Portugal
45'
0 - 0
Chéquia

Casa Pia-FC Porto, 1-2 (destaques)

21 abr, 20:25

Nico e Pepê, dupla de sucesso

A FIGURA: Nico González

Começou devagar, mas a esta altura da temporada, Nico González já é um dos destaques deste FC Porto. Com formação no Barcelona, o toque de bola não engana. Simples, inteligente e eficaz, Nico oferece sempre linhas de passe ao momento ofensivo dos dragões e entrega a bola sempre com o mesmo critério. Aliado a isso, parece ter ganho uma valência bastante apreciada por Sérgio Conceição: uma presença forte no momento sem bola e uma competitividade que lhe permite estar sempre ligado ao jogo. A cereja no topo do bolo foi o belo golo que deu o triunfo ao conjunto azul e branco.

O MOMENTO: Nico, uma classe que não é para todos (minuto 56)

11 minutos de domínio na segunda parte bastaram para o FC Porto voltar a adiantar-se – e em definitivo no marcador. Galeno e Taremi também participaram na jogada, mas o trabalho e a finalização de Nico são de muita classe. Não é para todos.

OUTROS DESTAQUES

Pepê

Um quebra-cabeças constante para a defesa do Casa Pia. Quer entrelinhas ou na profundidade, Pepê esteve sempre disponível para oferecer coisas positivas ao ataque do FC Porto. Muito em jogo, atirou à barra logo nos primeiros minutos e serviu Galeno, depois de um grande movimento, para o 1-0. Na segunda parte baixou para lateral-direito e manteve o nível. Um regalo para qualquer treinador.

Galeno

Tem algumas dificuldades no momento de decisão, mas é sempre um dos maiores desequilibradores do ataque do FC Porto. Procura a profundidade como ninguém e é, depois, no 1x1, é um perigo para qualquer adversário. Marcou o 1-0 e participou em algumas das jogadas mais perigosas do ataque portista.

Cláudio Ramos

Até ia comprometendo num dos últimos lances do jogo, numa saída incompleta, mas Cláudio Ramos fez uma exibição positiva e ajudou o FC Porto com algumas defesas decisivas. Duas delas, de resto, mesmo em cima do intervalo, no frente a frente com Yuki Soma.

Yuki Soma

O melhor do Casa Pia esta tarde. Enquanto houve energia, os gansos tiveram sempre uma seta apontada à baliza. A partir do lado direito, o japonês fez uso da sua qualidade técnica para criar alguns dos lances de maior perigo do ataque da sua equipa, como as duas ocasiões em que obrigou Cláudio Ramos a aplicar-se. Em campo aberto, no entanto, também foi um perigo constante, fruto da sua velocidade. É dele o cruzamento que depois acabou por dar no golo de Nuno Moreira.

Nuno Moreira

Saiu do Vizela a meio da época, em janeiro, e bem pode agradecer o Casa Pia este «presente». Tecnicamente é irrepreensível e, por isso, consegue dar outra fluidez ao ataque dos gansos. Fez o golo, serviu Soma para uma grande oportunidade e, enquanto teve pernas, também foi uma ameaça constante à baliza de Cláudio Ramos.

Relacionados

Patrocinados