As criptomoedas estão mortas. Longa vida às criptomoedas

CNN , Allison Morrow
28 mai, 20:30
A sucursal portuguesa do Bison Bank tem agora condições para oferecer os mesmos serviços de um banco tradicional, mas adaptado ao mundo das criptomoedas. Foto: Kin Cheung/Arquivo/AP

O abismo profundo entre os evangelizadores das criptomoedas e os seus opositores pode nunca ter sido tão acentuado.

Na quarta-feira, Andreessen Horowitz, o mais proeminente grupo de capital de risco do Sillicon Valley, nos EUA, fez uma aposta de 4,5 mil milhões de dólares [4,2 mil milhões de euros] no que chamou de "era dourada" para as criptomoedas, citando "uma onda maciça de talento de classe mundial" que entrou na indústria no ano passado.

"Foi por isso que decidimos entrar em grande", escreveu Chris Dixon, sócio-gestor da companhia.

No mesmo dia, um investidor outrora em alta fez manchetes que previam que a Bitcoin poderia cair para 8.000 dólares a partir do seu nível atual de cerca de 30.000 dólares.

"A Bitcoin, como qualquer criptomoeda neste momento, não se estabeleceu como um investimento institucional credível", disse Scott Minerd, director de investimentos da Guggenheim Partners, à Bloomberg News no Fórum Económico Mundial em Davos. "Tornou-se o mercado de um bando de eufóricos e de estagnados".

É uma mudança e tanto desde fevereiro do ano passado, quando Minerd disse a Julia Chatterly da CNN que conseguia ver a bitcoin, que na altura estava a negociar cerca de 40.000 dólares, a subir até "400.000 a 600.000 dólares".

A bitcoin atingiu o seu pico de 69.000 dólares em Novembro. Perdeu mais de metade do seu valor desde então, quando os investidores começaram a retirar-se de ativos mais arriscados face ao aumento das taxas de juro.

Apesar do crash, houve vários painéis sobre criptomoedas e dinheiro digital em Davos este ano, para não falar de uma série de vendedores ligados a criptomoedas ao longo do famoso paredão da cidade. Mas as vozes institucionais na cimeira não perderam tempo a denegrir a multidão da web3.

"A Bitcoin pode chamar-se uma moeda, mas não é dinheiro", disse Kristalina Georgieva, diretora-geral do Fundo Monetário Internacional, no primeiro dia do evento. "Não é uma reserva estável de valor".

Então, para onde vamos a partir daqui?

É fácil assistir à volatilidade do dia-a-dia das criptomoedas, bem como projetos marginais como o Terra e a Luna a entrar numa "espiral de morte", e descartar a tecnologia blockchain e a filosofia que lhes está subjacente. Mas os fiéis das criptimoedas dizem que, apesar dos seus problemas, elas não vão desaparecer.

Para começar, segundo alguns especialistas, o cripto tem de enfrentar o seu problema de marca. O termo criptomoeda pode ser enganador, disse-me Marcus Sotiriou, analista da GlobalBlock, corretora de ativos digitais.

"99% das criptomoedas não estão a tentar ser moedas - estão a tentar ser ativos por detrás destas redes de blockchain ", disse. "E penso que é apenas uma questão de tempo até que todas as empresas integrem de alguma forma o blockchain".

Os apelos estão a crescer para uma regulação mais próxima, especialmente após o colapso do TerraUSD e da sua moeda irmã, Luna, no início deste mês. Muitos defensores apoiam uma maior fiscalização, em parte porque isso poderia ajudar os criptos a ganhar credibilidade no mercado. Estima-se que existam atualmente 300 milhões de utilizadores de criptomoedas, e Sotiriou diz que o número duplica todos os anos - quase o dobro da taxa histórica de adoção da Internet.

"Embora o sentimento seja muito, muito negativo neste momento, e tudo pareça ser uma desgraça e tristeza", diz ele, "os fundamentos reais da criptografia não mudaram".

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Dinheiro

Mais Dinheiro

Patrocinados