua vacilante invasão, num aceno subtil aos limites do apoio da China e da crescente assimetria na sua relação.

Na leitura chinesa do encontro, Xi nem sequer houve referência à tão anunciada “parceria estratégica” entre Pequim e Moscovo, observou Shi Yinhong, professor de relações internacionais da Universidade Renmin, em Pequim. Foi “a declaração mais prudente ou a mais discreta em anos” emitida por Xi sobre a sua relação estratégica, segundo Shi.

A mudança de tom não surpreende, dada a série de derrotas humilhantes da Rússia no campo de batalha, que expôs a fraqueza de Putin tanto aos seus amigos como aos seus inimigos. Estes contratempos vêm em má altura também para Xi, que está a apenas semanas de procurar um terceiro mandato numa reunião política chave.

Sob a liderança de Xi, a China forjou laços cada vez mais estreitos com a Rússia. Já confrontado com os males internos de uma economia em abrandamento e com a sua política implacável de “zero Covid”, Xi precisava de uma projeção de força, e não de vulnerabilidade, na sua aliança estratégica apoiada pessoalmente.

Seis dias mais tarde, numa escalada desesperada desta guerra devastadora, Putin anunciou num discurso televisivo uma “mobilização parcial” de cidadãos russos, e até levantou o espectro da utilização de armas nucleares.

Não se sabe se Putin debateu a sua planeada escalada com Xi durante as suas últimas conversações, tal como continua em aberto saber se Putin tinha contado a Xi sobre a sua planeada invasão da última vez que se encontraram em Pequim.

Para alguns analistas chineses, os reveses e a escalada da guerra de Putin ofereceram à China uma oportunidade de se afastar da Rússia - uma mudança subtil que começou no encontro de Xi com Putin.

“A China não tem outra escolha senão afastar-se um pouco mais de Putin, devido à sua escalada de guerra, à sua agressão e anexação, e à sua renovada ameaça de guerra nuclear”, disse Shi, da Universidade de Renmin.

“A China não tem querido que este amigo ignorado combata. O que pode ser o seu destino no campo de batalha não é de modo algum um assunto controlável pela China".

Mas outros são mais céticos. A confissão aberta de Putin quanto às apreensões de Pequim não assinala necessariamente uma clivagem entre os dois aliados diplomáticos; em vez disso, poderá ser uma forma de a China ganhar algum espaço de manobra diplomática, especialmente dada a forma como o seu apoio tácito à Rússia prejudicou a imagem de Pequim na Europa, diz Theresa Fallon, diretora do Centro de Estudos para a Rússia Europa Ásia, em Bruxelas.

“A minha impressão era de que Pequim só queria uma pequena frincha de luz entre a China e a Rússia, mas penso que muitos sobrestimaram isso”, diz. “Penso que isso foi [projetado] mais para um público europeu”.

“Para os interesses a longo prazo da China, eles têm de manter a Rússia a bordo", acrescenta Fallon.

As duas potências autoritárias estão estrategicamente alinhadas na sua tentativa de contrabalançar o Ocidente. Ambos os líderes partilham uma profunda desconfiança e hostilidade para com os Estados Unidos, que acreditam estarem inclinados a manter a China e a Rússia em baixo. E partilham também uma visão para uma nova ordem mundial - uma visão que acomoda melhor os interesses das suas nações e que já não é dominada pelo Ocidente.

Dias depois da reunião entre Xi e Putin, o Secretário do Conselho de Segurança russo, Nikolai Patrushev, e o diplomata de topo da China Yang Jiechi realizaram conversações sobre segurança na província de Fujian, no sul da China, jurando “implementar o consenso” alcançado pelos seus líderes, aprofundar a sua coordenação estratégica e aprofundar a cooperação militar.

Os dois países estão também a procurar aprofundar os laços económicos, prevendo-se que o comércio bilateral atinja 200 mil milhões de dólares “num futuro próximo”, segundo Putin.

“Penso que não vimos abrir-se uma grande cisão entre a Rússia e a China”, afirma Brian Hart, do Projecto China Power no Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais.

“Vejo isto como uma continuação da China a tentar caminhar na sua linha ténue sobre a Rússia e a certificar-se de que continua a apoiar a Rússia na medida do possível sem infringir os seus próprios interesses”.

Até agora, Pequim tem cuidadosamente evitado ações que violariam as sanções ocidentais, tais como prestar ajuda militar direta a Moscovo. Mas apresentou uma linha de salvação para a economia russa, intensificando a compra do seu combustível e energia - a um preço de pechincha. As importações de carvão russo pela China em agosto aumentaram 57% em relação ao mesmo período do ano passado, atingindo um pico de cinco anos; as suas importações de petróleo bruto também aumentaram 28% em relação a um ano antes.

Depois de Putin ter chamado os reservistas do exército para se juntarem à guerra na Ucrânia, Pequim continuou a percorrer a linha ténue, reiterando a sua posição há muito defendida a favor do diálogo para resolver o conflito.

Quando questionado sobre a possível utilização de armas nucleares pela Rússia, num briefing noticioso na quarta-feira, um porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês ignorou a questão.

“A posição da China sobre a crise da Ucrânia tem sido consistente e clara”, disse o porta-voz Wang Wenbin. “Apelamos às partes relevantes para que alcancem um cessar-fogo através do diálogo e da negociação, e encontrem uma solução que acomode as legítimas preocupações de segurança de todas as partes o mais rapidamente possível”.

Também na quarta-feira, o ministro dos Negócios Estrangeiros chinês, Wang Yi, encontrou-se com o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergey Lavrov, à margem da Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova Iorque.

De acordo com a leitura chinesa, Wang salientou que a China continuaria a “manter a sua posição objetiva e imparcial” e a “exercer pressão para negociações de paz” sobre a questão da Ucrânia.

Mas essa “posição imparcial” foi divulgada no noticiário noturno da televisão estatal chinesa CCTV, o programa noticioso mais visto na China.

Depois de uma breve reportagem sobre a “mobilização parcial” de Putin - sem qualquer menção aos protestos na Rússia ou a condenações internacionais -, o programa citou um observador internacional que atribuía as culpas diretamente aos EUA por “continuarem a alimentar o conflito entre a Rússia e a Ucrânia”.

“O conflito entre a Rússia e a Ucrânia deve ser resolvido através de diálogo. Mas os EUA continuam a fornecer armas à Ucrânia, o que torna impossível pôr fim ao conflito e agrava a situação”, declarou nas imagens um antigo conselheiro de defesa nacional em Timor-Leste. “As sanções desencadeadas pelo conflito têm repercussões em todo o mundo... Os preços do petróleo em Timor-Leste também subiram muito. Também nós estamos a sofrer as consequências”.

Estes comentários estão em consonância com a narrativa russa que os funcionários chineses e os meios de comunicação estatais têm estado ocupados a promover ao longo dos últimos meses - que os EUA instigaram a guerra, expandindo a NATO até às portas da Rússia, encurralando Moscovo a um canto.

O principal fator que impulsiona o alinhamento estratégico entre a Rússia e a China é a perceção das ameaças dos Estados Unidos, disse Hart.

“Enquanto essa variável permanecer constante, enquanto Pequim continuar a preocupar-se com os Estados Unidos, penso que continuará a reforçar os laços com a Rússia”, concluiu Hart.

 

Europa

Mais Europa

Patrocinados