Conselho de Ética critica Governo por não ser ouvido sobre medidas contra a pandemia

Agência Lusa , AM
30 nov 2021, 08:46
Vacinação contra a covid-19 crianças
Vacinação contra a covid-19 crianças

Órgão considera que deveria ter participado desde o início da pandemia nas reuniões de peritos com políticos que se têm realizado no Infarmed

PUB

A presidente do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida criticou o Governo por não ouvir este órgão sobre medidas contra a pandemia, como a vacinação de crianças, em que há “claramente questões éticas”.

“A maior crítica é a de o conselho não estar envolvido em nenhuma tomada de decisão de políticas públicas [relativas à pandemia de covid-19], quando sabemos que elas têm impactos significativos nos direitos e deveres da população”, disse à agência Lusa Maria do Céu Patrão Neves.

PUB

Na sua opinião, o conselho deveria ter participado desde o início da pandemia nas reuniões de peritos com políticos que se têm realizado no Infarmed, em Lisboa.

“É estranho que o Conselho de Ética para as Ciências da Vida nunca tenha sido chamado”, afirmou.

Referindo-se à vacinação de crianças entre os 5 e os 11 anos, sobre a qual a Direção-Geral da Saúde deverá emitir uma recomendação esta semana, após receber um parecer da comissão técnica de vacinação, Maria do Céu Patrão Neves questionou se a “ponderação dos riscos e dos benefícios envolve apenas as crianças ou também os adultos”.

PUB
PUB
PUB

“A vacinação deste grupo de crianças coloca claramente questões éticas”, declarou a presidente do conselho, referindo que “o conselho não tomou nenhuma posição nem se reuniu porque não tem sido envolvido”.

Criado em 1990, a missão do conselho, que funciona junto da Assembleia da República desde 2009, é “analisar os problemas éticos suscitados pelos progressos científicos nos domínios da biologia, da medicina ou da saúde em geral e das ciências da vida”.

Relativamente à vacinação das crianças, a Sociedade Portuguesa de Pediatria considerou, na semana passada, que as vacinas contra a covid-19 são seguras no grupo etário dos 5 aos 11 anos, mas defendeu que a decisão de vacinar deve ter em conta outros dados, como a prevalência da infeção nas crianças.

O regulador europeu - Agência Europeia de Medicamentos (EMA) – recomendou, também na semana passada, a administração da vacina contra a covid-19 da Pfizer/BioNTech a crianças desta faixa etária a que se seguiu o anúncio da Comissão Europeia de compra de doses.

PUB
PUB
PUB

Esta é a primeira vacina aprovada na UE para crianças dos 5 aos 11 anos, numa altura em que se verificam aumentos de casos nestas idades e quando os Estados Unidos já a administram.

Na passada quinta-feira, o primeiro-ministro disse que caso a inoculação venha a ter o aval da comissão técnica de vacinação, as vacinas chegam a Portugal a partir de 20 de dezembro.

António Costa adiantou que o Governo já tem o fornecimento de vacinas pediátricas contratualizado com a farmacêutica Pfizer e que garante a cobertura das mais de 600 mil crianças nesta faixa etária.

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Covid-19

Mais Covid-19

Patrocinados