Governo quer tratamento igual para lesados do BES e do Banif na Venezuela e África do Sul

Agência Lusa , DCT
15 mai, 08:48
Banco Espírito Santo (Dominik Bindl via Getty Images)

Segundo Paulo Cafôfo, trata-se de “uma situação muito injusta, que, obviamente, merecerá toda a atenção face à complexidade também que existe de um processo que não é simples, bem pelo contrário, mas ao que obviamente o Governo português dará maior atenção”.

O Governo português quer que os lesados do BES e do Banif na Venezuela e na África do Sul tenham um tratamento igual ao de quem reside em Portugal, disse este sábado o secretário de Estado das Comunidades, Paulo Cafôfo.

O caso do BES, tal como o caso do Banif, que também é preciso dizê-lo, são situações dramáticas de pessoas que perderam muitas delas as suas poupanças, as poupanças de uma vida, e esta é uma situação a que, obviamente, o Governo português está atento e não pode haver um tratamento desigual”, disse.

Paulo Cafôfo falava à agência Lusa, no Centro Português de Caracas, à margem de um encontro com membros da comunidade portuguesa local, onde ouviu queixas dos luso-venezuelanos pela demora na solução dos processos de lesados do BES, que hoje precisam das suas poupanças para, entre outros assuntos, tratar de problemas de saúde.

Alguns destes lesados queixaram-se que os residentes em Portugal já estariam a receber parte das poupanças que tinham no BES, insistindo que para os emigrantes na Venezuela e na África do Sul não havia ainda nenhuma solução.

“Eu estou certo de que não vai haver um tratamento desigual pelos lesados do BES em Portugal ou os lesados do BES na Venezuela ou na África do Sul na outra parte qualquer. São lesados, infelizmente estão todos na mesma situação”, disse o governante.

Segundo Paulo Cafôfo, trata-se de “uma situação muito injusta, que, obviamente, merecerá toda a atenção face à complexidade também que existe de um processo que não é simples, bem pelo contrário, mas ao que obviamente o Governo português dará maior atenção”.

De visita à Venezuela, Paulo Cafôfo, reforçou ainda que a sua governação terá "a marca da proximidade".

“É isto que estou aqui a fazer, algo importantíssimo que é olhos nos olhos das pessoas, ouvi-las e escutá-las. E aqui, há preocupações das comunidades que levo com toda a atenção e vou levar aos membros do Governo que têm as respetivas tutelas, seja a questão da Segurança Social, a questão do programa 'Regressar', seja a questão dos apoios”, disse.

O que é “fundamental", sublinhou, "é que Portugal e o Governo português não esquecem os portugueses" que residem na Venezuela.

Aliás, o exemplo que temos dado é que temos um programa específico para o apoio aos emigrantes carenciados aos idosos carenciados (…) da parte do apoio ao associativismo desta secretaria de Estado, um quarto das verbas de apoio às associações é aqui para a Venezuela”, frisou.

Paulo Cafôfo recordou que na Venezuela existe uma rede médica de atenção a portugueses, “uma rede médica de consultas gratuitas, mas também que realiza exames de diagnóstico”.

“E é este trabalho muito social que iremos continuar a fazer, porque a Venezuela (…), onde reside uma comunidade portuguesa muito grande, é daquelas que merece a nossa maior atenção devido à situação económica e social do país”, precisou.

Luso-venezuelanos pedem ao Governo português soluções urgentes para lesados do BES

Emigrantes na Venezuela pediram este sábado ao Governo português que encontre “soluções urgentes” para os lesados do BES naquele país, porque muitos precisam do seu dinheiro para tratar problemas de saúde.

Os pedidos foram feitos ao secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, Paulo Cafôfo, durante um encontro com membros da comunidade, que teve lugar no Centro Português de Caracas.

Tive toda a confiança em Portugal e coloquei o dinheiro no Banco Espírito Santo [BES] e ficámos sem nada. Tenho que fazer uma operação ao joelho, estive mal do coração e da tensão arterial e não tenho dinheiro”, explicou Carminha dos Ramos.

Em declarações à Lusa, a portuguesa, de 79 anos, lamentou: “O Governo [de Portugal] não me soluciona nada, dizem-me que temos de esperar, porque é um problema que tem de ser resolvido pela justiça portuguesa”.

“Levei o meu dinheiro e depositei o meu dinheiro no BES, na Madeira. Não estou a pedir dinheiro, quero o meu dinheiro”, desabafou.

“Há quase oito anos que lutamos para recuperar o nosso dinheiro", disse à Lusa Sara Freitas, presidente da Associação dos Emigrantes Lesados do BES na Venezuela e África do Sul (AELB).

“Em junho de 2020, os lesados do ‘papel comercial’ terminaram de receber o dinheiro do Fundo de Recuperação de Crédito que facilitou o Estado Português. Receberam entre 50 e 75% do seu capital, mas nós não”, afirmou, questionando se para Portugal há “cidadãos de 1.ª e 2.ª classe” e o porquê depois “de tantas promessas" ainda não terem recebido nada.

Segundo Sara Freitas, apesar de em dezembro último ter sido criado um grupo de trabalho, em Portugal, não se fazem reuniões.

“Temos tantas provas do engano que sofremos (…) de que foram vendidos produtos falsos a emigrantes na Venezuela e África do Sul, que não foram vendidos em Portugal. Fomos enganados. Prometeram que o nosso dinheiro estava em depósitos a prazo e estavam a colocar em empresas falidas sem supervisão de nenhuma instituição de Portugal”, frisou.

Segundo José Rodrigues, vice-presidente da AELB, entre os produtos em reclamação, cerca de um quarto diz respeito a “papel comercial que é exatamente igual ao que foi pago em Portugal, com entre 50 e 75% do capital, com a única diferença que esses documentos foram assinados numa sucursal financeira no estrangeiro”, mas com sede no Funchal, Madeira.

Nós cumprimos com todos os passos, mas não conseguimos uma solução (…)  falamos de 142 contas, algumas das quais os titulares que as abriram já faleceram e agora ficam os filhos”, precisou, sublinhando que há ainda mais casos de pessoas afetadas.

Por outro lado, explicou que a partir de 2002, quando “começou a instabilidade na Venezuela, muitos portugueses estiveram na encruzilhada de ou deixar o dinheiro na Venezuela, continuar a investir localmente, depositar nos EUA, ou colocar as poupanças em Portugal para, mais tarde, passar os últimos anos onde nasceram”.

“Agora não temos o dinheiro, nem nada parecido (...) e há vários casos de portugueses que queriam comprar algo em Portugal, tinham o dinheiro e o banco recomendou que não o levantassem. Fizeram-lhes empréstimos argumentando que era um bom negócio porque pagariam 2% de juros e receberiam 4% do título de turismo”, explicou José Rodrigues.

Trata-se também, explicou, de uma “situação complicada” porque “hoje não têm o seu dinheiro, mas têm uma dívida para pagar e se está a aproximar-se os dez anos de prazo que lhes deram para pagar”.

Paulo Cafôfo iniciou na quinta-feira uma visita à Venezuela, enquadrada na iniciativa “Portugal no Mundo: Caminhos para a Valorização das Comunidades Portuguesas” e que tem como objetivo “reforçar laços” e aproximar os portugueses residentes no estrangeiro dos que vivem em Portugal.

A visita de Paulo Cafôfo termina a 17 de maio.

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Economia

Mais Economia

Patrocinados