Bolsonaro nega contacto com líderes militares sobre golpe de Estado

Agência Lusa , AM
22 set 2023, 08:28
Jair Bolsonaro pronuncia-se pela primeira vez após a vitória de Lula da Silva. (Imagem AP)

Equipa jurídica de Bolsonaro também disse que o ex-presidente não tomou nenhuma medida que violasse a lei durante a sua administração entre 2019-2022.

O ex-presidente brasileiro Jair Bolsonaro negou ter consultado os principais líderes militares sobre a realização de um golpe de Estado para impedir Luiz Inácio Lula da Silva de assumir a presidência em janeiro.

Três membros da equipa jurídica de Bolsonaro afirmaram, numa declaração publicada nas redes sociais na quinta-feira, que Bolsonaro "nunca tomou qualquer medida que contrariasse os limites e garantias estabelecidos pela Constituição".

Na quinta-feira, vários órgãos de comunicação social brasileiros informaram que o coronel Mauro Cid, amigo pessoal e ex-assessor principal de Bolsonaro, teria confirmado estes encontros em depoimentos à Polícia Federal.

Cid afirmou ter estado presente nessas reuniões, durante as quais o então comandante da Marinha, almirante Almir Garnier Santos, disse a Bolsonaro que os seus homens estavam prontos para atender o pedido.

Por sua vez, o comando do Exército afirmou que não ia aderir ao suposto golpe de Estado, indicou o jornal O Globo.

As declarações de Cid fazem parte de um acordo de colaboração alcançado com a Justiça, depois de ter sido detido em maio, no âmbito de uma operação de alegada manipulação de cartões de vacinação para poder contornar as restrições de circulação impostas pela pandemia da covid-19, somando-se ainda o escândalo das joias sauditas, para venda ou inclusão como bens pessoais de Bolsonaro.

A equipa jurídica de Bolsonaro também disse que o ex-presidente não tomou nenhuma medida que violasse a lei durante a sua administração entre 2019-2022.

Bolsonaro tem sido alvo de várias investigações desde que deixou o cargo, incluindo uma sobre o papel na invasão do Congresso, Supremo Tribunal Federal e o Palácio do Planalto a 08 de janeiro, protagonizada por apoiantes.

Relacionados

Brasil

Mais Brasil

Mais Lidas

Patrocinados