Cantão cancela 888 voos após detetar centenas de casos de covid-19

Agência Lusa , AM
1 nov, 09:19
Avião

Cancelamentos e atrasos também foram registados em outros grandes aeroportos do país por causa da estratégia 'zero covid' do Governo chinês. Pequim cancelou mais de 75% dos voos programados

A cidade de Cantão, no sudeste da China, cancelou 888 voos, nos últimos dois dias, face a um aumento de casos de covid-19, ilustrando a crescente disrupção causada pela estratégia ‘zero covid’ do Governo chinês.

De acordo com o fornecedor chinês de informações de voo Flight Master, o Aeroporto Internacional de Guangzhou Baiyun cancelou já 888 voos, após ter diagnosticado 527 casos de covid-19, no domingo. Os voos correspondem a quase 75% do total.

Cantão é a capital da província de Guangdong, a província chinesa mais exportadora e a primeira a beneficiar da política de Reforma e Abertura adotada pelo país no final dos anos 1970.

Guangdong faz fronteira com Macau e Hong Kong.

Também os aeroportos de Zhengzhou e Hohhot, as capitais das províncias de Henan e da Mongólia Interior, respetivamente, cancelaram hoje quase todos os voos, segundo o Flight Master.

Zhengzhou e Hohhot cancelaram 633 e 266 voos, respetivamente.

Zhengzhou, com 10 milhões de habitantes, reportou 95 novos casos de covid-19, nas últimas 24 horas, entre os quais 82 são assintomáticos. Hohhot, com 2,8 milhões de habitantes, diagnosticou 151 infeções, entre as quais 144 são assintomáticas.

Cancelamentos e atrasos também foram registados em outros grandes aeroportos do país. Pequim cancelou mais de 75% dos voos programados.

Em Xangai, os cancelamentos afetaram 70% dos voos de e para o aeroporto de Pudong e 44% dos voos no aeroporto de Hongqiao.

A altamente contagiosa variante Ómicron do novo coronavírus obrigou as autoridades chinesas à imposição de medidas de confinamento cada vez mais extremas e frequentes, para salvaguardar a estratégia de ‘zero casos’, assumida como um triunfo político pelo secretário-geral do Partido Comunista Chinês, Xi Jinping.

A indústria de aviação civil da China foi uma das mais afetadas: a imprensa chinesa informou recentemente que as oito companhias aéreas chinesas listadas em bolsa registaram perdas conjuntas de 106.000 milhões de yuans (14.647 milhões de euros), entre janeiro e setembro.

As autoridades de saúde do país reiteraram recentemente que a estratégia de ‘zero casos’ de covid-19 é a “mais económica e científica”, porque “deteta rapidamente novas infeções e contém a propagação ao menor custo e o mais rapidamente possível”.

As autoridades defendem que esta estratégia salvou milhões de vidas.

Ásia

Mais Ásia

Mais Lidas

Patrocinados