Farense-Moreirense, 0-1 (crónica)

Pedro Lemos , Estádio S. Luís, Faro
24 fev, 17:34

Marcar, gerir e ganhar

Diz-se que o futebol não é justo. Que nem sempre ganha a melhor equipa.

Há uma série de exemplos, mas hoje a ideia foi contrariada por um Moreirense que foi melhor e ganhou sem dificuldade frente a um Farense que só apareceu na segunda parte e, mesmo aí, não criou grandes chances de perigo.

As duas equipas vinham de derrotas: os algarvios na visita ao Sporting de Braga; o Moreirense na receção ao Sporting.

Para a partida de hoje, ambos os treinadores mudaram peças do 11 inicial.

José Mota alterou dois titulares (saíram Marco Matias e Cláudio Falcão para entradas de Fabrício e Rafael Barbosa) e Rui Borges quatro (saídas de Dinis Pinto, Marcelo, Ismael e Alanzinho para entradas de Fabiano, Ponck, Castro e Ofori).

O domínio da equipa de Moreira de Cónegos começou desde cedo. Ao longo de toda a primeira parte, o Farense nunca levou verdadeiro perigo à baliza de Kewin Silva.

Os algarvios não conseguiam ligar o jogo e somavam passes falhados ainda no meio campo defensivo. Na frente de ataque, Bruno Duarte, Elves e Rafael Barbosa eram meros espectadores.

Já o Moreirense ia mostrando aquilo que tem sido ao longo de toda a época: uma equipa bem organizada, com bons processos e um futebol de qualidade.

O primeiro golo podia ter surgido logo ao minuto 8, num bom remate de Gonçalo Franco que foi intercetado por um defesa do Farense.

Ele surgiria já aos 29m, por intermédio de Madson que ia sendo um dos melhores em campo.

Tudo começou num lançamento. A bola sobrou para João Camacho que, de cabeça, assistiu Madson. O primeiro remate foi defendido por Ricardo Velho, mas, na recarga, o extremo do Moreirense marcou mesmo.

A missão do Farense ficou ainda mais difícil pouco tempo depois. Mattheus Oliveira foi imprudente e entrou, a pé juntos, sobre Fabiano (34m).

Alertado pelo VAR, Nuno Almeida foi ver as imagens e expulsou o médio brasileiro que vai falhar o jogo com o Sporting, na próxima jornada, em Alvalade.

Na segunda parte, os algarvios aparecem melhor: com Zé Luís a entrar para o lugar de Bruno Duarte, o Farense mostrou outra vontade… mas sem criar grandes chances de golo.

A principal aconteceu ao minuto 51, num remate de Elves Baldé que passou perto do poste.

José Mota lançou vários jogadores: Marco Matias, Belloumi, Falcão, Ponde… mas nunca os algarvios conseguiram sequer ameaçar, com real perigo, o empate.

O Moreirense ganhou – e ganhou bem porque, depois de uma primeira parte de qualidade, soube gerir o resultado na etapa complementar. A equipa sensação do campeonato, que soma agora 38 pontos, está aí para o que der e vier.

Quanto ao Farense, segue com os mesmos 26 e já leva cinco jogos consecutivos sem ganhar.

Patrocinados