Morreu Maria de Lourdes Modesto, referência da gastronomia portuguesa

19 jul, 16:56
Maria de Lurdes Modesto. Foto: Wook

Tinha 92 anos

Maria de Lourdes Modesto, apresentadora de programas de televisão e autora do livro "Cozinha Tradicional Portuguesa", que se tornou uma referência da culinária, morreu esta terça-feira. Tinha 92 anos e estava hospitalizada há vários dias. 

Nos últimos anos, devido aos problemas de saúde, mostrava-se cada vez menos. Ainda assim, em maio do ano passado editou, com a Leya, aquele que viria a ser o seu último livro, “Coisas que Eu Sei”, um livro de receitas, mas também de dicas para quem quer cozinhar. Esse foi sempre o grande talento de Maria de Lourdes Modesto: ensinar. 

De Beja, onde nasceu a 1 de junho de 1930, para Lisboa, foi como professora de trabalhos manuais do Liceu Francês que as câmaras de televisão se apaixonaram por ela. Primeiro, com uma reportagem, depois com os seus programas de televisão onde dava a conhecer pratos da cozinha internacional e, por outro lado, da cozinha tradicional portuguesa de que se tornou embaixadora, porta-voz ou, “a grande referência da gastronomia portuguesa", nas palavras do editor do seu último livro, Francisco Camacho.

A televisão trouxe-lhe notoriedade e do contacto com os espectadores percebeu que existiam em Portugal inúmeras formas de cozinhar os mesmos pratos. As informações que lhe faziam chegar deram origem a um concurso de culinária e foram o ponto de partida para “Cozinha Tradicional Portuguesa”, o mais conhecido dos seus livros, aquele que ainda hoje se encontra em muitas estantes das casas portuguesas. 

Depois da televisão, continuou a editar livros de receitas e criou receitas com o patrocínio da Fima-Lever (atual Unilever) para a margarina Vaqueiro. Entre os amantes da cozinha portuguesa crescia a sua popularidade.

Fernando Melo, crítico da gastronomia, conheceu-a de perto. “Quando ela tinha 58 anos já era velha. Sempre foi uma pessoa que inspirou mais idade do que a que tinha”, diz. “Soube sempre acompanhar os tempos, estar sempre na crista da onda”.

O crítico recorda à CNN Portugal como, numa entrevista, quando lhe perguntou qual era o seu livro preferido, Maria de Lourdes Modesto se levantou e foi buscar um exemplar de “Receitas Escolhidas”. Nesse livro também não se limitava a dar receitas, mas explicava, também, técnicas de culinária (coisas como desossar uma galinha é uma delas) explicadas com desenhos. “Isto está um trabalhinho muito bem feito”, disse a gastrónoma. 

Em 1987, o New York Times dedicou um texto a Maria de Lourdes Modesto. Chamam-lhe Julia Child portuguesa (a professora, autora e apresentadora de televisão que popularizou a cozinha francesa nos EUA), ela conta a sua história. De como saiu da terra natal para o curso de Economia Doméstica pensando em trabalhos manuais e como se viria a interessar pela cozinha, algo que não estava nos seus planos, apesar de conhecer pratos tradicionais e da mãe exímia cozinheira. 

Marcelo e Costa recordam a grande comunicadora

Conta também ao jornal norte-americano que 1958 foi o seu ano de sorte. Além do programa de televisão, conseguiu uma bolsa de estudo para estudar na Sorbonne, em Paris, tornou-se consultora da Fima-Lever e conheceu o marido. Num país sério, dizia que se tinha destacado porque as pessoas achavam que era engraçada. 

Numa mensagem de pesar, o Presidente da República lembra a "grande comunicadora" que foi Maria de Lourdes Modesto", referindo que "se tornou numa figura muito simpática e popular" da televisão portuguesa "através do programa de culinária que apresentava e que, em vários aspetos, era inovador para a época". "Foi também autora e tradutora de livros de referência na arte culinária, recolhendo receitas e inovando noutras", acrescenta-se na mesma nota, publicada no sítio oficial da Presidência da República na Internet.

Marcelo Rebelo de Sousa assinala aiinda que Maria de Lourdes Modesto foi condecorada com o grau de comendadora da Ordem do Mérito em 2004, pelo então Presidente da República, Jorge Sampaio. 

Também o primeiro-ministro considera que a cozinha portuguesa perdeu uma das figuras mais respeitadas e populares, salientando o seu trabalho de recolha de receitas originárias de todo o país.

“A cozinha portuguesa perdeu hoje uma das suas figuras mais populares e respeitadas. Dos simples amadores aos mais refinados chefs, todos aprenderam com Maria de Lourdes Modesto”, escreveu António Costa na rede social Twitter.

Na mesma mensagem, o primeiro-ministro destacou o trabalho recolha que Maria de Lourdes Modesto fez de receitas originárias de todo o país.

“Esteve na origem daquela que é, justamente, a bíblia da cozinha tradicional portuguesa. Transmito as minhas sentidas condolências aos seus familiares e amigos”, acrescentou.

Sem missa nem velório, por vontade de Maria de Lourdes Modesto, a cremação terá lugar na sexta-feira, às 16:00, no crematório de Alcabideche, segundo fonte da família à CNN Portugal.

Gastronomia

Mais Gastronomia

Na SELFIE

Patrocinados