Porque estão os agricultores a atirar ovos e a entupir ruas com tratores na Europa?

CNN , Sophie Tanno, Chris Liakos e James Frater
2 fev, 11:22
Manifestantes em confronto com polícias em Bruxelas, na quinta-feira. Dirk Waem/Belga/AFP/Getty Images

Protestos intensificam-se por toda a Europa.

Agricultores em protesto invadiram o coração da União Europeia esta quinta-feira, quando os líderes do bloco realizavam uma reunião crucial na qual acordariaam um novo financiamento para a Ucrânia.

Os manifestantes chegaram a Bruxelas nos seus tractores às primeiras horas da manhã, antes de se reunirem em frente ao Parlamento Europeu, onde se realizava a cimeira, tocando buzinas, atirando ovos e .

Alguns tractores estiveram estacionados perto do Parlamento Europeu durante toda a semana, antes de comitivas de todo o país convergirem na manhã de quinta-feira.

Alguns dos manifestantes incendiaram objectos em frente ao edifício do parlamento, enquanto outros empunhavam cartazes com slogans como: "Sem agricultores, não há comida".

A polícia disse na quinta-feira que cerca de mil tractores eram esperados na capital belga para a manifestação planeada, alertando para "problemas de tráfego" na área.

Esta fotografia, de 1 de fevereiro de 2024, mostra filas de tractores entre edifícios na rua Belliard durante uma ação de protesto no bairro europeu de Bruxelas, organizada pelo sindicato geral dos agricultores ABS (Algemeen Boerensyndicaat) para exigir melhores condições de cultivo, produção e manutenção de um rendimento adequado, no dia de uma reunião do Conselho Europeu. Hatim Kaghat/Belga/AFP/Getty Images

Embora as questões agrícolas da UE não façam parte da agenda da cimeira, os manifestantes pretendem pressionar o bloco para que as suas queixas sejam ouvidas.

Os agricultores pediram um afrouxamento das regras que regem a política agrícola partilhada do bloco, afirmando que não são pagos o suficiente, estão a ser sufocados por impostos e restrições ambientais e enfrentam a concorrência desleal do exterior - incluindo importações agrícolas baratas da Ucrânia.

A UE renunciou a quotas e direitos sobre as importações ucranianas à luz da invasão da Ucrânia pela Rússia.

Renaud Foucart, professor de economia na Universidade de Lancaster, em Inglaterra, disse à CNN que os agricultores que protestam têm dois problemas principais.

"Uma delas, que diz respeito principalmente aos agricultores da Europa de Leste, é o receio de que o trigo e muitos outros produtos agrícolas provenientes da Ucrânia entrem no mercado como concorrência desleal e eles gostariam de ter algum protecionismo por isso.

De acordo com Foucart, para os agricultores dos países da Europa Ocidental, a principal questão prende-se com as medidas ambientais que estão a ser introduzidas no âmbito do Pacto Ecológico Europeu, que, segundo eles, irão sobrecarregá-los com custos e regulamentos adicionais.

"Esses agricultores gostariam de obter alguma forma de isenção, alguma forma de compensação".

O primeiro-ministro belga, Alexander De Croo, considerou as preocupações dos agricultores "perfeitamente legítimas".

"Como viram, há um grande protesto de agricultores em Bruxelas. Precisamos de poder discutir este assunto no Conselho, porque as preocupações que têm são perfeitamente legítimas.

"A transição climática é uma prioridade fundamental para as nossas sociedades. Temos de garantir que os nossos agricultores podem ser parceiros neste processo", afirmou De Croo à chegada à cimeira.

Nos últimos dias, houve também protestos em Itália, Espanha, Roménia, Polónia, Alemanha, Portugal e Países Baixos.

Na Grécia, os tractores marcharam na quinta-feira em direção à segunda maior cidade de Salónica, na esperança de bloquear as principais vias dentro da cidade.

Em França, os agricultores em protesto continuam a bloquear as estradas nos arredores de Paris e perto das cidades de Lyon e Toulouse.

De acordo com a BFMTV, afiliada da CNN, 91 pessoas foram detidas na quarta-feira por obstruírem o trânsito e causarem danos perto do mercado de Rungis, a sul de Paris, um importante centro de distribuição de alimentos. De acordo com o governo francês, são esperados mais anúncios "nos próximos dias".

Na quinta-feira, o recém-nomeado primeiro-ministro francês, Gabriel Attal, anunciou em conferência de imprensa novas medidas para o sector agrícola, incluindo apoio financeiro.

Na sequência do anúncio, dois dos principais sindicatos agrícolas franceses apelaram aos seus membros para que acabassem com os bloqueios nas estradas.

"Acreditamos que temos de mudar o nosso modo de ação e, por isso, apelamos às nossas redes através dos canais nacionais para que suspendam os bloqueios e entrem numa nova forma de mobilização", disse Arnaud Gaillot, presidente da Jeunes Agriculteurs.

Num esforço para responder a algumas das preocupações do sector agrícola, a Comissão Europeia propôs uma isenção "temporária" para os agricultores de uma regra da UE que os obrigaria a manter 4% das suas terras aráveis em pousio ou improdutivas para fins de biodiversidade.

Propôs igualmente "renovar a suspensão dos direitos de importação e dos contingentes sobre as exportações ucranianas para a UE por mais um ano, reforçando simultaneamente a proteção dos produtos agrícolas sensíveis da UE".

Europa

Mais Europa

Patrocinados