Cidade alemã corta água quente em todos os edifícios públicos devido à crise do gás russo

28 jul, 19:07
Fonte (AP)

Autarca de Hannover quer reduzir em 15% o consumo de energia face a uma “iminente falta de gás”

A autarquia da cidade alemã de Hannover decidiu cortar a água quente em todos os edifícios públicos para fazer face a uma potencial escassez de gás em consequência da invasão russa da Ucrânia.

Citado pela BBC, o presidente da câmara Belit Onay afirma querer reduzir o consumo de energia da cidade em 15%, em linha com o aprovado pela União Europeia esta semana, face a uma “iminente falta de gás”.

A partir de agora, a água quente não estará disponível para lavar as mãos em edifícios públicos, bem como para chuveiros em locais como ginásios e piscinas. As fontes públicas também serão desligadas, bem como todas a iluminação noturna em grandes edifícios, como museus e o edifício da própria câmara municipal.

Outra alteração significativa é a proibição da utilização de sistemas de aquecimento de abril a setembro, e a limitação da temperatura ambiente no interior dos edifícios a 20 graus Celsius, salvo algumas exceções.

As medidas tomadas não devem, no entanto, servir para reduzir os preços da energia. Segundo a BBC, vários relatórios apontam que a fatura energética poderá vir a custar mais 500 euros por ano a cada família alemã. Mesmo assim, o gás russo representa agora somente cerca de um quarto das necessidades energéticas da Alemanha, uma redução face aos mais de 50% registados antes da guerra.

Europa

Mais Europa

Patrocinados