Bruxelas revê em alta inflação em Portugal para 6,8% este ano (e "inflação histórica" na zona euro e na UE)

Agência Lusa , CF
14 jul, 10:56
Preços, dinheiro, euro, inflação, economia. Foto: Marijan Murat/picture alliance via Getty Images

A Comissão Europeia aponta os preços da energia e dos alimentos como os principais motivos para estes "máximos recordes"

A Comissão Europeia reviu em alta de 2,4 pontos percentuais (p.p.) a taxa de inflação para Portugal, para 6,8% este ano, ainda que abaixo dos 7,6% previstos para a zona euro, segundo as previsões divulgadas esta quinta-feira. 

De acordo com as previsões macroeconómicas intercalares, o Índice Harmonizado de Preços no Consumidor (IHPC) deverá subir em Portugal de 0,9% em 2021 para 6,8% em 2022, antes de cair para 3,6% em 2023.

Em maio, Bruxelas previa que a inflação subisse em Portugal para 4,4% em 2022, caindo para 1,9% em 2023.

"Máximos históricos" na zona euro

A Comissão Europeia previu ainda uma inflação a bater “máximos históricos” este ano, de 7,6% na zona euro e de 8,3% na União Europeia (UE), uma nova revisão em alta, ‘puxada’ pelos preços da energia e dos alimentos.

Nas previsões macroeconómicas de verão, divulgadas esta quinta-feira, o executivo comunitário antevê que a inflação média anual atinja “máximos históricos” em 2022, de 7,6% na zona euro e 8,3% na UE, antes de abrandar em 2023 para 4% e 4,6%, respetivamente.

Nas suas previsões da primavera, publicadas em maio passado, o executivo comunitário já tinha projetado uma “revisão considerável” em alta da taxa de inflação na zona euro este ano, para 6,1%, principalmente impulsionada pelos preços energéticos e alimentares, com pico no segundo trimestre e descida em 2023.

Nos dados anunciados esta quinta-feira, Bruxelas recorda que “a inflação global, até junho, atingiu máximos recordes à medida que os preços da energia e dos alimentos continuaram a crescer e as pressões sobre os preços se alargaram aos serviços e outros bens”, o que levou a uma nova revisão “consideravelmente em alta” face à projeção da primavera.

Economia

Mais Economia

Patrocinados