Cientistas dizem ter encontrado um local que marca um novo capítulo na história da Terra

CNN , Katie Hunt
10 ago 2023, 09:00
Cientistas

Cientistas identificaram o local geológico que, segundo eles, reflete melhor uma nova época proposta, denominada "Antropoceno" - e tudo isto é um passo importante para alterar a cronologia oficial da história da Terra.

O termo Antropoceno, proposto pela primeira vez em 2000 para refletir a forma como a atividade humana alterou profundamente o mundo, tornou-se uma palavra-chave académica comum que une diferentes áreas de estudo.

"Quando se trata de 8 mil milhões de pessoas com impacto no planeta é natural que haja repercussões", afirma Colin Waters, professor honorário da Escola de Geografia, Geologia e Ambiente da Universidade de Leicester e presidente do Grupo de Trabalho sobre o Antropoceno.

"Passámos a este novo estado da Terra e isso deve ser definido por uma nova época geológica", acrescenta Waters.

O AWG, um grupo atualmente composto por 35 geólogos, tem vindo a trabalhar desde 2009 para que o Antropoceno faça parte da cronologia oficial da Terra. O grupo determinou em 2016 que a época do Antropoceno começou por volta de 1950 - o início da era dos testes de armas nucleares, cujos vestígios geoquímicos podem ser encontrados em todo o mundo. Desde então, os investigadores consideraram 12 locais que podiam fornecer a peça-chave de prova necessária para apoiar a sua proposta, nove dos quais foram submetidos a votação.

Recentemente, os cientistas anunciaram o sítio geológico - o lago Crawford em Ontário, Canadá - que melhor capta o impacto geológico do Antropoceno, de acordo com a sua investigação.

No entanto, nem todos concordam que o Antropoceno é uma realidade geológica - ou que os investigadores têm provas suficientes para o declarar formalmente como uma nova época.

Dividir o tempo profundo

A escala do tempo geológico constitui o quadro oficial para a nossa compreensão dos 4,5 mil milhões de anos de história da Terra. Os geólogos dividem a história do nosso planeta em éons, eras, períodos, épocas e idades - sendo um éon o maior período de tempo e uma idade o mais curto.

Por exemplo, vivemos atualmente na Era Meghalayan. Faz parte da Época Holocénica, que começou no final da última idade do gelo, há 11.700 anos, quando as calotes polares e os glaciares começaram a recuar. O Holoceno faz parte do Período Quaternário, a divisão mais recente da Era Cenozóica, que por sua vez faz parte do Éon Fanerozoico - que se estende de 539 milhões de anos atrás até ao presente.

Estes capítulos geológicos são frequentemente baptizados com o nome do local onde foram estudados pela primeira vez. O Período Jurássico deve o seu nome às rochas ricas em fósseis das montanhas do Jura, em França, enquanto o Período Cambriano recebeu o seu nome do nome romano do País de Gales.

Andrew Knoll, professor de História Natural da Universidade de Harvard, diz que a escala é "profundamente útil" para o seu trabalho como paleontólogo.

"Quando digo 'Cambriano' isto transmite não só o tempo entre 539 milhões e 485 milhões de anos atrás, mas uma abundância de informações sobre biota, ambientes, tectónica, paleogeografia e muito mais", diz Knoll. É um pouco como dizer "Idade Média" ou "Renascimento".

Se for aprovado, o Antropoceno vai ser a terceira época do Período Quaternário. Significaria também que a época do Holoceno foi particularmente curta - outras épocas duraram vários milhões de anos.

Cada divisão na cronologia oficial é também representada por um único sítio geológico - conhecido como Ponto e Secção Estratigráfica de Fronteira Global (GSSP) - que melhor capta o que há de novo ou único num determinado capítulo da história da Terra.

Cada ponto é normalmente assinalado com um "espigão dourado", muitas vezes martelado na camada fundamental de rocha - embora o local possa ser uma estalagmite ou um núcleo de gelo.

Local de nascimento do Antropoceno

Para o Antropoceno, o local proposto para o "golden spike" é um sedimento retirado do leito do Lago Crawford que revela vestígios geoquímicos de testes de bombas nucleares, especificamente plutónio - um elemento radioativo amplamente detetado em todo o mundo em recifes de coral, núcleos de gelo e turfeiras.

O Lago Crawford foi o vencedor depois de o AWG ter votado nos nove locais candidatos em três rondas. Os outros locais potenciais incluíam uma turfeira nas montanhas Sudeten da Polónia, o lago Searsville na Califórnia, um trecho do fundo do mar no Mar Báltico, uma baía no Japão, uma cratera vulcânica cheia de água na China, um núcleo de gelo perfurado na Península Antárctica e dois recifes de coral, um na Austrália e outro no Golfo do México.

Waters disse que foi muito difícil escolher entre os diferentes locais e que as votações foram renhidas, mas acredita que o Lago Crawford ganhou porque o ponto de partida geoquímico proposto para o Antropoceno associado ao sedimento é particularmente preciso.

O lago não é grande, cobrindo 2,4 hectares (5,9 acres), mas é excecionalmente profundo, quase 24 metros (78,7 pés), e os sedimentos encontrados no fundo podem ser divididos em camadas anuais para serem amostrados em busca de marcadores geoquímicos da atividade humana. Esta análise permite aos cientistas observar as alterações numa resolução anual, explica Francine McCarthy, professora de Ciências da Terra na Universidade de Brock, no Canadá, que estudou o lago.

"A forma do lago restringe a mistura da coluna de água, pelo que as águas do fundo não se misturam com as águas de superfície. O fundo do lago está completamente isolado do resto do planeta, à exceção do que se afunda suavemente no fundo", diz.

Andrew Cundy, professor e presidente da cadeira de radioquímica ambiental da Universidade de Southampton, no Reino Unido, e membro do AWG diz que "a presença de plutónio nos dá um indicador claro de quando a humanidade se tornou uma força tão dominante que podia deixar uma 'impressão digital' global única no nosso planeta".

No entanto, a seleção do Lago Crawford não é a decisão final sobre o reconhecimento do Antropoceno como unidade de tempo geológico oficial.

O AWG apresentará uma proposta para oficializar o Antropoceno à Subcomissão de Estratigrafia Quaternária no final deste verão. Se os membros da subcomissão concordarem com uma maioria de 60%, a proposta passa então para a Comissão Internacional de Estratigrafia, que também tem de votar e concordar com uma maioria de 60% para que a proposta siga para ratificação. Ambos os organismos fazem parte da União Internacional das Ciências Geológicas, que representa mais de um milhão de geocientistas em todo o mundo.

Espera-se uma decisão final no 37º Congresso Geológico Internacional em Busan, Coreia do Sul, em agosto de 2024.

O grande debate sobre o Antropoceno

Alguns especialistas não consideram que o Antropoceno esteja ao nível de definir uma época.

Stan Finney, secretário-geral da União Internacional das Ciências Geológicas e professor do departamento de ciências geológicas da Universidade Estatal da Califórnia, em Long Beach, afirma que o registo estratigráfico do Antropoceno é relativamente mínimo - apenas um período de vida humana -, tendo em conta o ponto de partida proposto de cerca de 1950.

O início do Antropoceno podia ser definido de várias formas - incluindo a Revolução Industrial -, o que resultaria num intervalo muito maior do que o atualmente proposto, observa.

"Não há dúvida de que os seres humanos tiveram um impacto dramático no sistema terrestre e de que estamos hoje a enfrentar consequências incríveis. Mas trata-se de um fenómeno de longa duração", afirma.

Também considera que a pressão para reconhecer oficialmente o Antropoceno pode, de facto, ser mais política do que motivada pela geologia no terreno. O termo foi cunhado em 2000, não por um geólogo mas pelo químico atmosférico e laureado com o Prémio Nobel Paul Crutzen - aparentemente em observações improvisadas numa conferência.

Finney diz que é mais correto descrever o profundo impacto da humanidade na Terra como um acontecimento geológico contínuo do que como uma época formal com uma data de início global precisa. Também é possível, afirma, que os estratigrafistas decidam que o Antropoceno não se eleva ao nível de época, mas pode ser a quarta idade do Holoceno - a muito menos apelativa Idade Crawfordiana.

Outros opõem-se ao termo Antropoceno porque implica toda a humanidade na atividade que alterou irrevogavelmente o planeta. Alguns investigadores afirmam que as alterações são obra de uma minoria poderosa e elitista e que seria preferível chamar a esta época o Capitaloceno.

Waters acredita que o AWG tem um forte argumento para formalizar o Antropoceno, mas diz que nomear uma nova época geológica "é um processo muito conservador", pelo que não há garantias de que a proposta seja bem-sucedida.

Além do Lago Crawford, o AWG também precisa de escolher dois locais secundários antes de apresentar uma proposta.

"Temos sido muito cuidadosos na nossa procura de locais adequados, mas eles podem simplesmente dizer no final do dia 'não estamos impressionados com as provas que forneceram para demonstrar que o Antropoceno é justificadamente uma nova época do tempo geológico'", refere Waters.

"Podem também apoiar a ideia de que há uma fase e que o sítio de Crawford representa uma nova fase do Holoceno, mas não estão preparados para aceitar que o Antropoceno é uma mudança significativa além do envelope de mudança que vemos no Holoceno", acrescenta.

Andrew Mathews, professor de antropologia na Universidade da Califórnia, em Santa Cruz, diz que o termo Antropoceno já demonstrou a sua importância, abrindo conversações entre as ciências naturais, as ciências sociais e as humanidades. Como tal, o local geológico exato de nascimento da época proposta pode acabar por não ter grande importância.

"Está cimentado que as sociedades humanas estão a ter um impacto geológico no mundo e nos sistemas terrestres. E essa parte é útil", aponta. "Basicamente, diz 'olha, estamos a fazer isto, transformámos o mundo e temos de continuar a pensar nisso'."

Mundo

Mais Mundo

Patrocinados