Conheça a artista sul-coreana que usa a própria pele como tela

CNN , Christy Choi
10 dez 2023, 19:00
Dain Yoon (CNN)

Quando Dain Yoon começou a pintar a própria pele para criar autorretratos surreais, as pessoas na Coreia do Sul olharam para ela como um "dokkaebi", uma espécie de duende coreano, disse a artista. Uma fotografia viral que mostrava o seu rosto em miniatura pintado nas unhas e adornado com o seu próprio cabelo preto esvoaçante, foi, entretanto, descrita na Internet como uma "manicure peluda".

"Pensei 'isto é giro' quando a fiz", disse ela sobre a fotografia, falando à CNN Internacional numa videochamada a partir dos Estados Unidos (EUA), onde vive atualmente. "Mas acho que muitas pessoas pensaram que era assustador".

Com o cabelo cor-de-rosa brilhante e uma camisa com um padrão surrealista de partes do corpo sem corpo, Yoon pode ter feito virar cabeças na sua terra natal, Seul, mas em Nova Iorque ninguém duvida - e ela adora isso.

Num dos autorretratos de Yoon, ela transforma-se numa hipnotizante criação geométrica em 3D através de formas triangulares pintadas em tons claros e escuros (CNN)

A jovem de 30 anos afirma que as suas imagens tiveram maior repercussão na Europa e nos EUA. Foi só quando começou a ser notada no estrangeiro, depois de o seu trabalho se ter tornado viral em 2016, que as pessoas começaram a prestar atenção no seu país, acrescentou. "O que eles apreciaram foi o facto de eu ter sido alvo da atenção da imprensa americana", disse Yoon. "Não só eu, mas muitos artistas ou cantores coreanos. Se recebem atenção do estrangeiro, então os coreanos apreciam-no".

As ilusões ópticas fotorrealistas e alucinantes de Yoon colocaram-na na órbita de músicos como Halsey e James Blake, com quem colaborou, e até lhe valeram uma aparição no "The Ellen DeGeneres Show". Desde então, tem trabalhado em anúncios publicitários para empresas como a Estée Lauder, BMW, Apple e Adidas, e agraciou as páginas da Vogue e da Harper's Bazaar com um estilo de pintura corporal que deixa as pessoas a pensar onde é que ela acaba e onde começa o fundo - e se houve algum Photoshop envolvido.

Yoon diz que nunca manipula as suas imagens na pós-produção. É só ela, um espelho, uma câmara e pintura corporal, durante três a 12 horas por sessão fotográfica. Este processo moroso é uma das razões pelas quais deixou de usar modelos para o seu trabalho - não queria ocupar tanto tempo de outra pessoa.

Distorções cativantes

Dizem que as obras de Yoon são vertiginosas e, por vezes, inquietantes - pense em traços faciais distorcidos e realinhados como um Sr. Cabeça de Batata, uma vela semi-fundida esculpida à sua semelhança, coberta de olhos que não piscam, ou um rosto que parece ter sido tecido e que se desprende em gotas como uma mala de mão desmontada. Desnervar os espectadores nunca foi o seu objetivo (a artista diz que nem sequer gosta de trabalhos sombrios, preferindo injetar humor), mas como o seu rosto é muitas vezes a tela da sua arte, as pessoas por vezes atribuem-lhe mais significado do que ela pretende, acrescentou.

Na maioria das vezes, Yoon procura ser divertida e expressar o seu mundo interior. Começou a pintar autorretratos como instantâneos emocionais de como se estava a sentir. No início deste ano, sentia-se muito aguda e sensível, o que se reflete numa obra de estilo cubista em que o seu rosto é distorcido por um prisma de triângulos, através do qual um olho dá um olhar claro e penetrante.

Noutra obra, "Let it flow", as ondulações e os redemoinhos das pinceladas abraçam as curvas do rosto e do pescoço de Yoon, enquanto em "Miss Universe", o seu rosto - para além dos lábios vermelhos brilhantes e do cabelo cor-de-rosa - é completamente obscurecido por dedos que a agarram.

"É um pouco contraditório, sarcástico", disse ela, refletindo sobre esta última peça. "Porque, para mim, isto é bonito."

A artista pintou uma peça anterior, "Hallucinogenic Dain", na casa da sua família na Coreia do Sul, em 2017 (CNN)

Na sua peça "What I'm made of", o rosto de Yoon é totalmente pintado por emojis, uma tapeçaria de carinhas sorridentes, lâmpadas, corações e outras expressões da sua identidade. As suas feições foram esbatidas de forma a torná-la vagamente reconhecível, mas em vez de esconderem quem ela é, Yoon diz que os emojis captam a forma como se sentia e comunicava no ano em que se mudou para os EUA.

"Apercebi-me que, desde que me mudei para a América, estou a usar tantos emojis porque é mais fácil para mim do que falar em inglês. É como ha-ha emoji, emoji, emoji", disse ela imitando uma mensagem de texto. "No passado, tentava explicar com palavras e frases, mas agora basta um pequeno emoji para mostrar tudo.

Para a sua peça de 2023 "Sleepless Night", Yoon acendeu uma vela numa obra de cera baseada na sua própria imagem para assinalar o seu 30º aniversário (CNN)

Esta exploração de ser uma estranha num mundo novo e estranho faz parte de uma nova direção criativa que a afasta do processamento dos sentimentos difíceis que teve quando era jovem na Coreia do Sul. "Tornei-me uma pessoa mais estável e mais forte", disse Yoon sobre a sua mudança para Nova Iorque.

"Há um diário secreto onde escrevo sempre que me sinto muito triste ou indisposta", disse Yoon. "Costumava escrever uma vez por semana, e agora a última vez que escrevi foi há dois meses."

Artes

Mais Artes

Patrocinados