Frida Kahlo nasceu há 115 anos. Aqui estão 5 factos que deve saber sobre a artista mexicana

CNN , Leah Asmelash e Nadeem Muaddi (originalmente publicado em julho de 2019)
6 jul, 08:00

A imagem de Frida Kahlo tornou-se tão ubíqua, com o seu rosto estampado em todo o lado, desde bonecas Barbie a sapato, que é fácil esquecer o quão radical ela já foi. No dia em que celebraria o 115.º aniversário, aqui estão alguns factos sobre o que fez da artista mexicana uma referência a ter em conta.

Orgulhava-se muito da sua origem mexicana

Kahlo nasceu a 6 de julho de 1907 em Coyoacán, México, de um pai alemão e de uma mãe de ascendência espanhola e indígena. Embora fosse considerada “mestiza”, isto é, uma pessoa de ascendência europeia e indígena mista, ela identificava-se com as suas raizes indígenas e amava o povo mexicano.

Quando Frida tinha apenas três anos de idade, a Revolução Mexicana rompeu. Cresceu imersa no caos político que levou ao fim de uma ditadura de quase 30 anos e ao estabelecimento de uma república constitucional. A instabilidade deste período ajudou a moldar a perspectiva que Kahlo tinha do mundo. Aos 16 anos de idade, juntou-se a um partido socialista local. Nos seus 20 anos, Kahlo tornou-se membro do Partido Comunista Mexicano.

Durante anos, Kahlo alegou que tinha nascido em 1910 para ser vista como uma filha da revolução, de acordo com a Fundação Frida Kahlo. A artista permaneceu uma esquerdista convicta e defensora do povo mexicano durante toda a sua vida.

Começou a pintar após um acidente que a pôs em risco de vida

Uma série de problemas de saúde debilitantes atormentaram a vida de Frida, mas ela nunca deixou que a impedissem de viver a vida ao máximo.

Quando era criança, lutou contra um caso grave de poliomielite que a deixou com várias deficiências. De acordo com a Fundação Frida Kahlo, a doença fez com que a sua perna direita fosse mais fina que a esquerda, o que ela disfarçou com saias longas.

Na sua adolescência, a artista sofreu ferimentos graves quando um autocarro colidiu com um carro, fazendo com que um corrimão metálico se partisse e perfurasse a sua pélvis, revelou a Smithsonian Magazine. A sua coluna vertebral, pernas e pés também sofreram fracturas.

Um visitante observa o quadro "A Coluna Quebrada" de Frida Kahlo no museu Martin-Gropius-Bau em Berlim. Créditos: JOHN MACDOUGALL/AFP/Getty Images

 Como resultado do acidente, Kahlo foi assolada por dores crónicas e utilizou um espartilho de gesso durante toda a sua vida.

Acamada e entediada, Frida começou a pintar com aguarelas para passar o tempo. Segundo a Frida Kahlo Corporation, a sua mãe mandou fazer um cavalete especial para que ela pudesse pintar enquanto estava deitava de costas.

Mais tarde na vida, a artista pintou “A Coluna Quebrada”, que mostrava o seu espartilho de gesso.

Casou-se com um pintor mexicano famoso

Kahlo conheceu o prestigioso pintor mexicano Diego Rivera quando lhe pediu que criticasse a sua obra. Embora Rivera fosse 20 anos mais velho, a relação entre ambos rapidamente se transformou num caso romântico. Mais tarde, casaram em 1929.

De acordo com a Fundação Frida Kahlo, os seus casamentos (casaram duas vezes) foram prejudicados pelos seus temperamentos impetuosos e assuntos extramatrimoniais.

 

Frida Kahlo acaricia um macaco agarrado ao casaco do seu marido, Diego Rivera. Créditos: Wallace Marly/Archive Photos/Getty Images

Os altos e baixos da sua relação tornaram-se o tema de várias obras de Frida.

Na obra “Auto-retrato com cabelo curto”, que pintou meses após o seu divórcio, Kahlo retrata-se sentada de forma solene com um fato de homem vestido, segurando as longas mechas do seu cabelo recentemente cortado. O fato largo é semelhante aos que Rivera usava, e sabia-se que ele adorava o seu cabelo comprido, que Kahlo pintou disperso pelo chão.

“Auto-retrato com cabelo curto” por Frida Kahlo, 1942. Créditos: David Goldman/AP

Rivera, um marxista dedicado e apoiante da Revolução Mexicana, é admirado pelos seus murais, que frequentemente atacavam a classe dominante e contavam histórias de pessoas da classe trabalhadora.

Rejeitou o rótulo de artista surrealista

Kahlo é famosa pelos seus auto-retratos, mas não era só isso que ela pintava. A artista também elaborava obras cujo tema principal era a natureza morta, tal como se pode observar nas pinturas "Cactus Fruits" (Tunas) e "Window Display in a Street in Detroit" (Exibição Da Janela Em Uma Rua Em Detroit).

Kahlo também pintou cenários estranhos e sombrios. “What the Water Gave me” (O que a Água Me Deu) retrata figuras e paisagens a flutuar numa banheira.

A artista inspirava-se frequentemente em experiências pessoais dolorosas, incluindo o seu casamento complicado, abortos espontâneos e procedimentos médicos. De acordo com a Fundação Frida Kahlo, muitos dos seus auto-retratos retratam feridas físicas e psicológicas.

As suas pinturas também incorporaram temas relacionados com o empoderamento feminino e a força de vontade.

Os contemporâneos, incluindo o famoso surrealista André Breton, descreveram as obras de Kahlo como surrealistas. Mas foi um rótulo que ela rejeitou por completo. “Eles achavam que eu era uma surrealista, mas não era. Eu nunca pintei sonhos. Pintei a minha própria realidade”, disse Kahlo a respeito dos seus críticos, segundo o Museu de Arte Moderna.

Utilizava a moda para fazer uma declaração política

Kahlo misturava propositadamente a moda ocidental com o vestuário indígena tradicional com o intuito de fazer uma declaração política sobre a identidade cultural, o nacionalismo e o feminismo.

Frida Kahlo posa para um retrato, por volta de 1940. Créditos: Michael Ochs Archives/Getty Images

“(Frida Kahlo) criou o seu estilo distintivo através de uma mistura de moda tradicional mexicana e europeia, combinada com os efeitos fundamentais das suas deficiências e das suas crenças políticas: Kahlo como artista boémia, uma Tehuana, uma figura híbrida”, disse Circe Henestrosa, co-curadora de “Frida: Making Her Self Up”, uma exposição de 2018 no Victoria and Albert Museum de Londres.

O seu estilo anti-colonial incluía vestidos modernos adornados com padrões inspirados nos maias, lenços rebozo e colares tradicionais, bem como outros acessórios.

Com o tempo, Kahlo tornou-se tão famosa pela sua aparência única como pelo seu impressionante trabalho.

Artes

Mais Artes

Patrocinados