27 mentiras eleitorais de Donald Trump listadas na sua acusação na Geórgia

CNN , Daniel Dale
26 ago 2023, 11:30
O processo de Donald Trump (ver identificação e créditos na próprio foto)

Uma acusação da Geórgia ao ex-presidente Donald Trump por causa dos seus esforços para anular a eleição de 2020 lista pelo menos 27 mentiras que Trump disse sobre as eleições - e isso contando de forma conservadora.

A nova acusação, apresentada na semana passada por um grande júri no condado de Fulton, Geórgia, é a segunda deste mês a funcionar como uma espécie de verificação de fatos do Ministério Público quanto à campanha implacável de desonestidade eleitoral do ex-presidente dos EUA. Uma acusação federal do início de agosto, que também acusava Trump pelos seus esforços para subverter a vontade dos eleitores, enumerava 21 mentiras eleitorais.

Há uma sobreposição sign ificativa entre as mentiras identificadas nas duas acusações, mas o documento do condado de Fulton apresenta mais afirmações falsas sobre a Geórgia em particular. Trump proferiu muitas dessas afirmações durante um telefonema de 2 de janeiro de 2021 com o Secretário de Estado da Geórgia, Brad Raffensperger, no qual pressionou Raffensperger a "encontrar" votos suficientes para lhe dar uma vitória no estado que Joe Biden tinha ganho.

A acusação do condado de Fulton - na qual Trump foi acusado de fazer falsas declarações a Raffensperger e de se envolver numa conspiração para tentar usar eleitores falsos pró-Trump, entre outros crimes - também expõe numerosas mentiras de alguns dos 18 aliados de Trump que foram acusados juntamente com ele, incluindo nomeadamente um grande número de falsidades do seu antigo advogado, Rudy Giuliani. Este artigo refere-se especificamente às mentiras atribuídas ao próprio Trump.

1. A mentira de Trump de que ele era o verdadeiro vencedor das eleições de 2020. (Página 20 da acusação)

Esta é a mentira mais abrangente de Trump sobre as eleições. Ele perdeu sem apelo nem agravo para Biden, por 306-232 no Colégio Eleitoral, e não há provas de fraude, nem sequer perto de ela ser suficientemente generalizada para ter alterado o resultado em qualquer estado.

2. A mentira de Trump de que as eleições de 2020 foram "corruptas". (Página 45)

A acusação do condado de Fulton, como a acusação federal de subversão eleitoral, alega que em 27 de dezembro de 2020, Trump disse o seguinte numa conversa com dois altos funcionários do Departamento de Justiça, o procurador-geral interino Jeffrey Rosen e o procurador-geral adjunto interino Richard Donoghue: "Digam apenas que a eleição foi corrupta e deixem o resto comigo e com os congressistas republicanos." (Donoghue registou esta suposta observação de Trump nas suas notas manuscritas).

3. A mentira de Trump de que ganhou a Geórgia em 2020. (Páginas 44 e 52)

Trump repetiu esta mentira, embora a última das três contagens de votos do estado, concluída no início de dezembro de 2020, mostrasse que ele perdeu para Biden por 11.779 votos - e embora o governador republicano do estado e o secretário de estado tenham certificado a eleição e afirmado firmemente sua legitimidade. A acusação do condado de Fulton alega que, numa chamada de 23 de dezembro de 2020 com o investigador-chefe do gabinete de Raffensperger, Trump afirmou falsamente que tinha ganho a Geórgia "por centenas de milhares de votos". A acusação também observa que no telefonema de 2 de janeiro de 2021 com Raffensperger, Trump disse falsamente: "E a verdade real é que ganhei por 400.000 votos. Pelo menos".

4. A mentira de Trump de que ele "também ganhou os outros Estados oscilantes" em 2020. (Página 46)

Ele não ganhou esses estados - pelo menos não os estados decisivos do Arizona, Nevada, Michigan, Pensilvânia e Wisconsin - mas fez esta afirmação categórica num tweet de 30 de dezembro de 2020.

5. A mentira de Trump de que houve uma "fraude eleitoral maciça" na Geórgia. (Página 48)

Trump fez esta afirmação falsa noutro tweet em 30 de dezembro de 2020. Não há provas de fraude maciça na Geórgia ou em qualquer outro estado em 2020.

6. A mentira de Trump de que "o número de votos falsos e/ou irregulares é muito maior do que o necessário para alterar o resultado das eleições na Geórgia". (Página 68)

Trump fez esta falsa alegação numa carta a Raffensperger em setembro de 2021, na qual solicitava a descertificação da vitória de Biden na Geórgia quase oito meses completos depois de Biden ter tomado posse como presidente - uma impossibilidade.

7. A mentira de Trump sobre uma queda supostamente misteriosa de votos na Geórgia. (Página 51)

Trump afirmou falsamente na chamada de 2 de janeiro de 2021 com Raffensperger que "entre 250 e 300 mil boletins de voto foram lançados misteriosamente nas listas" na Geórgia. Na realidade, não houve nenhuma queda misteriosa de votos. O que aconteceu foi que os boletins de voto legais foram contados normalmente e adicionados aos totais públicos normalmente; os boletins de áreas urbanas que geralmente demoravam mais tempo a terminar as suas contagens tendiam a favorecer Biden.

8. A mentira de Trump sobre o facto de os boletins de voto terem sido "despejados" no condado de Fulton e num condado adjacente. (Página 88)

Trump afirmou falsamente na chamada com Raffensperger que "se verificar com o condado de Fulton, terá centenas de milhares" de votos impróprios "porque eles despejaram cédulas no condado de Fulton e no outro condado próximo a ele". Isto não aconteceu.

9. A mentira de Trump de que "perto de 5.000" boletins de voto da Geórgia foram lançados em nome de pessoas mortas. (Páginas 9 e 88)

Quando Trump fez esta afirmação falsa na chamada, Raffensperger disse-lhe que o número real de boletins de voto em nome de pessoas mortas era apenas dois; Raffensperger disse no final de 2021 que o total tinha sido atualizado e era de quatro.

Quando a campanha de Trump no final de 2020 forneceu alguns exemplos específicos de cédulas supostamente lançadas em nomes de residentes falecidos da Geórgia, as suas alegações foram rapidamente desmascaradas. Por exemplo, a CNN descobriu que um boletim de voto que a campanha de Trump alegava ter sido emitido em nome da falecida Deborah Jean Christiansen tinha, na verdade, sido emitido legalmente por um residente vivo do estado da Geórgia que, por acaso, também se chamava Deborah Jean Christiansen. (A acusação observa que Trump aumentou ainda mais o número de supostos eleitores mortos, em "até 10.315 ou mais" eleitores mortos, num processo judicial de dezembro de 2020).

10. A mentira de Trump de que "cerca de 4.502" pessoas votaram na Geórgia, embora não estivessem na lista de registo de eleitores. (Página 51)

Raffensperger escreveu no seu livro de 2021 que "a nossa investigação confirmou que todos os eleitores estavam registados" e que nunca foi apresentada qualquer prova para apoiar esta afirmação que Trump fez na chamada.

11. A mentira de Trump de que uma funcionária eleitoral do condado de Fulton encheu a urna de votos. (Página 88)

Trump tem mentido repetidamente sobre uma funcionária eleitoral do condado de Fulton, Ruby Freeman, afirmando falsamente a Raffensperger na chamada que ela tinha sido apanhada em vídeo a encher a urna e que ela, a sua filha e outros num local de contagem de votos do condado de Fulton tinham atribuído fraudulentamente a Biden um mínimo de 18.000 votos. Na verdade, Freeman, a sua filha e os outros trabalhadores não fizeram nada de errado - como Raffensperger disse a Trump e como os altos funcionários do Departamento de Justiça Rosen e Donoghue testemunharam ao Congresso que tinham dito diretamente a Trump no final de 2020. Freeman e a sua filha foram totalmente exoneradas por uma investigação estatal.

12. A mentira de Trump de que Freeman é uma "burlona profissional de votos". (Página 88)

Trump disse esta mentira a Raffensperger durante a chamada. Mais uma vez, Freeman não cometeu qualquer infração.

13. A mentira de Trump de que havia "milhares e milhares" de pessoas na Geórgia a quem foi dito nos locais de voto no dia das eleições que não podiam votar porque já tinha sido emitido um boletim de voto em seu nome. (Página 88)

Esta é outra afirmação fictícia que Trump fez na chamada com Raffensperger. Raffensperger escreveu no seu livro: "Não há relatos de milhares e milhares de eleitores a quem foi dito que não podiam votar. Se isso tivesse acontecido, teria sido notícia nacional".

14. A mentira de Trump de que, durante o telefonema, Raffensperger "não quis ou não pôde" responder às afirmações de Trump sobre um "esquema de 'votos debaixo da mesa', destruição de votos, 'eleitores' de fora do estado, eleitores mortos e muito mais". (Página 52)

De facto, contrariamente a este tweet de Trump no dia seguinte ao telefonema, Raffensperger e a sua equipa tinham abordado e desmentido todas estas falsas afirmações de Trump durante a conversa.

15. A mentira de Trump de que "cerca de 2.560 criminosos com uma sentença incompleta" foram autorizados a votar na Geórgia. (Página 86)

Trump fez esta afirmação falsa no processo judicial de dezembro de 2020. Raffensperger escreveu numa carta de 6 de janeiro de 2021 ao Congresso que uma análise de sua equipe descobriu que o número máximo de possíveis eleitores criminosos na eleição de 2020 era 74 e que todos esses eleitores estavam sob investigação. (O seu gabinete não respondeu esta semana a um pedido de atualização sobre a investigação, mas, no entanto, o número de Trump "até 2.560" não estava nem próximo).

16. A mentira de Trump de que a Geórgia tinha "pelo menos 66.247" eleitores menores de idade. (Página 49)

Esta afirmação no processo judicial de dezembro de 2020 era totalmente infundada. Raffensperger escreveu na sua carta de 6 de janeiro de 2021 ao Congresso que o seu gabinete tinha determinado que o número real de eleitores menores de idade era zero.

17. As mentiras de Trump sobre as pessoas que votaram na Geórgia quando estavam registadas apenas com uma caixa postal. (Páginas 49 e 88)

Trump afirmou no processo judicial de dezembro de 2020 que "pelo menos 1.043 indivíduos" tinham votado na Geórgia depois de se terem registado ilegalmente para votar usando uma caixa postal como morada; na chamada subsequente com Raffensperger, ele colocou o número em 904 pessoas. Ambos os números não tinham fundamento. Raffensperger escreveu na sua carta ao Congresso que uma simples pesquisa no Google mostrava que muitas das moradas a que os aliados de Trump tinham chamado apartados "são na realidade apartamentos".

18. A mentira de Trump de que os estados sabiam que os totais de votos certificados eram "baseados em irregularidades e fraudes". (Página 63)

Trump fez essa afirmação infundada num tweet de 6 de janeiro de 2021, enquanto pressionava o vice-presidente Mike Pence a enviar os votos eleitorais de Biden de volta aos estados. Embora alguns aliados de Trump nas legislaturas estaduais certamente acreditassem que os totais de votos de seus estados eram imprecisos, essa nunca foi a opinião dos chefes eleitorais e governadores que eram realmente responsáveis pela certificação - porque não era verdade.

19. A mentira de Trump de que Pence tinha o poder de rejeitar os votos eleitorais de Biden. (Páginas 57, 60-62)

Pence tinha repetidamente, e corretamente, dito a Trump que não tinha o direito constitucional ou legal de enviar os votos eleitorais de volta aos estados como Trump queria. Os advogados da Casa Branca de Trump concordaram. Tal como a acusação federal do início de agosto, a acusação do condado de Fulton refere que, apesar disso, Trump continuou a insistir que Pence poderia fazê-lo - primeiro em conversas e reuniões privadas, depois em tweets de 5 e 6 de janeiro de 2021 e no discurso de Trump de 6 de janeiro de 2021 em Washington, num comício antes do motim no Capitólio dos EUA nesse dia.

20. A mentira de Trump de que Pence concordou com ele sobre os poderes do vice-presidente. (Página 61)

A 5 de janeiro de 2021, Trump fez com que a sua campanha emitisse uma declaração que dizia falsamente que "o Vice-Presidente e eu estamos totalmente de acordo que o Vice-Presidente tem o poder de agir". Mas Pence tinha dito repetidamente a Trump, incluindo mais cedo nesse dia, que não estava de acordo.

21. A mentira de Trump de que "em Detroit, tivemos, penso que foi, 139% das pessoas a votar". (Página 88)

Trump fez esta afirmação falsa na chamada com Raffensperger. Na verdade, Detroit teve 51% de participação.

22. A mentira de Trump de que "na Pensilvânia, eles tiveram mais de 200.000 votos do que pessoas a votar". (Página 88)

A acusação federal refere que Rosen e Donoghue lhe tinham dito que esta afirmação era falsa antes de ele a ter repetido na chamada com Raffensperger e depois no seu discurso no comício de 6 de janeiro de 2021.

23. As mentiras mais amplas de Trump sobre as eleições na Pensilvânia. (Página 21)

A acusação refere que Trump fez declarações falsas sobre uma suposta fraude eleitoral na Pensilvânia quando telefonou para uma reunião de legisladores estaduais a 25 de novembro de 2020, que também incluía declarações falsas de Giuliani. (A acusação não diz que declarações falsas Trump fez, mas foram várias, incluindo a mentira de que "ganhou a Pensilvânia por muito" e afirmações vagas mas infundadas sobre eleitores mortos e máquinas de voto Dominion. Ele perdeu o estado por 80.555 votos).

24. As mentiras de Trump sobre as eleições no Arizona. (Página 23)

A acusação refere que Trump fez afirmações falsas sobre uma suposta fraude eleitoral no Arizona quando telefonou para uma reunião de legisladores estaduais no dia 30 de novembro de 2020. (A acusação também não especifica essas declarações falsas, mas elas incluíam a mentira de que ele ganhou o Arizona "por muito").

25. A mentira de Trump de que milhares de pessoas mortas votaram no Michigan. (Página 51)

Trump afirmou falsamente, na chamada com Raffensperger, que o Michigan tinha um "número tremendo" de eleitores mortos, colocando-o provisoriamente em 18.000. Esse número não tem fundamento; as alegações online sobre um grande número de eleitores falecidos em Michigan foram rapidamente desmascaradas em 2020 pela CNN e outros.

Uma investigação eleitoral realizada por uma comissão do Senado estadual de Michigan, liderada pelos republicanos, descobriu que, de uma lista de mais de 200 supostos casos de eleitores mortos no condado de Wayne, onde fica Detroit, não havia nenhum caso de fraude eleitoral - e apenas dois casos em que "parecia" que uma pessoa falecida havia votado. Ambos tinham explicações benignas: um deles era um erro administrativo que envolvia um eleitor legal que era filho de um eleitor falecido com o mesmo nome, enquanto o outro envolvia uma mulher que tinha apresentado o seu boletim de voto e depois morreu quatro dias antes do dia das eleições

26. As mentiras mais amplas de Trump sobre a suposta fraude eleitoral no Michigan. (Página 21)

A acusação diz que Trump fez afirmações falsas sobre uma suposta fraude no Michigan durante uma reunião em 20 de novembro na Sala Oval com legisladores republicanos do estado. A acusação não especifica o que Trump disse na reunião, mas a acusação federal anterior menciona que, nessa reunião, Trump "levantou a sua falsa alegação, entre outras, de um despejo ilegítimo de votos em Detroit". A acusação federal diz que o líder da maioria do Senado estadual, Mike Shirkey, respondeu dizendo a Trump que o presidente havia perdido o estado "não por causa de fraude", mas porque ele "teve um desempenho inferior com certas populações de eleitores".

27. A mentira de Trump de que os falsos eleitores pró-Trump eram eleitores verdadeiros. (Página 76 e outras)

A acusação do condado de Fulton, assim como a acusação federal, alega que Trump estava fortemente envolvido no esquema para apresentar listas de falsos eleitores do Colégio Eleitoral pró-Trump em estados decisivos vencidos por Biden, dizendo que Trump e vários aliados "conspiraram ilegalmente para fazer com que certos indivíduos se apresentassem falsamente como eleitores presidenciais devidamente eleitos e qualificados do Estado da Geórgia" com a intenção de enganar Pence, Raffensperger, o arquivista-chefe do país e o juiz-chefe do tribunal distrital do Distrito Norte da Geórgia.

Factos Primeiro

Mais Factos Primeiro

Mais Lidas

Patrocinados