Um homem de joelhos oferece à sua amada uma caixa de ovos em vez de um anel: uma história sobre o estado da Rússia

CNN , Tim Lister
29 jan, 19:57
Putin

ANÁLISE || A economia russa ficou subitamente deformada - a produção militar está a sugar recursos

A Rússia gaba-se de estar a vencer as sanções, mas as perspectivas a longo prazo são sombrias

Embora as sanções ocidentais ainda não tenham paralisado totalmente a economia russa, as perspectivas a longo prazo para o Presidente Vladimir Putin estão longe de ser animadoras.

O Presidente russo tem-se vangloriado da resistência da Rússia às sanções internacionais e da sua suposta resiliência económica, apesar dos esforços dos Estados Unidos e dos seus parceiros do G7 para sufocar as receitas do petróleo de Moscovo e privá-la de tecnologia militar.

Num acontecimento recente, Putin ironizou sobre as economias europeias: "Nós temos crescimento e eles têm declínio... Todos eles têm problemas que não se comparam aos nossos".

É verdade que, à medida que se aproxima o segundo aniversário da invasão total da Ucrânia pela Rússia, o Estado russo está a ganhar milhares de milhões com as exportações de petróleo e de diamantes, as suas fábricas militares estão a trabalhar em pleno e muitos bancos russos ainda podem aceder ao sistema financeiro internacional.

A Rússia adaptou-se ao vasto leque de sanções impostas pelos países ocidentais. Longe de se vergar sob o seu peso, a economia russa está, de facto, 1% maior do que era na véspera da invasão.

Mas as perspectivas a longo prazo são muito menos animadoras. A guerra está a distorcer a economia e a sugar recursos para a produção militar a um ritmo insustentável.

A Rostec, uma empresa de defesa estatal russa, quintuplicou a produção de veículos blindados até novembro, de acordo com o seu presidente, Sergei Chemezov. A produção de munições e drones registou um aumento semelhante.

"Aumentámos a produção de munições para armas de fogo e MLRS [sistemas de foguetes de lançamento múltiplo] em 50 vezes", disse Chemezov a Putin numa reunião no Kremlin em dezembro.

Mas construir coisas para serem destruídas no campo de batalha não é um caminho para o sucesso económico.

Um tanque russo destruído perto de uma catedral na cidade de Sviatohirsk, na região de Donetsk, Ucrânia, abril de 2023. Scott Peterson/Getty Images

Um jogo do gato e do rato

Desde fevereiro de 2022, os governos ocidentais têm procurado reduzir as receitas da Rússia provenientes das exportações de energia e minerais e privá-la de tecnologia e financiamento, prejudicando a sua capacidade de fazer a guerra.

Neste processo, impuseram sanções a mais de 15 mil entidades e indivíduos russos, de acordo com uma base de dados criada pelo Conselho Atlântico.

Mas as sanções levam tempo a produzir efeitos. Ainda há muitos clientes para aquilo que a Rússia faz melhor - vender petróleo e outras matérias-primas. Grande parte da Ásia não aderiu às sanções, proporcionando à Rússia mercados prontos para o seu petróleo, bem como equipamento de alta tecnologia, outrora comprado ao Ocidente. A Índia e a China representam atualmente 90% das exportações russas de petróleo, segundo o vice-primeiro-ministro Alexander Novak.

E à medida que a guerra foi evoluindo, também evoluíram as técnicas russas para escapar às sanções.

Na tentativa de limitar os lucros russos com o petróleo, os países do G7 anunciaram que os navios e as seguradoras ocidentais só poderiam ser utilizados quando o preço do petróleo fosse inferior a 60 dólares por barril. Assim, a Rússia desenvolveu uma nova rede de transportadores para contornar as restrições e continuar a vender à Índia e à China.

Com a descida dos preços globais do petróleo bruto no final de 2023, as receitas russas também diminuíram, mas ainda assim atingiram 15,2 mil milhões de dólares (cerca de 14 mil milhões de euros) só em novembro.

A Rússia está a movimentar 71% das suas exportações de petróleo através de uma frota fantasma crescente

O grupo de reflexão do Conselho Atlântico, que acompanha o impacto das sanções, considera que a Rússia está a movimentar 71% das suas exportações de petróleo através de uma frota fantasma crescente, cujos detalhes de propriedade e registo são camuflados.

Em setembro, a Windward, uma empresa de análise de transportes marítimos, calculou que cerca de 1400 navios tinham sido utilizados para transportar petróleo russo, desafiando as sanções ocidentais, muitos dos quais navegavam sem seguro.

Christine Abely, autora de "The Russia Sanctions: The Economic Response to Russia's Invasion of Ukraine", diz que o limite do preço do petróleo "tornou-se sujeito a uma evasão mais generalizada ao longo do tempo, tanto devido à violação direta dos termos do limite como pela construção pela Rússia da sua própria frota sombra para transportar petróleo".

As autoridades ocidentais estão a procurar formas de combater esta evasão. Em outubro, o Departamento do Tesouro dos EUA sancionou empresas registadas na Turquia e nos Emirados Árabes Unidos por transportarem crude russo vendido acima do preço máximo.

Mas, no mundo opaco da marinha mercante, é difícil reprimir a evasão.

Além disso, observa o Conselho do Atlântico, a maioria dos bancos russos mantém acesso ao SWIFT - um serviço de mensagens que liga instituições financeiras de todo o mundo - permitindo-lhes efetuar transacções internacionais e liquidar pagamentos transfronteiriços. Apenas alguns bancos foram desligados da plataforma no âmbito das sanções.

O grupo de reflexão também calcula que a Rússia importou mais de 900 milhões de dólares (832 milhões de euros) em tecnologia de campo de batalha e de dupla utilização por mês no primeiro semestre de 2023.

A Agência Nacional do Crime do Reino Unido disse recentemente: "A Rússia está a tentar adquirir bens sancionados pelo Reino Unido através de países intermediários ... usando cadeias de abastecimento complexas e rotas de abastecimento alternativas para adquirir produtos sancionados."

Uma análise do Financial Times de dados oficiais russos revelou que, como o acesso a ferramentas de precisão do Ocidente foi vedado, a Rússia aumentou dez vezes as importações de máquinas-ferramentas avançadas conhecidas como controlo numérico computorizado (CNC) da China. As empresas de Taiwan e da Coreia do Sul também venderam este tipo de ferramentas, que podem ser utilizadas na indústria militar, segundo o FT.

A Rússia tem utilizado, com crescente confiança, intermediários que ocultam o destino final e a utilização final de artigos que vão desde rolamentos de esferas a equipamento de navegação. O Tesouro dos EUA está a tentar acompanhar o ritmo, diz Abely, perseguindo esses intermediários. No mês passado, sancionou várias empresas turcas; foram também sancionadas empresas chinesas e dos Emirados Árabes Unidos.

É um processo moroso, mas que aumenta os custos para a Rússia. "As sanções restringiram o acesso da indústria militar russa a tecnologia sofisticada e a Rússia foi forçada a pagar um prémio por substitutos provenientes de outros mercados", afirma o Banco da Finlândia num relatório recente. O relatório estima que o custo para a Rússia dos produtos chineses úteis para o seu esforço de guerra aumentou 78% entre 2021 e 2023.

As sanções contra indivíduos, incluindo o congelamento dos seus bens e a confiscação de mega-iates, não conduziram a uma onda de oposição ao Kremlin ou mesmo à guerra entre as elites, embora alguns oligarcas tenham manifestado a sua oposição (a partir de praias estrangeiras relativamente seguras). Muito poucos dos seus bens foram confiscados pelos países ocidentais - e o Kremlin deu-lhes uma escolha clara: apoiar a pátria ou perder tudo.

O super iate "Nord", que se crê pertencer ao oligarca russo sancionado Alexei Mordashov, é visto em Hong Kong a 7 de outubro de 2022. Noemi Cassanelli/CNN

Há poucos sinais de que os russos comuns tenham sido afectados de forma drástica pelas sanções ocidentais.

Embora seja muito mais difícil para os russos visitarem a Europa, centenas de milhares de pessoas tiram férias na Turquia, no Egipto e na Tailândia. A indústria de viagens russa informou que os turistas russos fizeram sete milhões de viagens ao estrangeiro nos primeiros nove meses do ano passado, um aumento de 50% em relação ao mesmo período de 2022.

As lojas de artigos de luxo em Moscovo estão cheias de produtos ocidentais, muitos dos quais vêm de países terceiros como o Cazaquistão.

Algumas sanções já estão a ter um impacto nos consumidores. A companhia aérea russa S7 afirmou, em dezembro, que cerca de 20% dos seus aviões foram imobilizados porque os motores fabricados nos EUA não podem ser reparados, o que levou a menos voos e a cortes de pessoal.

De acordo com a Comissão Europeia, as sanções terão um impacto a longo prazo na economia russa. Numa avaliação publicada em meados de 2023, o braço executivo da União Europeia afirmou que os efeitos "se intensificarão ainda mais ao longo do tempo, uma vez que as medidas têm um impacto estrutural e de longo prazo no orçamento da Rússia, nos mercados financeiros, no investimento estrangeiro e na sua base industrial e tecnológica".

Um alto funcionário dos EUA, Geoffrey Pyatt, disse recentemente ao Financial Times: "Isto é algo que vamos ter de manter nos próximos anos, enquanto Putin persistir nesta guerra".

De acordo com Rachel Lyngaas, economista-chefe de sanções do Tesouro dos EUA, os líderes russos "enfrentam compromissos cada vez mais dolorosos que sacrificarão as perspectivas de longo prazo - uma vez que o subinvestimento, o crescimento lento da produtividade e a escassez de mão de obra só se aprofundarão".

Assim, embora a Rússia possa ter até agora subvertido o impacto das sanções, estas contribuirão para um prognóstico sombrio a longo prazo.

Um futuro sombrio

O custo da guerra na Ucrânia já está a ter um efeito profundo. Em 2024, a Rússia deverá dedicar 40% do seu orçamento ao sector militar, ou seja, 8% do rendimento nacional.

Sectores como a educação e os cuidados de saúde são afectados, à medida que mais recursos são canalizados para o esforço de guerra.

O Banco da Finlândia afirma que o crescimento económico apregoado por Putin provém de "ramos de tecnologia relativamente baixa, como a produção de metais manufacturados, em que a Rússia depende menos das importações e, por conseguinte, é menos afetada pelas sanções ocidentais".

"O atual enfoque na produção militar desviou recursos das indústrias civis da Rússia, tornando mais difícil confiar em ramos que normalmente formam a espinha dorsal das economias avançadas para proporcionar um crescimento a longo prazo".

Por sua vez, este facto agravou problemas como a escassez de mão de obra e a inflação.

O resultado é que a economia russa está a sobreaquecer. O desemprego é inferior a 3%, de acordo com os números oficiais, o que constitui um recorde na Rússia pós-soviética.

 

Um agente da polícia guarda a entrada da sede do Banco Central da Rússia em Moscovo, em julho de 2023. Alexander Nemenov/AFP/Getty Images

Oficialmente, a inflação situa-se em cerca de 7%, mas a presidente do banco central russo, Elvira Nabiullina, sugeriu em dezembro que estava a aumentar novamente, alimentada pelas ajudas em dinheiro aos soldados e suas famílias, bem como pelo elevado endividamento dos consumidores. Em setembro de 2023, o crédito ao consumo para hipotecas subsidiadas era quase 50% superior ao do ano anterior.

Em resposta, o banco central aumentou a sua taxa de juro directora de 7,5% para 16% em apenas seis meses. Nabiullina afirmou que a economia russa é como um carro a tentar andar demasiado depressa. "Pode andar, pode até ser rápido, mas não por muito tempo", afirmou.

Um terço das empresas russas inquiridas no outono passado disse que já não podia pagar novos empréstimos devido ao aumento dos custos dos empréstimos. Entretanto, o governo concedeu empréstimos subsidiados no valor de milhares de milhões a grandes empresas estatais e a consumidores que querem comprar propriedades, agravando ainda mais a inflação.

Estes problemas são exacerbados por uma escassez crónica de competências causada pelo custo humano da guerra e pela emigração de dezenas de milhares de jovens profissionais. De acordo com as agências de recrutamento, mais de 80% das empresas russas têm dificuldade em encontrar e manter trabalhadores qualificados. Este facto, por sua vez, reduziu a produtividade.

A grande escassez de ovos na Rússia é uma das consequências desta economia subitamente deformada. O preço dos ovos subiu 40% num ano, provocando queixas nas redes sociais e um meme em que um homem de joelhos oferece à sua amada uma caixa de ovos em vez de um anel. Ela recusa, dizendo que é demasiado caro.

Os produtores não conseguem financiar as importações de frangos e têm falta de mão de obra, ao mesmo tempo que os seus custos estão a subir em flecha. Putin foi questionado sobre o preço dos ovos na sua recente conferência de imprensa de fim de ano, mas deu apenas garantias vagas de que o problema estava a ser resolvido.

A economia é ainda mais distorcida pela crescente dependência da Rússia em relação à China para a tecnologia e como cliente do seu petróleo e gás. Quase metade das importações russas provêm atualmente da China. Para Putin, trata-se de uma parceria florescente; Pequim pode encará-la como uma dependência crescente. Mas se a venda de componentes à Rússia puser em risco o acesso a mercados muito maiores no Ocidente, Pequim poderá mudar de ideias.

Apesar das proclamações de Putin, o Estado russo tem uma dependência primitiva das matérias-primas, especialmente do petróleo, para as suas receitas. As marcas de consumo russas estão muito atrasadas em relação às do Ocidente e da China. Quem, por exemplo, compraria um computador portátil ou um frigorífico de fabrico russo?

O impacto a longo prazo das sanções internacionais irá agravar estas distorções.

A Agência Internacional da Energia previu que as exportações russas de petróleo e de gás poderão diminuir 40% a 50% nos próximos sete anos, à medida que o equipamento não for substituído e o investimento estrangeiro for impedido. Para isso, os Estados Unidos anunciaram recentemente sanções contra um projeto russo de gás natural liquefeito, o Arctic LNG-2, pondo essencialmente de sobreaviso qualquer entidade que possa comprar o gás aí produzido.

"É improvável que as sanções, pela sua natureza, desencadeiem uma mudança de regime ou perturbem totalmente a estratégia militar da Rússia", disse Abely à CNN, mas têm o "potencial, a longo prazo, de alterar a trajetória da economia russa, limitando o investimento direto estrangeiro e afectando o desenvolvimento tecnológico".

As sanções têm a ver com a redução das capacidades de Moscovo. Com o tempo, vão prejudicar.

Mas, entretanto, a Rússia tem a vantagem da dimensão da produção sobre a sua vizinha muito mais pequena, a Ucrânia, em tudo, desde a produção de projécteis de artilharia (e agora de drones) a reservas de mão de obra. O melhor que a Ucrânia pode fazer (e apenas enquanto o pipeline de tecnologia ocidental continuar a bombear) é lutar contra a máquina de guerra do Kremlin até à paralisação. E esperar que as falhas económicas da Rússia se agravem mais depressa do que a maioria espera.

 

Anna Chernova, da CNN, contribuiu para este artigo.

Europa

Mais Europa

Mais Lidas

Patrocinados