Furacão Fiona: Canadá implora a residentes que se preparem para um “evento climático extremo”

CNN , Susannah Cullinane e Tina Burnside
24 set, 14:12
Furacão Fiona

Fiona abalroa costa atlântica do Canadá com ventos fortes e chuva, podendo gerar o equivalente a quase dois meses de precipitação

O furacão Fiona, agora considerado um ciclone pós-tropical, chegou à Nova Escócia, correndo pela costa atlântica do Canadá no início deste sábado, no que poderá ser um evento meteorológico “marcante” para o país.

Uma pressão barométrica não oficial de 931,6 mb foi registada na Ilha de Hart, o que fará de Fiona a tempestade terrestre de menor pressão de que há registo no Canadá, de acordo com o Centro Canadiano de Furacões. Foram registado ventos na Ilha Beaver, no leste da Nova Escócia, de 152 km/h.

Partes da Nova Escócia e da Ilha Príncipe Edward começaram a sentir a chegada da tempestade este sábado de manhã, à medida que ventos e chuvas se estendiam para longe do centro da tempestade e derrubavam infraestruturas de energia. Mais de 376 mil clientes em toda a Nova Escócia perderam energia até ao momento, de acordo com o centro de energia da região.

Os residentes em New Brunswick, no sul do Quebeque, e Newfoundland e Labrador enfrentam adicionalmente condições meteorológicas severas, enquanto Fiona segue para norte a mais de 65 km/h depois de atingir Canso e Guysborough no leste da Nova Escócia. Fiona deverá passar pela ilha do Cabo Bretão no sábado de manhã e alcançar o mar do sudeste de Labrador à noite.

“A tempestade está a produzir ventos fortes e chuvas muito fortes”, disse o Centro Canadiano de Furacões. “Até agora foram noticiadas grandes rajadas de 80-110 km/h sobre a Nova Escócia, Ilha Príncipe Edward e Iles-de-la-Madeleine, com uma rajada de pico a 144km/h sobre a Ilha Beaver, Nova Escócia".

Fiona enfraqueceu ligeiramente na sexta-feira para uma tempestade de Categoria 2, mas ainda se espera que traga tempestades, chuva e vento fortes. Fiona tinha sido uma tempestade de Categoria 4 no início da quarta-feira sobre o Atlântico, depois de passar Turks and Caicos, e assim permaneceu até sexta-feira à tarde.

Os ventos estão a estender-se para longe do centro de Fiona.

Funcionários do governo exortaram ao longo da costa atlântica os que se encontram no caminho de Fiona a estarem em alerta máximo e a prepararem-se para o impacto da tempestade, que já ceifou a vida de pelo menos cinco pessoas e cortou a energia a milhões, depois de esta semana ter atingido várias ilhas das Caraíbas. Casas e infraestruturas em Porto Rico, República Dominicana e Turks and Caicos foram fortemente danificadas e muitos residentes ainda estão a tentar recuperar.

Fiona está a caminho de ser um “evento climático extremo” no leste do Canadá, ameaçando produzir o equivalente a dois meses de precipitação, segundo disseram meteorologistas no Canadá na sexta-feira.

“Este poderá ser um acontecimento marcante para o Canadá em termos de intensidade de um ciclone tropical”, e poderá mesmo tornar-se a versão canadiana da supertempestade Sandy, disse Chris Fogarty, gestor do Centro Canadiano de Furacões. Sandy, em 2012, afetou 24 estados e toda a costa oriental, causando prejuízos estimados em 78,7 mil milhões de dólares [valor semelhante em euros].

Fiona tornou-se pós-tropical antes de chegar a terra, chegando ao mesmo tempo que um canal de baixa pressão e ar frio ao norte - muito como aconteceu com Sandy, segundo Bob Robichaud do Centro Canadiano de Furacões.

“O que estas coisas tendem a fazer… elas tendem a crescer tremendamente em tamanho, que é mais uma vez o que Fiona também está a fazer”, disse na sexta-feira. “O Sandy era maior do que se espera que Fiona seja. Mas o processo é essencialmente o mesmo - onde há duas características que se alimentam uma da outra para criar uma tempestade forte como a que vamos ver de um dia para o outro”.

De acordo com o meteorologista Derek Van Dam, da CNN, a força dos ventos de furacão podem estender-se até quase 300 quilómetros a partir do centro da Fiona, e a força dos ventos das tempestades tropicais até cerca de 550 quilómetros.

A vaga de tempestades será “significativa”, dizem as autoridades.

Nos dias que antecederam a chegada prevista de Fiona, os funcionários oficiais intensificaram os serviços para ajudar os necessitados e imploraram aos residentes que tomassem precauções.

“Isto tem o potencial de ser muito perigoso", disse John Lohr, o ministro responsável pelo Gabinete de Gestão de Emergência para a Nova Escócia, na quinta-feira. "Prevê-se que os impactos sejam sentidos em toda a província".

Os residentes devem preparar-se para ventos prejudiciais, ondas fortes, tempestades costeiras e chuvas fortes, o que pode levar a cortes prolongados de energia, disse Lohr. As autoridades de emergência encorajaram as pessoas a proteger artigos ao ar livre, podar árvores, carregar telemóveis e criar um kit de emergência de 72 horas. Foram estabelecidos abrigos para residentes em toda a Nova Escócia, incluindo múltiplos no condado de Halifax, de acordo com os funcionários.

A área não vê uma tempestade tão intensa há cerca de 50 anos, segundo Fogarty.

"Por favor, levem-no a sério porque estamos a ver números nos nossos mapas meteorológicos que raramente podemos ver aqui", disse Fogarty.

Os funcionários da Ilha Príncipe Edward também imploraram aos residentes que se preparassem para o pior à medida que a tempestade se aproximava.

Tanya Mullally, que serve como chefe da gestão de emergência da província, disse que uma das preocupações mais prementes com Fiona é a onda histórica de tempestades que se espera que venha a desencadear.

"A onda de tempestades vai certamente ser significativa. ... Inundações como não vimos nem podemos medir", disse Mullally na quinta-feira.

A modelagem do Centro Canadiano de Furacões sugere que a vaga, “dependendo da área, pode estar entre 1,8 a 2,4 metros", disse Robichaud.

A porção norte da ilha suporta o impacto da tempestade devido à direção dos ventos, o que provavelmente causará danos materiais e inundações costeiras, disse Mullally.

Todos os parques de campismo, praias e parques de dia, bem como o Parque de Vida Selvagem de Shubenacadie, foram encerrados na sexta-feira, disse o Gabinete de Gestão de Emergência da Nova Escócia.

 

Clima

Mais Clima

Patrocinados