Serhat Gumrukcu: o caso do empresário milionário que prometia a cura para o cancro (mas acabou detido por homicídio)

3 ago, 16:49
Serhat Gumrukcu

O empresário turco começou uma carreira como mágico na adolescência, mas acumulou milhões com promessas médicas revolucionárias. Vai agora a julgamento por ter arquitetado a morte de um parceiro de negócios que ameaçou denunciar as suas atividades fraudulentas

Serhat Gumrukcu começou por fazer espetáculos de magia na Turquia, sob o nome artístico “Dr. No”. Anos mais tarde enveredou pela medicina e tornou-se o encantador Dr. Gumrukcu, que prometia tratamentos revolucionários para doenças como a covid-19, HIV e cancro. Apaixonou investidores e acumulou volumosas quantias de dinheiro, mas a ilusão acabou por desfazer-se. Em maio de 2022 foi preso por ter orquestrado o homicídio de um homem que ameaçou denunciá-lo por fraude. 

Tudo começou quando se mudou para os Estados Unidos, em 2013, como revelado pelo Wall Street Journal. Quem tinha sido na Turquia, não importava - agora, podia reinventar-se como que por magia. Apresentava-se ocasionalmente como o filho de uma família real turca, descendente do Império Otomano, e assinava documentos como HRH (“His Royal Highness”, significando “Sua Alteza Real”). Iniciou-se no campo da biotecnologia sem experiência alguma, mas com total confiança nas suas ideias. Perspetivava uma cura para o vírus do HIV através de um transplante celular já antes experimentado e falhado, mas que - garantia - conseguiria fazer funcionar. Prometeu aplicar um tratamento semelhante num paciente de cancro, mas a família do homem, falecido pouco depois, garantiu que os serviços médicos nunca foram prestados. Gumrukcu pagou uma sentença estabelecida pelo tribunal e o caso foi deixado para trás.

Quem o conhecia, dizia-se rendido: falava de forma apaixonada sobre a área da terapia genética e apresentava ideias novas, ousadas, promissoras. Não tinha credenciais, mas ninguém o sabia; consolidou-se como investigador médico com marcas registadas em seu nome e o interesse de várias empresas biofarmacêuticas. Mas foi em 2018 que conheceu o verdadeiro sucesso, ao co-fundar a Enochian Biosciences. O nome parece apropriado ao seu percurso inconvencional, fazendo referência a uma língua oculta supostamente descoberta por alquimistas no século XVI. Selou um acordo com a biofarmacêutica DanDrit Biotech USA, também interessada no desenvolvimento de terapias celulares, que lhe concederia uma fortuna em acordos de licenciamento de medicamentos. Prova disso são os seus investimentos mais recentes, no ano passado: um complexo de escritórios em Los Angeles no valor de 18,4 milhões de dólares (cerca de 17,6 milhões de euros milhões de euros) e um apartamento de 5,5 milhões de dólares (perto de 5,4 milhões de euros) em Hollywood Hills.

Apesar do sucesso e da fortuna, envolveu-se em vários processos judiciais ao longo dos anos - todos eles relacionados com fraude. Falsificação de documentos, cheques fraudulentos, fazer-se passar por um advogado. As acusações eram múltiplas e custaram-lhe sentenças milionárias, mas diziam respeito a atividades paralelas de bens imobiliários e negócios petrolíferos. A sua reputação enquanto empresário na área da biotecnologia estava, por enquanto, intacta.

Até um negócio petrolífero com um novo parceiro começar a levantar demasiadas suspeitas. Gregory Davis comprava produtos petrolíferos refinados e posteriormente revendia-os com lucro. O papel de Serhat e o irmão, Murat Gumrukcu, era investir dinheiro em troca de uma percentagem deste lucro. Mas Davis ficou crescentemente desconfiado com os sucessivos atrasos nos pagamentos, numa dívida que já ultrapassava 900 mil euros. Ameaçou: se a dívida não fosse saldada, exporia documentos bancários fraudulentos do Dr. Gumrukcu ao FBI. No momento do ultimato, o acordo entre a Enochian e a DanDrit encontrava-se em processo de finalização e a denúncia às autoridades poderia comprometer a parceria que viria a fazer de Gumrukcu milionário. Então, assassinou Gregory Davis. 

O método foi tão teatral como todo o seu percurso pessoal e profissional desde os palcos da Turquia. Teve o cuidado de não intervir diretamente - recorreu a pelo menos dois intermediários para encontrar, contratar e pagar mais de 150 mil dólares (cerca de 147 mil euros) por um assassino (100 mil em dinheiro, 50 mil em bitcoins). A execução, fiel à sua personalidade, foi uma autêntica encenação de teatro. O assassino contratado, Aron Lee Ethridge, conduziu até à casa de Davis num carro de polícia, luzes vermelhas e azuis a irradiar do topo da viatura. Estava preso por extorsão, declarou a Davis, antes de o algemar e levar para longe da mulher grávida e dos seis filhos. Depois, alvejou-o várias vezes na cabeça e no corpo e deixou-o na berma de uma estrada em Vermonte.

A esposa de Davis tinha estado atenta às circunstâncias que antecederam a morte e mencionou os irmãos Gumrukcu às autoridades, em quem o homem tinha confessado não confiar. O empresário turco tinha tentado evitá-lo a todo o custo, mas acabou exatamente na situação que receava: investigado pelo FBI. E, desta vez, foram descobertas mais do que apenas conexões a negócios fraudulentos. Dia 24 de maio, quatro meses depois do homicídio, foi detido em Los Angeles e encontra-se, desde então, no Centro de Detenção Metropolitano local.

Não é o seu primeiro confronto com a justiça, claro - três semanas depois do homicídio de Davis, regressou aos tribunais para se declarar culpado por passar cheques fraudulentos, crime que lhe valeu cinco anos de pena suspensa. Mas a acusação por crime de conspiração de homicídio é, de longe, a mais grave: e também aquela que pode custar-lhe a vida, por ser frequentemente punida nos Estados Unidos com a morte.

Fecham-se as cortinas - é o encerrar de um bizarro espetáculo de truques, fraudes e ilusões. E é, provavelmente, o fim do império da Enochian, assente em pouco mais do que fumo e espelhos. Poucos dias antes da detenção, Gumrukcu vendeu cerca de 250 mil ações por dois milhões de dólares. Foram aparentemente compradas por um membro da empresa, por oito dólares por ação, e continuam em queda livre. Esta quarta-feira, o valor não ultrapassa os três dólares. 

E.U.A.

Mais E.U.A.

Patrocinados