5 tira-teimas da reciclagem: será que são verdade?

Conteúdo patrocinado
10 dez 2021, 20:05
Minuto R:
Minuto R:

Os camiões quando estão a recolher os resíduos dos ecopontos não misturam tudo, não é preciso lavar as embalagens, nem os materiais reciclados têm menos qualidade. Vamos acabar com estas teimas (e não só) que persistem?

Há muitos motivos pelos quais a população ainda não recicla. A falta de hábito (50,3%) é o principal, segundo o estudo “Hábitos de Reciclagem”, da Novo Verde, relativo ao primeiro trimestre de 2019. De seguida, a falta de ecopontos perto de casa (44,6%) e, em terceiro lugar, por não acreditarem que os resíduos sejam efetivamente reciclados (26,4%). Para desmistificar este tema, vamos tirar as teimas de quem ainda não acredita que a reciclagem é real e qual a sua contribuição para o futuro do planeta Terra.

1ª Teima: “Nós separamos, eles misturam”

“Não faz sentido separar o lixo reciclável, porque é tudo misturado nos camiões que fazem a recolha do lixo para a reciclagem.”

Quantas vezes já ouviu este argumento? É uma das teimas mais comuns (e falsas), que surgiu porque em muitos casos há apenas um camião para recolher os resíduos do ecoponto, criando a falsa ilusão de que é tudo misturado. Mas não acredite.

Tira-teimas: Só porque vemos os ecopontos de diferentes materiais/cores a serem descarregados para o mesmo camião, não significa que a divisão não seja feita. Os transportes que fazem a recolha dos resíduos recicláveis (ecoponto)podem ter diferentes compartimentos, um para cada material (papel/cartão e plástico/metal). Ou seja, o camião pode transportar papel e cartão num compartimento e plástico e metal noutro.

Atualmente, as recolhas são realizadas por materiais/cores do ecoponto, pelo que o mesmo camião pode regressar ao mesmo local, após descarregar a primeira carga no centro de triagem. De uma forma ou de outra, os materiais não são misturados.

Após recolher o plástico, cartão e vidro dos ecopontos, o camião dirige-se à central de triagem, onde é feita uma seleção mais rigorosa por tipo de material. Este processo é feito de forma mecânica ou manual, e só depois as embalagens (já separadas) seguem para as empresas recicladoras. “Ah, então é agora que o lixo é todo misturado!”. Não. Cada tipo de material tem a sua linha de triagem, com base na separação feita por todos nós, nos ecopontos. A saber:

  • Embalagens do ecoponto azul. O lixo é depositado na central e segue para os tapetes de triagem, onde é separado o papel do cartão. São feitos fardos, que depois se encaminham para a unidade de reciclagem.
  • Embalagens do ecoponto amarelo. Logo à partida, é feita a separação entre as embalagens de plástico e as de metal. Por sua vez, as embalagens de plástico subdividem-se em diversas categorias, como: garrafas de refrigerantes, embalagens que continham alimentos líquidos (ECAL), sacos de plástico, detergentes e cosméticos. Após a triagem manual e automática destas embalagens, as mesmas são compactadas em fardos para transporte para as unidades de reciclagem, onde serão transformadas em matérias-primas para novos produtos.
  • Embalagens do ecoponto verde. O vidro recolhido é depositado numa numa plataforma própria para seguir para reciclagem, onde será descontaminado e reciclado.

2ª Teima: “É necessário lavar as embalagens”

“Reciclar dá muito trabalho, porque é preciso lavar bem as embalagens antes de as colocar no ecoponto.”

É-lhe familiar? Tem algum amigo que teima em dizer isto? Pois bem, é falso.

Tira-teimas: A resposta é simples: não é preciso lavar as embalagens, nem retirar rótulos ou tampas, antes de as colocar no ecoponto para reciclagem. Aliás, esta é uma prática desaconselhada, pois implica um gasto desnecessário de água - um bem precioso e finito.

Lavar as embalagens é um desperdício de água, tempo e dinheiro, uma vez que estes resíduos são lavados, antes de sofrerem o processo de reciclagem. Deve, no entanto, limpar ao máximo o seu conteúdo para não contaminar outras embalagens e, também, para evitar maus cheiros enquanto ainda estão armazenadas em casa.

Alguns cuidados que pode, e deve ter antes de colocar as embalagens no ecoponto são:

  • Escorrer bem a embalagem para eliminar o máximo de resíduos;
  • Espalmar, sempre que possível, as embalagens, para que ocupem menos espaço nos ecopontos e nos camiões. Desta forma, aumenta o número de embalagens transportadas por operação de recolha, diminuindo os custos e o impacto ambiental inerentes;
  • Colocar as embalagens individualmente no ecoponto e não em sacos fechados. Assim, facilita a separação na estação de triagem;
  • Colocar no ecoponto correspondente: as embalagens de plástico e de metal no amarelo, as de cartão no azul e as de vidro no verde..

3ª Teima: “O plástico não é circular”

“A maioria dos plásticos não pode ser reciclada, porque haverei de me dar ao trabalho?”

Esta ideia, que teima em persistir, não podia estar mais longe da verdade.

Tira-teimas: Sabia que o plástico reciclado pode ser utilizado no fabrico de camisolas polares, fibra de enchimento de um blusão, vasos ou tubos para canalização? O plástico, tal como o cartão ou o vidro, pode ser reciclado, desde que colocado nos locais corretos.

O primeiro passo é dado em casa. É preciso saber que embalagens de plástico podem, ou não, ser recicladas e, posteriormente, colocá-las no ecoponto correto: o amarelo. Depois, as embalagens são recolhidas por operadores especializados e transportadas até ao centro de triagem de resíduos. Aqui, são separadas por diferentes materiais (PET, PE-HD, PVC, PE-LD, PP ou PS), para serem encaminhadas para o reciclador.

No reciclador, as embalagens de plástico são processadas e organizadas por categorias para seguirem para o fabricante, onde são transformados em novas embalagens, sacos ou até mesmo roupa. É então que regressam ao ponto de venda, prontas para ir para casa das pessoas, nas mais diversas formas, e voltarem a ser recicladas. No nosso quotidiano, utilizamos diversos objetos que foram produzidos a partir dos resíduos de plástico descartado, tais como: sacos, embalagens de detergentes, fibras para peças de vestuário, vasos, tubagens e mobiliário urbano.

4ª Teima: “Os materiais reciclados têm menos qualidade”

Muitas pessoas ainda teimam que os objetos feitos a partir de materiais reciclados apresentam menor qualidade quando comparados com os que são feitos a partir de matéria-prima virgem.

Tira-teimas: À medida que o conhecimento, os métodos e a tecnologia evoluem, os produtos reciclados têm cada vez mais qualidade. Atualmente, há indústrias que apenas trabalham com material reciclado. É o caso do vestuário, setor no qual há cada vez mais empresas que fabricam peças de roupa, desde fatos de banho a calçado, feitas com material 100% reciclado, nomeadamente embalagens de plástico encontradas no mar. Além da indústria têxtil, também a automóvel está a adotar comportamentos mais responsáveis, ao produzir componentes reciclados para utilizar no fabrico de veículos.

Mas basta olhar para o lado para encontrar objetos, em nossa casa, feitos com material reciclado, desde peças para a bicicleta ou trotineta que utiliza para passear ao fim de semana, aos blocos de papel que o seu filho usa para desenhar ou as embalagens de detergentes que estão na despensa.

5ª Teima: “Reciclar é complicado”

“Dá muito trabalho separar o lixo.” “Não existem ecopontos suficientes.” “Porquê dar-se ao trabalho, se a reciclagem não funciona?”

No café, na rua ou no escritório, é muito comum ouvir estas teimas da boca de quem não separa os seus resíduos. Serão verdade?

Tira-teimas: Não. Reciclar os materiais permite dar-lhes uma nova vida e diminuir o consumo de recursos naturais, preservando, desta forma, o ambiente. Um gesto simples, mas que tem um impacto gigante no planeta Terra. No entanto, muitas pessoas continuam a não reciclar por afirmarem que não existem ecopontos suficientes. O que é falso. Atualmente existem, em Portugal, uma média de 1 ecoponto por 180 habitantes.

Mas para reciclar é preciso separar de forma correta. A introdução de uma embalagem no ecoponto errado pode contaminar as restantes e impossibilitar a sua reciclagem. Por isso, importa lembrar as regras básicas da separação dos resíduos de embalagens:

No ecoponto amarelo, deve-se colocar embalagens de plástico e metal, nomeadamente: aerossóis, embalagens de detergentes, iogurte, leite, sumo, óleos alimentares, vinho, esferovite, garrafas de água, latas de bebida e conservas, sacos.

  • Não colocar: embalagens de produtos tóxicos ou perigosos, eletrodomésticos, pilhas e baterias, objetos que não sejam embalagens e talheres de plástico.

No ecoponto azul, deve-se colocar caixas de cartão, caixas de ovos, embalagens de bolachas e cereais, envelopes, jornais e revistas, papel de escrita e impressão, sacos de papel.

  • Não colocar: embalagens de cartão com gordura, embalagens de produtos químicos, papel de alumínio, papel autocolante, fotografias, fraldas e papel absorvente.

No ecoponto verde, deve-se colocar embalagens de vidro como boiões, frascos de perfume e cosméticos, garrafas de bebidas e azeite.

  • Não colocar: loiças e cerâmicas (copos, pratos, chávenas, etc.), janelas, espelhos e lâmpadas.

Se fizermos a nossa parte de forma correta, o resto fica nas mãos das entidades responsáveis pela gestão de resíduos.

E agora, ainda tem dúvidas sobre a reciclagem?

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Minuto R

Mais Minuto R