O Evereste tem um problema de 💩. Literalmente

CNN , Amy Woodyatt
4 abr, 10:00
31 de maio de 2021, mostra alpinistas a olhar para trás, para o Campo 4, durante a sua subida ao cume do Monte Evereste. Lakpa Sherpa/AFP/Getty Images

Os alpinistas do Evereste vão ter de levar o seu cocó com eles, enquanto o Nepal tenta resolver o problema crescente dos resíduos

Oxigénio? Verificado. Crampons? Verificado. Sacos de cocó? Verificado.

Aqueles que esperam escalar o Evereste este ano terão de fazer alguns pequenos ajustes na sua lista de bagagem, uma vez que as novas regras exigem agora que os alpinistas tragam consigo os seus excrementos do pico mais alto do mundo, numa tentativa de combater a poluição.

A maioria das pessoas que tentam escalar o Monte Evereste, que tem 8.849 metros de altitude, fá-lo através do Nepal, pagando 11 mil dólares (cerca de dez mil euros) cada um só pela licença de escalada.

Tendas dos alpinistas no Campo 2 do Evereste, a 8 de maio de 2021. Foto Pemba Dorje Sherpa/AFP/Getty Images

Com equipamento, comida, oxigénio suplementar, guias Sherpa e muito mais, custa mais de 35 mil dólares (32 mil euros) subir a montanha.

Mas o pico mais alto do mundo tem um problema de cocó, devido ao número de visitantes e às condições adversas da montanha, que interferem no processo de degradação.

"O problema dos dejectos humanos no Evereste era muito grave", afirma Diwas Pokhrel, primeiro vice-presidente da Everest Summiteers Association, à CNN, acrescentando que, nos pontos mais altos da montanha, estavam a "poluir o ambiente da montanha".

Sem as novas regras, é muito provável que o problema do cocó se agrave: No ano passado, o Nepal concedeu um recorde de 478 licenças de escalada para escalar o pico. Foi confirmada a morte de doze alpinistas na montanha, enquanto outros cinco continuam oficialmente desaparecidos.

Jinesh Sindurakar, da Associação de Montanhismo do Nepal, diz à CNN que se estima que 1.200 pessoas estarão no Everest nesta temporada.

"Cada pessoa produz 250 gramas de excrementos por dia e passará duas semanas nos acampamentos superiores para a subida ao cume", explica Sindurakar, acrescentando que cada alpinista receberá dois sacos de cocó, que podem ser usados seis vezes.

Os sacos contêm produtos químicos para solidificar os dejectos humanos e torná-los inodoros, diz Sindurakar, e o Município Rural de Khumbu Pasanglhamu, no Nepal, distribuirá cerca de 8000 sacos esta época.

Os esforços para reduzir o impacto do turismo nos Himalaias intensificaram-se, tendo sido retirados 35 708 quilos de resíduos e plásticos de picos como o Evereste, Lhotse, Annapurna e Baruntse através de uma iniciativa liderada pelo exército nepalês, segundo o Himalayan Times.

 

Lilit Marcus, da CNN, contribuiu para este artigo.

Imagem no topo: esta fotografia, de 31 de maio de 2021, mostra alpinistas a olhar para trás, para o Campo 4, durante a sua subida ao cume do Monte Evereste. Lakpa Sherpa/AFP/Getty Images

 

Mundo

Mais Mundo

Mais Lidas

Patrocinados