"As provocações ultrapassaram o limite da tolerância": Coreia do Norte ameaça responder a Seul e Washington com "ação ofensiva"

Agência Lusa , BCE
6 abr 2023, 07:48
Kim Jong-un (Getty)

Pyongyang diz que os exercícios militares dos EUA e da Coreia do Sul transformaram a península numa “enorme mina de pólvora que pode explodir a qualquer momento”

A Coreia do Norte ameaçou responder à intensificação dos exercícios militares dos Estados Unidos e da Coreia do Sul com uma “ação ofensiva”, informou a agência de notícias oficial do país, KCNA.

A ameaça foi feita um dia depois de os Estados Unidos terem enviado bombardeiros B-52, com capacidade nuclear, para a península coreana, para exercícios aéreos conjuntos com aviões de guerra sul-coreanos, na mais recente demonstração de força contra Pyongyang.

A tensão aumentou nas últimas semanas, com a intensificação dos exercícios militares de Washington e Seul.

A KCNA disse que os exercícios militares dos Estados Unidos e da Coreia do Sul, tal como o destacamento de meios militares avançados norte-americanos, transformaram a península numa “enorme mina de pólvora que pode explodir a qualquer momento”.

“As provocações militares dos belicistas, liderados pelos EUA, ultrapassaram o limite da tolerância. Essa realidade aguarda uma posição e resposta mais explícitas das capacidades de defesa [da Coreia do Norte]”, disse a KCNA num comentário atribuído a um académico.

"A Coreia do Norte vai continuar a mostrar responsabilidade e confiança na missão crucial de dissuasão da guerra, através de ação ofensiva", afirmou.

O representante especial dos EUA para a Coreia do Norte, Sung Kim, inicia durante o dia, em Seul, conversações com as autoridades sul-coreanas e japonesas, de forma a coordenar uma resposta à intensificação do desenvolvimento de armas norte-coreanas e ameaças de conflito nuclear.

Após encontros previstos com o ministro dos Negócios Estrangeiros sul-coreano, Park Jin, e outras autoridades do país, Kim vai participar, na sexta-feira, numa reunião com os enviados nucleares sul-coreanos e japoneses, de acordo com o Governo sul-coreano.

Só em março, Pyongyang disparou quase 20 mísseis em sete eventos distintos, incluindo um míssil balístico intercontinental, com potencial para alcançar território norte-americano, e várias armas de alcance mais curto, projetadas para realizar ataques nucleares contra alvos sul-coreanos.

Porta-aviões chinês passa perto de Taiwan antes do encontro entre Tsai e McCarthy

Uma frota da marinha chinesa, liderada pelo porta-aviões Shandong, passou perto de Taiwan, antes do encontro entre a líder da ilha e o presidente da Câmara dos Representantes do Congresso dos Estados Unidos.

A passagem dos navios foi registada a cerca de 400 quilómetros a sul da ilha, na quarta-feira, horas antes de Tsai Ing-wen se reunir em Los Angeles com Kevin McCarthy. A China considera qualquer contacto oficial entre líderes de Taiwan e autoridades estrangeiras como uma violação da soberania.

Em comunicado, o Ministério da Defesa de Taiwan indicou que o porta-aviões Shandong foi detetado ao passar pelo canal Bashi - entre Taiwan e as Filipinas - em trânsito para o Pacífico oriental, onde deve iniciar as primeiras manobras de longo alcance.

O Shandong é o segundo porta-aviões da China, o primeiro fabricado internamente, e entrou o ano passado em serviço.

Relacionados

Ásia

Mais Ásia

Mais Lidas

Patrocinados