Este graduado americano não podia dizer 'gay' no discurso, então fez isto

CNN , David Williams
25 mai, 19:49
Zander Moricz

Um presidente de turma da Flórida não podia falar sobre ser gay no discurso de formatura do ensino médio – por isso falou sobre o seu cabelo encaracolado

O presidente da turma de uma escola secundária da Flórida diz que não foi autorizado a partilhar a sua experiência como estudante homossexual no seu discurso de formatura, nem sobre como a chamada lei estadual "Não diga gay" [que restringe determinados tópicos LGBTI nas salas de aula na Flórida] afetará estudantes como ele. Por isso, falou sobre outra coisa que o torna um pouco diferente dos seus colegas – o seu cabelo encaracolado.

Zander Moricz, 18 anos, sido ativo em causas de justiça social como aluno da Pine View School, em Osprey, na Flórida, e liderou uma paralisação estudantil em março para protestar contra a controversa medida que proíbe certos ensinamentos sobre orientação sexual e identidade de género nas escolas, e que entra em vigor em julho. Ele é também um dos signatários de um processo que contesta a lei.

Moricz disse à CNN que, algumas semanas antes da formatura, o diretor da escola encontrou-se com ele e lhe disse que não poderia falar sobre esse assunto.

"Ele sempre me apoiou muito, a mim e à minha identidade, e fiquei muito magoado", contou.

Moricz assumiu-se durante o seu primeiro ano e foi o primeiro presidente de turma abertamente gay da escola, por isso sentiu a responsabilidade de abordar a controvérsia. Segundo disse à CNN, a escola é o único espaço garantido que as crianças têm no estado.

"Quando você tem esse único espaço garantido e se faz dele um espaço que vitimiza toda uma população de estudantes, o que se está a fazer é a forçar as crianças a escolher entre não se assumirem em segurança ou não se assumirem de forma nenhuma", afirmou.

Por iso, quando chegou a hora de falar na cerimónia de domingo, Moricz tirou o chapéu e apontou para a cabeça.

"Eu costumava odiar meus caracóis. Passei manhãs e noites envergonhado por causa deles e tentando desesperadamente endireitar essa parte de quem eu sou. Mas o estrago diário de tentar consertar-me tornou-se demasiado difícil", disse no seu discurso. “Por isso, embora ter cabelos encaracolados na Flórida seja difícil, devido à humidade, decidi orgulhar-me de quem eu sou e comecei a vir para a escola como o meu verdadeiro eu”.

Segundo Moricz, os seus professores foram algumas das primeiras pessoas que ele procurou a pedir conselhos, porque não tinha "outras pessoas de cabelos encaracolados" com quem conversar, e disse que o apoio que recebeu na escola o ajudou a crescer.

"Agora estou feliz. Agora estou feliz, e é isso que está em causa. Haverá tantas crianças com cabelos encaracolados que precisam de uma comunidade como Pine View - e que não terão uma", disse Moricz. disse. “Em vez disso, eles tentarão consertar-se para que possam existir no clima húmido da Flórida”.

Após o discurso, o diretor da Pine View School, Stephen Covert, aplaudiu e deu um abraço em palco a Moricz. "Honramos e celebramos a incrível diversidade de pensamento, crença e formação na nossa escola, e defendemos a singularidade de cada aluno na sua jornada pessoal e educacional", disse Covert em comunicado.

Moricz disse que teve um momento emocionante nos bastidores após a cerimónia, com funcionários da escola que estiveram lá para ele ao longo dos anos.

As escolas do condado de Sarasota afirmaram em comunicado que os administradores da escola reveem todos os discursos de formatura antes de serem lidos e confirmaram que Covert se encontrou com Moricz antes de enviar o seu discurso, "para lembrá-lo das expectativas da cerimónia".

"Como em anos anteriores, os alunos palestrantes foram recordados de que a formatura é uma celebração da comunidade e foram incentivados a adaptar os seus comentários para refletir experiências e memórias que todos os alunos poderiam apreciar para melhor refletir todas as facetas das conquistas da turma de formandos", afirma o comunicado.

Moricz foi também o primeiro aluno a ser eleito presidente de turma em todos os quatro anos do ensino médio, por isso ele pensou sobre este discurso desde que era caloiro. Acabou escrevendo o discurso, que foi aprovado pela escola, em cerca de um dia.

No discurso, ele lembrou aos seus colegas de classe os momentos em que eles se reuniram contra a violência racista e para chamar a atenção para a crise climática, bem como uma campanha mal sucedida para convencer a estrela do rap Pitbull a apresentar-se no ginásio da escola.

Os alunos têm poder e precisam de usá-lo, disse ainda Moricz.

"Quando desperdiças o teu poder, o que estás realmente a fazer é a dá-lo a quem já o tem, e agora aqueles que têm mais poder estão a acorrer aos que têm menos", afirmou no seu discurso. "Não devíamos ter de lidar com isso, mas vamos lidar."

Moricz disse à CNN que a controvérsia nas últimas semanas em torno do seu discurso foi terrível, mas ele não tem ressentimentos em relação ao diretor ou a funcionários da escola. "Estou zangado com o governador e estou zangado com nossos legisladores na Flórida", disse Moricz à CNN. "É para onde minha raiva é direcionada, mas estaria mentindo se não dissesse que os responsabilizo um pouco a todos. Somos todos responsáveis ​​por pressionar contra coisas como esta."

Moricz planeia frequentar a Universidade de Harvard no outono, para estudar políticas de governo.

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

E.U.A.

Mais E.U.A.

Patrocinados