"Se nada mudar, ficaremos sem financiamento para a Europa em maio": Exército dos EUA sob pressão para ajudar Ucrânia

CNN , Haley Britzky e Natasha Bertrand
19 fev, 11:51
The Mississippi Army National Guard (2nd Lt. Jarvis Mace/7th Army Training Command/US Army)

Sem um orçamento para 2024 aprovado pelo Congresso, e sem financiamento adicional especificamente para a Ucrânia, o comando tem cerca de 3 mil milhões de dólares (2,78 mil milhões de euros) para pagar 5 mil milhões de dólares (4,64 mil milhões de euros) de custos operacionais

Com o financiamento para a Ucrânia perante um futuro incerto no Congresso, o Exército dos EUA foi obrigado a pagar a fatura de centenas de milhões de dólares pelo apoio prestado ao esforço de guerra da Ucrânia contra a Rússia nos últimos meses - e os oficiais do Exército estão cada vez mais preocupados com o facto de, sem novo financiamento, terem de começar a retirar dinheiro de outros projetos críticos para continuar a apoiar Kiev.

Desde outubro de 2023, início do ano fiscal, o Exército gastou mais de 430 milhões de dólares (cerca de 400 mil euros) em várias operações, incluindo a formação de tropas ucranianas, o transporte de equipamentos e o envio de tropas dos EUA para a Europa.

"Basicamente, estamos a tirar o couro ao Exército", afirmou um alto funcionário do Exército à CNN.

Até agora, essa conta foi paga pelo Comando da Europa e África do Exército. Sem um orçamento para 2024 aprovado pelo Congresso, e sem financiamento adicional especificamente para a Ucrânia, o comando tem cerca de 3 mil milhões de dólares (2,78 mil milhões de euros) para pagar 5 mil milhões de dólares (4,64 mil milhões de euros) de custos operacionais, explicou um segundo oficial sénior do Exército. Isto inclui não só as operações relacionadas com o apoio à Ucrânia - formação e transporte de armas e equipamento para a Polónia e a Ucrânia - mas também outras operações para o comando dos EUA em toda a Europa e África.

Se, dentro de alguns meses, o Congresso ainda não tiver aprovado um novo financiamento para a Ucrânia, os oficiais do Exército dizem que terão de começar a tomar decisões difíceis e a desviar dinheiro de projetos menos importantes, como a construção de quartéis, que é extremamente necessária, ou incentivos ao alistamento, num contexto de recrutamento nunca antes visto.

Se o Exército não retirar fundos de outros locais, o orçamento de cerca de 3 mil milhões de dólares (2,78 mil milhões de euros) do Exército para a Europa e África não terá dinheiro para operações não só relacionadas com a Ucrânia, mas também com outros locais da Europa e África, até ao final de maio, segundo disse à CNN o segundo oficial superior do Exército.

"Se não obtivermos um orçamento de base, se não obtivermos um [pacote de financiamento] suplementar para a Ucrânia, se o governo cessar funções, se não obtivermos mais nada e nada mudar a partir de hoje (...) ficaremos sem financiamento [para operações e manutenção] em maio", disse o oficial do Exército. Estas operações incluem exercícios de treino para as forças do Exército na Europa e em África e o transporte de equipamento para o teatro de operações. Os contratos também não seriam pagos atempadamente e seriam objeto de multas, acrescentou.

"Deixaríamos de existir" se estes fundos não fossem atribuídos a partir de outras áreas do orçamento do Exército, sublinhou o responsável.

A secretária do Exército, Christine Wormuth - a líder civil sénior do serviço que, em última análise, decide onde é gasto grande parte do orçamento - disse à CNN que espera que o Exército "tenha de roubar Pedro para pagar Paulo".

"Cada dólar adicional que tenho, é muito importante onde coloco esse dólar. E estou constantemente a escolher entre: coloco-o nos quartéis? Ponho-o em incentivos ao alistamento? Ponho-o em exercícios? Ponho-o na modernização? Não tenho dinheiro de sobra para estar a doar uma parte desse dinheiro", disse Wormuth.

"Este era um dinheiro que prevíamos que fosse reposto, obviamente, pelo suplemento", acrescentou, fazendo eco da necessidade urgente de financiamento.

A formação continua

Enquanto o financiamento dos EUA para a Ucrânia se esgotou, o treino das tropas ucranianas continuou porque foi considerado uma missão crítica pelo presidente. O coronel Martin O'Donnell, porta-voz do Exército dos EUA para a Europa e África, disse à CNN que os EUA estão a treinar cerca de 1.500 ucranianos na Área de Treino de Grafenwoehr, na Alemanha. Nos Estados Unidos, os EUA também continuam a treinar pilotos ucranianos no avião de combate F-16 na Base da Guarda Nacional Aérea de Morris, no Arizona.

Para além da formação, continua a ser fornecido aos ucranianos equipamento proveniente dos stocks dos EUA ao abrigo de anteriores pacotes da Autoridade Presidencial de Retirada (PDA) e de armas e equipamento que foi adquirido à base industrial de defesa ao abrigo da Iniciativa de Assistência à Segurança da Ucrânia (USAI).

Os EUA anunciavam regularmente pacotes PDA e USAI até o financiamento se esgotar no final de 2023.

Há meses que os deputados do Congresso estão a debater uma nova fatia de financiamento para a Ucrânia. Na semana passada, o Senado votou a favor de um projeto de lei de ajuda externa de 95,3 mil milhões de dólares (88,40 mil milhões de euros), incluindo 60 mil milhões de dólares (55,66 mil milhões de euros) de apoio à Ucrânia. Mas não se sabe que futuro terá o projeto de lei na Câmara. O speaker Mike Johnson disse aos jornalistas na terça-feira que "certamente" não pretende apresentá-lo para votação.

"Neste momento, estamos a lidar com o processo de apropriações, temos prazos imediatos e é aí que está a atenção da Câmara neste momento", afirmou.

Os milhões de dólares que o Exército gastou este ano fiscal para manter as engrenagens a funcionar na Europa estão divididos em três categorias principais, explicou o segundo oficial - contratos, viagens e transportes, e fornecimentos.

Isto inclui necessidades logísticas; alimentos; equipamento essencial, incluindo tendas; e fornecimentos como petróleo e peças de reparação, não só para os ucranianos mas também para as tropas americanas que os treinam. Até agora, no ano fiscal de 2024, o Exército gastou 39,7 milhões de dólares (36,83 milhões de dólares) em transportes terrestres, disse à CNN o primeiro oficial sénior do Exército.

Embora parte do que o Exército está a gastar possa ser reposto através do projeto de lei suplementar de gastos que está a ser debatido no Capitólio, também é fundamental para o serviço que o Congresso aprove o orçamento para o ano fiscal de 2024. No mês passado, os deputados aprovaram uma lei de financiamento a curto prazo para manter o governo em funcionamento até ao início de março. E não se trata apenas do Exército; o chefe do Gabinete da Guarda Nacional, general Daniel Hokanson, disse aos jornalistas que a agência acabaria por precisar de mais recursos se os EUA pretendessem treinar mais pilotos de F-16 ucranianos.

"Dispomos dos recursos necessários para continuar a formação já iniciada (...) e esperamos que todos esses elementos estejam concluídos no final deste ano", afirmou Hokanson. "E depois, se decidirmos aumentar a formação, obviamente, precisaremos de recursos para formar mais pilotos e pessoal de apoio em terra."

Num briefing no início deste mês, Sabrina Singh, a vice-secretária de imprensa do Pentágono, mencionou a falta de um orçamento para 2024, dizendo que o Pentágono está "a perder tempo crítico ".

"Já estamos no quinto mês deste ano fiscal e o DOD ainda está ... a funcionar sob a nossa terceira resolução contínua. Isso põe em risco a nossa segurança nacional e impede o departamento de se modernizar, uma vez que estamos limitados ao nível de financiamento existente", disse Singh. "Pedimos ao Congresso que aprove imediatamente o nosso orçamento de base e o nosso pedido suplementar".

E o segundo alto funcionário do Exército advertiu que, em última análise, um atraso no financiamento terá consequências mais amplas do que uma interrupção no treino ou na ajuda à Ucrânia.

"Está tudo interligado", disse o oficial. "E o que estamos a fazer num espaço tem impacto em todo o lado. Se renegarmos estas coisas, não acha que a China está a observar o Pacífico? Não acha que isso vai ter um impacto direto no Pacífico? ... A Rússia está definitivamente a observar".

Relacionados

E.U.A.

Mais E.U.A.

Mais Lidas

Patrocinados